Gostou do artigo? Compartilhe!

Xantomas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são xantomas?

Xantomas (do grego: xanthos = amarelo + oma = terminação que indica tumor1) são “bolhas” na pele2 com conteúdo rico em lipídeos, especialmente colesterol3, que geralmente surgem em indivíduos com níveis altos de colesterol3 e outros lipídeos, embora possam ocorrer também em pessoas com níveis sanguíneos normais dessas substâncias.

Os xantomas são tumores benignos que podem aparecer em qualquer parte do corpo, especialmente em cotovelos, joelhos, mãos4, pés, coxas5 e glúteos6. Também podem se formar nas articulações7 ou na boca8, por exemplo. Como pequeninos depósitos de matéria gordurosa, surgem também na região das pálpebras9, onde são chamados xantelasmas.

Os xantomas não são uma doença em si, mas a manifestação de um distúrbio do metabolismo10 de lipídios ou de outras doenças e condições, tais como diabetes11, cirrose12 biliar primária, doenças do metabolismo10 e alguns tipos de câncer13.

Quais são as causas dos xantomas?

Os xantomas podem decorrer do excesso de colesterol3 e lipídios na circulação14 ou serem causados por doenças metabólicas hereditárias como diabetes11, cirrose12 biliar primária e alguns tumores de fígado15.

Qual é a fisiopatologia16 dos xantomas?

Em até dois terços dos pacientes que apresentam esses tumores gordurosos, os valores de colesterol3 são normais. No entanto, sabe-se que os níveis elevados de colesterol3 levam os macrófagos17 a agir e a formar esses infiltrados de gordura18 sob a pele2. As lesões19 dos xantomas se formam como uma tentativa do organismo de se proteger contra o acúmulo das lipoproteínas que carreiam o colesterol3. Os macrófagos17, literalmente, engolem a gordura18 depositada nos tecidos. No entanto, eles não conseguem eliminar completamente os lipídios e se transformam em células20 cheias de gordura18, que por não terem para onde ir, se acumulam e se infiltram sob a superfície da pele2, dando origem aos xantomas.

Quais são as principais características clínicas dos xantomas?

A única implicação clínica do xantoma21 é estética. Por vezes, eles são múltiplas lesões19 indolores na pele2, muitas vezes em regiões da face22 e em áreas expostas. Estes nódulos surgem como manchas de alto relevo ou como erupções na pele2. São tumores macios à palpação23, de coloração amarela ou castanha, superfície plana e bordas bem definidas. Suas dimensões variam desde uns poucos milímetros até placas24 que podem atingir vários centímetros.

Embora não causem dor, esses tumores podem se tornar incômodos, dependendo de sua localização, sobretudo do ponto de vista estético. Os pacientes com xantomas cutâneos frequentemente têm história familiar de infarto do miocárdio25, insuficiência26 aórtica, aterosclerose27 e, até mesmo, pancreatite28. O xantelasma palpebral é o tipo mais comum de xantoma21. As pessoas com xantomas disseminados podem apresentar sintomas29 de disfagia30, dispneia31 e cegueira, dependendo do local envolvido.

Como o médico diagnostica os xantomas?

Muitas vezes o diagnóstico32 pode ser feito pela simples inspeção33 e pela palpação23 das lesões19, mas a investigação pode também requerer testes laboratoriais de sangue34 para dosar os níveis sanguíneos de glicose35, colesterol3, triglicérides36 e de substâncias relacionadas ao funcionamento do fígado15. Raramente são indicados exames de imagem, como a ultrassonografia37 e tomografia. Também é incomum que o médico indique uma biópsia38 das lesões19.

Como o médico trata os xantomas?

O tratamento dos xantomas visa a retirada do tumor1 ou tumores, sobretudo por motivos estéticos e, dependendo de cada caso, pode ser feita por cirurgia, cauterização39 química, tratamento com laser, criocirurgia, uso de medicações para controlar o colesterol3 e gorduras, dieta pobre em gorduras, prática regular de atividade física ou tratamento das doenças que secundariamente podem causar xantomas, como diabetes11, câncer13 do fígado15, hipotireoidismo40 ou doenças renais.

Como evoluem os xantomas?

Os xantomas podem ser persistentes e progressivos ou podem ser autolimitados, com resolução espontânea. A maioria deles desaparece dentro de algumas semanas depois de iniciado o tratamento. Os xantomas tendíneos, contudo, podem levar anos para se resolverem ou podem persistir indefinidamente.

 

ABCMED, 2016. Xantomas. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/824559/xantomas.htm>. Acesso em: 11 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
4 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
5 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
6 Glúteos:
7 Articulações:
8 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
9 Pálpebras:
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
12 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
13 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
14 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
15 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
16 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
17 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
18 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
19 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
20 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
21 Xantoma: Pequenos tumores benignos do tecido celular subcutâneo que se desenvolvem na proximidade de tendões e ligamentos. Caracterizam-se pela infiltração de tecido fibroso e adiposo.
22 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
23 Palpação: Ato ou efeito de palpar. Toque, sensação ou percepção pelo tato. Em medicina, é o exame feito com os dedos ou com a mão inteira para explorar clinicamente os órgãos e determinar certas características, como temperatura, resistência, tamanho etc.
24 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
25 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
26 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
27 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
28 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
29 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
30 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
31 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
32 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
33 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
34 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
35 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
36 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
37 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
38 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
39 Cauterização: Queima ou coagulação de tecidos de diferentes órgãos para deter uma hemorragia ou eliminar um tecido de crescimento anormal.
40 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.