Gostou do artigo? Compartilhe!

Bridas intestinais - o que são? Como tratar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são bridas intestinais?

As bridas intestinais são cicatrizes1 internas em forma de cordões ou de faixas de tecido2 cicatricial fibroso que formam “pontes” ligando os órgãos abdominais entre si ou à parede do abdômen, geralmente formadas após uma cirurgia abdominal. Elas formam uma espécie de "teia de aranha" que pode ligar, por exemplo, o ovário3 ao intestino ou partes do intestino entre si.

Quais são as causas das bridas intestinais?

As bridas intestinais podem ser congênitas4 ou adquiridas em cirurgias abdominais prévias e constituem aproximadamente 60% dos casos de obstrução intestinal. As bridas se desenvolvem depois de uma cirurgia abdominal na qual os órgãos são muito manuseados e são temporariamente afastados de suas posições normais.

São fatores de risco para a formação de brida intestinal: infecções5 intra-abdominais, isquemia6 tissular7, corpos estranhos intra-abdominais e cirurgias abdominais, que é o fator mais comum.

Qual é o mecanismo fisiológico8 das bridas intestinais?

As bridas são formações de tecido2 fibroso, que se estruturam em apenas dois dias após uma cirurgia. As manipulações de órgãos, necessárias durante uma cirurgia, se são intensas, podem levar à formação de um exsudato9 de fibrina10, que quando não é devidamente drenado pelo próprio organismo do paciente leva à formação das bridas.

Quais são as principais características clínicas das bridas intestinais?

A formação de bridas intestinais é tanto maior quanto mais manipulados forem os órgãos do paciente durante uma cirurgia. Normalmente elas não causam quaisquer problemas, mas eventualmente podem causar obstrução intestinal e o intestino pode ser bloqueado total ou parcialmente.

Na dependência da sua localização, podem levar ao "estrangulamento" total do intestino e impedir a eliminação das fezes. Esse "estrangulamento" pode também limitar o fornecimento de sangue11 àquela região do intestino e ela pode começa a necrosar (morrer), impondo uma cirurgia de emergência12.

Às vezes, uma área do intestino afetada pode ser bloqueada apenas intermitentemente, mas também pode persistir, gerando sintomas13 como dor abdominal intensa e obstrução intestinal duradoura. Em razão disso, o abdômen do indivíduo incha, ele sentirá fortes dores e, se a situação persiste não solucionada, podem ocorrer vômitos14 de fezes.

Saiba mais sobre "Dor abdominal" e "Obstrução intestinal".

Como o médico reconhece a existência de bridas intestinais?

O médico deve colher atentamente a história médica do paciente, especialmente seu relato de cirurgia(s) abdominal(is) anterior(es), palpar seu abdômen e solicitar exames de imagem como, por exemplo, tomografia computadorizada15. Exames de sangue11, urina16 e radiografias podem ajudar a excluir outras situações que possam estar gerando a dor abdominal e assim ajudar a firmar o diagnóstico17 de bridas. Os exames de imagem também podem produzir sinais18 sugestivos de obstrução intestinal, se for o caso.

Como o médico trata as bridas intestinais?

Se o médico concluir que as bridas não envolvem órgãos vitais e se achar que o paciente não está em boas condições para enfrentar uma cirurgia, poderá apenas receitar analgésicos19 e anti-inflamatórios quando as dores surgirem. Como regra, a remoção cirúrgica das bridas deve ser feita sempre que elas gerem dor abdominal intensa, produzam obstrução intestinal ou impeçam o bom funcionamento de qualquer outro órgão.

No entanto, se o médico de novo manipular muito o paciente, novas bridas poderão ser formadas e, por isso, o ideal é que elas sejam apenas seccionadas para permitir uma melhor mobilidade dos órgãos envolvidos.

Como evoluem as bridas intestinais?

A obstrução intestinal causada por bridas pode levar à morte em cerca de 5% dos casos ou mais, se não tratadas a tempo.

 

ABCMED, 2016. Bridas intestinais - o que são? Como tratar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1282078/bridas-intestinais-o-que-sao-como-tratar.htm>. Acesso em: 20 set. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
2 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
3 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
4 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
7 Tissular: Relativo a tecido orgânico.
8 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Exsudato: Líquido com alto teor de proteínas séricas e leucócitos, produzido como reação a danos nos tecidos e vasos sanguíneos.
10 Fibrina: Proteína formada no plasma a partir da ação da trombina sobre o fibrinogênio. Ela é o principal componente dos coágulos sanguíneos.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
15 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
16 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
19 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia Geral?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.