Gostou do artigo? Compartilhe!

Você sabe o que é língua saburrosa e o que ela pode mostrar sobre a sua saúde?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é língua1 saburrosa?

O que se chama língua1 saburrosa, ou saburra lingual2, é uma placa3 bacteriana de cor esbranquiçada, amarelada ou amarronzada que se deposita no dorso4 da língua1 por ocasião de certas doenças sistêmicas ou focais.

Quais são as causas da língua1 saburrosa?

A placa3 bacteriana que constitui a língua1 saburrosa é originada quando há diminuição da produção de saliva, com ressecamento da boca5 e/ou uma descamação6 epitelial da mucosa7 bucal acima dos limites fisiológicos, o que favorece a proliferação de bactérias. Esta descamação6 excessiva, por sua vez, pode ser causada por inúmeros fatores, como a respiração através da boca5, o ronco, o uso de aparelhos ortodônticos, o uso de enxaguatórios com álcool e hábitos de mordiscar os dedos, lábios e bochechas, entre muitos outros fatores. A formação da saburra lingual2 é favorecida naquelas línguas com muitas fissuras8.

Quais são os principais sinais9 e sintomas10 da língua1 saburrosa?

A língua1 saburrosa apresenta-se áspera, de coloração modificada e a pessoa pode vir a sentir alterações do paladar11. A saburra lingual2 é uma das maiores responsáveis pelo mau hálito. A saburra serve de alimento para algumas bactérias proteolíticas, que no processo de metabolização, produzem alguns gases responsáveis pelo mau hálito.

Como diagnosticar a língua1 saburrosa?

O médico ou o dentista diagnostica a língua1 saburrosa por uma visão12 direta da sua aparência. A medicina tradicional chinesa confere à inspeção13 da língua1 um importante papel nas informações diagnósticas, pois as diversas características da saburra dão uma ideia do quadro clínico subjacente. A medicina ocidental a trata como expressão de condições mórbidas gerais ou locais e seu maior desafio é descobrir por que ela está se formando, pois algumas pessoas, mesmo realizando a limpeza correta da língua1, continuam apresentando a formação de saburra lingual2. O reconhecimento dessa condição causal é essencial, pois a saburra lingual2 pode ser indicação de algumas doenças graves, entre as quais, doenças do fígado14, distúrbios do estômago15, doenças sistêmicas como diabetes mellitus16 e mononucleose infecciosa17 ou uma condição pré-cancerosa.

Como tratar a língua1 saburrosa?

Há pelo menos três maneiras de tratar a saburra lingual2:

  1. Remoção mecânica por meio de limpadores linguais.
  2. Manutenção da superfície lingual com a máxima oxigenação possível, por meio de medicações.
  3. Identificação e remoção da sua causa.

As duas primeiras abordagens permitem a reincidência18 do problema e exigem a manutenção desses cuidados. A terceira providência, se realizada com sucesso, garante resultados mais duradouros. Como recurso geral, é importante que seja feita uma boa higienização diária da língua1. Para isso, aplique creme dental no raspador lingual ou na escova de dente19 e faça movimentos verticais para eliminar as bactérias que se acumulam tanto na frente da língua1, quanto em seu fundo. Após a limpeza, deixe a pasta de dente19 permanecer na superfície da língua1 por até noventa segundos. Isso deve ser repetido ao acordar e antes de dormir.

Como prevenir a língua1 saburrosa?

A língua1 saburrosa pode ser prevenida aumentando o fluxo salivar ou diminuindo a descamação6 excessiva da mucosa7 bucal, através do tratamento de suas causas. Sempre será muito importante manter uma higiene bucal muito bem realizada, dando atenção especial à língua1 e também uma boa hidratação.

Quais são as complicações possíveis da língua1 saburrosa?

Usar em excesso ou aplicar muita força no uso do limpador de língua1 pode machucar a língua1 ou provocar outras alterações.

ABCMED, 2014. Você sabe o que é língua saburrosa e o que ela pode mostrar sobre a sua saúde?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-bucal/738232/voce-sabe-o-que-e-lingua-saburrosa-e-o-que-ela-pode-mostrar-sobre-a-sua-saude.htm>. Acesso em: 21 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Língua:
2 Saburra lingual: Saburra é um material viscoso, esbranquiçado ou amarelado, que se adere ao dorso da língua em maior proporção na região do terço posterior. A saburra equivale a uma placa bacteriana lingual, em que os principais microorganismos presentes são do tipo anaeróbios proteolíticos, os quais produzem componentes de cheiro desagradável no final do seu metabolismo.
3 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
4 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
5 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
6 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
7 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
8 Fissuras: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
9 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
12 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
13 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
14 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
15 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
16 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
17 Mononucleose infecciosa: Doença de progressão benigna, muito comum, causada pela infecção pelo vírus Epstein-Barr e transmitida pelo contato com saliva contaminada. Seus sintomas incluem: mal-estar, dor de cabeça, febre, dor de garganta, ínguas principalmente no pescoço, inflamação do fígado. Acomete mais freqüentemente adolescentes e adultos jovens.
18 Reincidência: 1. Ato ou efeito de reincidir ou repetir. 2. Obstinação, insistência, teimosia.
19 Dente: Uma das estruturas cônicas duras situadas nos alvéolos da maxila e mandíbula, utilizadas na mastigação e que auxiliam a articulação. O dente é uma estrutura dérmica composta de dentina e revestida por cemento na raiz anatômica e por esmalte na coroa anatômica. Consiste numa raiz mergulhada no alvéolo, um colo recoberto pela gengiva e uma coroa, a parte exposta. No centro encontra-se a cavidade bulbar preenchida com retículo de tecido conjuntivo contendo uma substância gelatinosa (polpa do dente) e vasos sangüíneos e nervos que penetram através de uma abertura ou aberturas no ápice da raiz. Os 20 dentes decíduos ou dentes primários surgem entre o sexto e o nono e o vigésimo quarto mês de vida; sofrem esfoliação e são substituídos pelos 32 dentes permanentes, que aparecem entre o quinto e sétimo e entre o décimo sétimo e vigésimo terceiro anos. Existem quatro tipos de dentes
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.