Atalho: 5XRNZGI
Gostou do artigo? Compartilhe!

Fibromialgia. Você sabe o que é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é fibromialgia1?

A fibromialgia1 é caracterizada por dor músculo-esquelética generalizada acompanhada de fadiga2, prejuízo do sono, problemas de humor e de memória. Acredita-se que esta condição amplifica as sensações dolorosas, afetando a maneira como o cérebro3 processa os sinais4 de dor. As mulheres são muito mais propensas a desenvolver a patologia5 que os homens.

Os sintomas6 começam às vezes após um trauma físico, cirurgia, infecção7 ou estresse psicológico. Em outros casos, surgem gradualmente e se acumulam ao longo do tempo sem ter um evento desencadeante.

Embora não haja cura, uma variedade de medicamentos pode ajudar a controlar os sintomas6. Exercícios físicos regulares, técnicas de relaxamento e redução do estresse também podem colaborar.

Quais são os sintomas6?

A dor é descrita como constante e parece acometer todo o corpo. Há uma dor adicional quando exerce-se uma pressão firme em áreas específicas, os chamados “pontos sensíveis” ou “pontos fibromiálgicos”. São 18 pontos simétricos.

As localizações incluem:

  1. Região suboccipital (atrás da cabeça8).
  2. No músculo trapézio9 (em cima do ombro e nas costas10).
  3. Na região supraespinhal.
  4. No pescoço11.
  5. Na articulação12 condrocostal (onde a segunda costela se insere no osso esterno13).
  6. Nos joelhos (principalmente na parte de trás dos joelhos).
  7. Na região onde o fêmur14 se encaixa na bacia.
  8. Na região glútea15.
  9. Do lado do cotovelo.

Pessoas com fibromialgia1 frequentemente acordam cansadas, apesar de terem dormido por longos períodos de tempo. O sono é interrompido pela dor e muitos pacientes apresentam outros distúrbios do sono, como a síndrome16 das pernas inquietas e a apneia17 do sono.

Muitos pacientes que têm fibromialgia1 também pode ter:

  • Fadiga2
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Endometriose18
  • Dores de cabeça8 tensionais
  • Síndrome16 do intestino irritável
  • Distúrbios da articulação temporomandibular19 (ATM)

Caso você apresente alguns desses sintomas6 procure um clínico geral ou um reumatologista. Eles podem ajudar a esclarecer as suas dúvidas sobre esta e outras condições de saúde20.

Quais são as causas?

A causa ainda é desconhecida, mas provavelmente envolve uma variedade de fatores que trabalham juntos. São eles:

  • Fatores genéticos. A fibromialgia1 tende a estar presente em membros de uma mesma família, podendo haver certas mutações genéticas que tornam mais suscetível o desenvolvimento da doença.
  • Infecções21. Algumas doenças parecem desencadear ou agravar o quadro.
  • Traumas físicos ou emocionais. Transtorno de estresse pós-traumático tem sido associado à fibromialgia1.

Por que as pessoas com fibromialgia1 sentem dor?

Existe atualmente uma teoria chamada de sensibilização central. Esta teoria afirma que pessoas com fibromialgia1 têm um limiar menor para dor por causa da sensibilidade aumentada no cérebro3 aos sinais4 de dor.

Os investigadores acreditam que haja um aumento anormal dos níveis de certas substâncias químicas (neurotransmissores) no cérebro3 responsáveis pelo sinal22 de dor. Além disso, os receptores cerebrais da dor parecem desenvolver uma espécie de memória e tornam-se mais sensíveis, ou seja, reagem mais aos sinais4 de dor.

Existem fatores de risco para a fibromialgia1?

  • Sexo feminino. As mulheres apresentam mais a doença do que os homens.
  • História familiar. É mais provável que você desenvolva fibromialgia1 se tiver um parente já diagnosticado com esta condição.
  • Fatores reumáticos. Se você tem uma doença reumática, como artrite reumatoide23 ou lúpus24, você pode ser mais propenso a desenvolver a fibromialgia1.

A doença leva a alguma complicação futura?

A fibromialgia1 geralmente não leva a outras condições ou doenças futuras. Mas a dor e as alterações do sono podem interferir na sua habilidade para o trabalho. A frustração de lidar com uma condição muitas vezes incompreendida também pode resultar em depressão e ansiedade.

Como é feito o diagnóstico25?

Seu médico provavelmente irá perguntar quais são os pontos dolorosos e a frequência da dor, se você tem alguma dificuldade para descansar ou acha que o seu sono não é um descanso reparador, se está se sentindo deprimido ou ansioso, se você apresenta alguma outra doença, etc.

No exame físico, o médico irá palpar os 18 pontos fibromiálgicos exercendo certa pressão no local.

Em 1990, o American College of Rheumatology (ACR) estabeleceu dois critérios para o diagnóstico25 da fibromialgia1:

  1. Dor generalizada com duração mínima de três meses.
  2. Pelo menos 11 pontos fibromiálgicos positivos ao exame.

Não há nenhum teste de laboratório para confirmar o diagnóstico25 de fibromialgia1, mas o médico pode precisar excluir outras condições que tenham sintomas6 semelhantes como doenças musculares e neurológicas. Para isso, às vezes são solicitados exames complementares como hemograma completo, velocidade de hemossedimentação26 (VHS27), testes de função da tireoide28 dentre outros.

Existe tratamento?

Em geral, os tratamentos para a fibromialgia1 incluem medicação para reduzir a dor e melhorar o sono. A ênfase está em minimizar os sintomas6 e melhorar a saúde20 geral.

Podem ser usados analgésicos29 como o paracetamol e o tramadol, ou drogas antiinflamatórias não-esteroides (AINEs) como o ibuprofeno ou o naproxeno sódico.

Às vezes são necessários antidepressivos como duloxetina, amitriptilina ou fluoxetina. Consulte um médico. Só ele pode orientá-lo sobre o melhor tratamento para a sua condição.

Existem outros cuidados que ajudam no tratamento?

Alguns cuidados são fundamentais para o tratamento da fibromialgia1:

  • Reduzir o estresse.
  • Dar-se um tempo a cada dia para relaxar.
  • Aprender a dizer não sem culpa.
  • Pessoas que param de trabalhar tendem a ficar pior do que aquelas que permanecem ativas.
  • Aprender técnicas de relaxamento.
  • Fazer uma atividade física orientada por um médico. Em um primeiro momento, o exercício pode aumentar a dor. Mas fazer isso de forma gradual e regular muitas vezes diminui os sintomas6. Exercícios adequados incluem caminhada, ciclismo, dança, natação e hidroginástica. Um fisioterapeuta pode ajudá-lo a desenvolver um programa de exercícios em casa. Exercícios com levantamento de pesos parecem piorar os sintomas6.
  • Exercícios de alongamento, melhora da postura (yoga, RPG, Pilates) e relaxamento também ajudam bastante.
  • Manter um estilo de vida saudável: comer alimentos saudáveis, limitar a ingestão de cafeína, fazer algo que você acha agradável todos os dias.
  • Alguns estudos indicam que a acupuntura ajuda a aliviar os sintomas6 da fibromialgia1, enquanto outros não mostram nenhum benefício desta terapia.
  • Massagem. Ela envolve o uso de diferentes técnicas de manipulação dos músculos30 e dos tecidos moles. A massagem pode reduzir a frequência cardíaca, relaxar os músculos30, melhorar a amplitude de movimento nas articulações31 e aumentar a produção de analgésicos29 naturais no organismo.
Leia também sobre "Síndrome16 da fadiga2 crônica" e "Dor crônica".
ABCMED, 2011. Fibromialgia. Você sabe o que é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/182650/fibromialgia+voce+sabe+o+que+e.htm>. Acesso em: 18 jun. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Fibromialgia:
2 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Cabeça:
9 Trapézio: Osso do carpo, adjacente ao TRAPÉZIO.
10 Costas:
11 Pescoço:
12 Articulação: 1. Ponto de contato, de junção de duas partes do corpo ou de dois ou mais ossos. 2. Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de um mesmo órgão ou estrutura, que geralmente dá flexibilidade e facilita a separação das partes. 3. Ato ou efeito de articular-se. 4. Conjunto dos movimentos dos órgãos fonadores (articuladores) para a produção dos sons da linguagem.
13 Esterno: Osso longo e achatado, situado na parte vertebral do tórax dos vertebrados (com exceção dos peixes), e que no homem se articula com as primeiras sete costelas e com a clavícula. Ele é composto de três partes: corpo, manúbrio e apêndice xifoide. Nos artrópodes, é uma placa quitinosa ventral do tórax.
14 Fêmur: O mais longo e o maior osso do esqueleto; está situado entre o quadril e o joelho. Sinônimos: Trocanter
15 Região Glútea:
16 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
17 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
18 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
19 Articulação Temporomandibular: Articulação entre o côndilo da mandíbula e o tubérculo articular do osso temporal. Relação Central;
20 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
21 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
22 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
23 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
24 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Velocidade de hemossedimentação: É a velocidade com que os glóbulos vermelhos se separam do “soro” e se depositam no fundo de um tubo de ensaio, se este tubo com sangue é deixado parado (com anticoagulante). Os glóbulos vermelhos (hemácias) são puxados para baixo pela gravidade e tendem a se aglomerar no fundo do tubo. No entanto, eles são cobertos por cargas elétricas negativas e, quando vão se aproximando do fundo, repelem-se umas às outras, como cargas iguais de ímãs. Essa força magnética de repulsão se contrapõe à gravidade e naturalmente diminui a velocidade com que as hemácias caem. Se junto com as hemácias, nadando no plasma, haja outras estruturas de cargas positivas, estas vão anular as cargas negativas das hemácias e também a repulsão magnética entre elas, permitindo sua aglutinação. Neste caso a gravidade age sozinha e a velocidade com que elas caem (velocidade de hemossedimentação) é acelerada. O VHS é expresso como o número de milímetros que o sangue sedimentou (no tubo) no espaço de uma hora (mm/h).
27 VHS: É a velocidade com que os glóbulos vermelhos se separam do “soro” e se depositam no fundo de um tubo de ensaio, se este tubo com sangue é deixado parado (com anticoagulante). Os glóbulos vermelhos (hemácias) são puxados para baixo pela gravidade e tendem a se aglomerar no fundo do tubo. No entanto, eles são cobertos por cargas elétricas negativas e, quando vão se aproximando do fundo, repelem-se umas às outras, como cargas iguais de ímãs. Essa força magnética de repulsão se contrapõe à gravidade e naturalmente diminui a velocidade com que as hemácias caem. Se junto com as hemácias, nadando no plasma, haja outras estruturas de cargas positivas, estas vão anular as cargas negativas das hemácias e também a repulsão magnética entre elas, permitindo sua aglutinação. Neste caso a gravidade age sozinha e a velocidade com que elas caem (velocidade de hemossedimentação) é acelerada. O VHS é expresso como o número de milímetros que o sangue sedimentou (no tubo) no espaço de uma hora (mm/h).
28 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
29 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
30 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
31 Articulações:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Reumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

20/05/2011 - Comentário feito por marilia
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
adorei a matéria. sfro dessa doença há dois anos, e realmente é de tirar o ânimo de qualquer um, devido a dor.
mas alem da fibromialgia estou com hernia de disco lombar. estou aguardando o resultado da minha tomografia. quero voltar a trabalhar, mas preciso terminar os exames que o reumatologista pediu. mas sinceramente aqui na minha cidade, a saude é tão precaria, que as vezes da vontade de desanimar. pra se ter uma ideia, estou com o pedido dos exames do medico, desde de fevereiro e só agora consegui fazer exame de sangue, o de hormonio, so pego dia 27 e resultado da tomografia só dia 30. e enquanto isso vou me virando, com analgesico e antiinflamatorio que nada adianta, é isso ai ...obrigado pela materia.

19/05/2011 - Comentário feito por Déborah
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
Oi adorei a matéria, eu tenho fibromialgia e sofro muito, principalmente agora na gravidez gostaria de saber se vocês tem algum tipo de tratamento na gestação para quem tem fibromialgia. bj

19/05/2011 - Comentário feito por Lilian
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
Gostei muito da matéria. Foi esclarecedora, principalmente porque a questão não é muito divulgada hoje em dia.
É sempre muito bom contar com informações confiáveis como as deste site.
Obrigada.

19/05/2011 - Comentário feito por adriane
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
sou fibrimiálgica desde muito, até descobrir o que realmente era.mas foi diagnosticado há 8 anos, custou muito , aliás, doeu. agora está tudo sob controle faço terapia, hidroginástica e reduzi o estresse de trabalho.

19/05/2011 - Comentário feito por Karol
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
Sofro com Fibromialgia há anos. Tenho 62 anos. Não desejo este mal, nem ao pior indivíduo da face da terra. É dor contínua, 24 horas por dia, 365 dias por ano, sem tregua, doi ao passar o pente nos couro cabeludo ao dedão do pé. Tudo que se toma é paelativo de horas. Tome analgésico- Relaxante muscular. Mas muito cuidado com antiflamatorios, pois muitos resolvem pelo mesmo estágio de horas dos analgésicos e mts deles, ainda lhe trazem outros problemas,como atacar o funcionamento dos rins. Aumentar a Pressão Cardíaca. Se for falar da Fibromialgia, levaria horas e horas. Espero ter contribuido um pouco. // à vocês ABC.MED.BR, continuem colocando matérias sensacionais como esta. PARABÉNS !!!!!!

19/05/2011 - Comentário feito por Iris
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
Muito obrigada pela matéria sobre esta doença que me faz sofrer tanto e tão mal entendida, até mesmo por mim . Uma braço e aguardo mais matérias sobre esse e outros assuntos.

18/05/2011 - Comentário feito por vitoria
Re: Fibromialgia. Você sabe o que é?
oi tudo bem.. sofro com esse mal desde quando minha filha nasceu; a seis anos atras, tenho algum alimento em específico que ajuda a evitar as crises? beijos vitoria

  • Entrar
  • Receber conteúdos