Gostou do artigo? Compartilhe!

O nosso corpo e as mudanças da imagem corporal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é imagem corporal?

Imagem corporal é a figuração que o indivíduo faz em sua mente, do seu corpo e das diversas partes dele. Essa imagem é parte essencial da identidade pessoal. E a imagem corporal não se restringe apenas à forma do corpo, mas também a todos os dados fornecidos pelos sentidos (movimentos, postura, odores, gostos, etc.). Ela é uma formação complexa, por um lado formada pelo conjunto de sensações sinestésicas objetivas, dadas pelos sentidos (audição, visão1, tato, paladar2) e por outro, por um importante fator subjetivo, de natureza psicológica. Estrutura-se sobre a base de componentes neurológicos e se liga fundamentalmente às percepções exteroceptivas3, proprioceptivas4 e interoceptivas5, à capacidade e funcionamento das partes do corpo, à consciência da magnitude dos esforços necessários para realizar as diversas ações e à consciência da posição do corpo durante elas. Além disso, influi sobre o indivíduo a opinião emitida pelas demais pessoas e o feedback das atitudes e atos da própria pessoa: sou feio ou bonito?, sorridente ou sisudo?, brusco ou delicado?. Mais que o espelho ou que qualquer noção interna imanente6, são as reações das outras pessoas que fornecem essas impressões. Sem dúvidas que o espelho também tem grande importância. Lacan chega a descrever uma “fase do espelho”, que se dá por volta dos dois e três anos de idade e na qual o indivíduo passa de uma experiência de corpo fragmentado para a de um corpo unificado, como experiência sintética de suas partes. As experiências objetivas e subjetivas nem sempre são concordantes e por isso é comum que as opiniões do indivíduo sobre o próprio corpo difiram das impressões que dele têm as demais pessoas. Se pedirmos a uma pessoa que se defina como alta ou baixa, gorda ou magra, loura ou morena, etc., suas opiniões diferirão em muito das que dela têm outras pessoas. Em algumas enfermidades como a esquizofrenia7, a anorexia8 mental, a histeria, etc. a imagem que o indivíduo faz do seu corpo pode estar muito distorcida.

A imagem corporal é uma aquisição lenta e paulatina e ainda na infância, por volta dos cinco ou seis anos de idade já estão estabelecidas as suas bases, mas o corpo, objetivamente, e a imagem corporal, por consequência, sofrem modificações durante toda a vida. Em condições normais, a formulação precoce da imagem corporal pode ser lapidada, porém será preservada, no essencial, ao longo da vida. Desde a infância até o envelhecimento, passando pela adolescência, o corpo e a imagem corporal estão em constante mudança. Da mesma forma, a ideia de “dentro” ou “fora” e dos limites corporais são diferentes em uma criança e em um adulto. Uma vez estabelecida, a imagem corporal adquire uma grande estabilidade e não se modifica bruscamente, a não ser nas doenças mentais, mesmo quando o corpo se modifica objetivamente. Os sonhos costumam mostrar o indivíduo com seu corpo antigo, mesmo depois que ele se modificou muito, objetivamente. Indivíduos com sequelas9 motoras que o impedem de certas atividades na vida de vigília, por exemplo, sonham as estar executando normalmente.

Quais são as mais importantes mudanças da imagem corporal?

Num sentido objetivo, o corpo sofre mudanças com o passar dos anos, com as variações do peso, para mais ou para menos; com os acidentes; doenças; mutilações e deformidades congênitas10, além das mudanças fisiológicas11 próprias de cada idade, das quais as mudanças ocasionadas pela puberdade e pelo envelhecimento são as mais notáveis. Aparecem os seios12 e pelos, modifica-se a voz, alteram-se várias proporções corporais, criam-se e desaparecem massas musculares e surgem várias funções novas, como a ovulação13, a menstruação14 e a ejaculação15.

Com o envelhecimento, certas capacidades físicas e mentais entram em declínio. A força e agilidade musculares diminuem, a pele16 se torna mais fina, o cabelo17 cai, a voz fica mais trêmula, os passos são mais miúdos e oscilantes etc.

Quais são as mudanças artificialmente provocadas no corpo?

Desde tempos imemoriais o homem sentiu necessidade de modificar o corpo que lhe foi dado pela natureza. A maneira mais antiga de fazer isso talvez tenha sido enfeitá-lo com ornamentos. Muitos povos primitivos usam recursos mecânicos para alterá-los: provocam um alongamento anormal do pescoço18, um crescimento exagerado dos lábios, perfuram orelhas19 ou narinas, escavam os dentes, tornando-os serrilhados, colorem-nos com tintas, etc. Mesmo hoje em dia as pessoas ornamentam o corpo com brincos, maquiagens e pinturas, sem falar na efervescente onda de tatuagens, desde as mais discretas até outras muito chamativas que chegam a cobrir todo o corpo, até as cirurgias estéticas, muitas vezes desnecessárias.

Outras mudanças são provocadas involuntariamente, pelas doenças, acidentes e malformações20 e, em geral, são muito mal recebidas pelas pessoas e abatem muito a autoestima delas. Ocorre ainda que essas mudanças têm um efeito aversivo sobre as demais pessoas que, inconscientemente, passam a evitá-las.

ABCMED, 2013. O nosso corpo e as mudanças da imagem corporal. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/378059/o-nosso-corpo-e-as-mudancas-da-imagem-corporal.htm>. Acesso em: 20 fev. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
2 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
3 Exteroceptivas: Inerente ou pertencente a estímulos externos, como luminosidade, cheiro, energia, contato etc., que agem sobre um organismo. Diz-se de estímulo que ativa os órgãos ou as terminações nervosas.
4 Proprioceptivas: Capaz de receber estímulos provenientes dos músculos, dos tendões e de outros tecidos internos. Diz respeito à orientação dos membros e do corpo no espaço.
5 Interoceptivas: Informa sobre as funções internas, como a pressão arterial ou a concentração de substâncias nos fluidos orgânicos.
6 Imanente: 1. Que está inseparavelmente contido na natureza de um ser ou de um objeto; inerente. 2. Em filosofia, é aquilo que permanece no âmbito da experiência possível, agindo na captação da realidade através dos sentidos. Referente à dimensão concreta, material, empírica da realidade.
7 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
8 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
9 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
10 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
11 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
12 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
13 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
14 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
15 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
16 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
17 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
18 Pescoço:
19 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
20 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.