Atalho: 67LC4Q5
Gostou do artigo? Compartilhe!

Sete recomendações do INCA para reduzir a mortalidade por câncer de mama no Brasil: prevenção e controle

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O Instituto Nacional de Câncer1 (INCA) lançou sete recomendações com o objetivo de contribuir para a redução da mortalidade2 por câncer1 de mama3 no Brasil por meio da divulgação de evidências científicas e da mobilização e participação social.

O INCA recomenda que:

  1. Toda mulher tenha amplo acesso à informação com base científica e de fácil compreensão sobre o câncer1 de mama3.
  2. Toda mulher fique alerta para os primeiros sinais4 e sintomas5 do câncer1 de mama3 e procure avaliação médica.
  3. Toda mulher com nódulo6 palpável na mama3 e outras alterações suspeitas tenha direito a receber diagnóstico7 no prazo máximo de 60 dias.
  4. Toda mulher de 50 a 69 anos faça mamografia8 a cada dois anos.
  5. Todo serviço de mamografia8 participe do Programa de Qualidade em Mamografia8. A qualificação, quando obtida, deve ser exibida em local visível às usuárias.
  6. Toda mulher saiba que o controle do peso e da ingestão de álcool, além da amamentação9 e da prática de atividades físicas, são formas de prevenir o câncer1 de mama3.
  7. A terapia de reposição hormonal, quando indicada na pós-menopausa10, seja feita sob rigoroso acompanhamento médico, pois aumenta o risco de câncer1 de mama3.

Fonte: INCA

 

 

ABCMED, 2011. Sete recomendações do INCA para reduzir a mortalidade por câncer de mama no Brasil: prevenção e controle. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/249145/sete-recomendacoes-do-inca-para-reduzir-a-mortalidade-por-cancer-de-mama-no-brasil-prevencao-e-controle.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
9 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
10 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia e Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.