Gostou do artigo? Compartilhe!

Cravos na pele: como eles aparecem? O que fazer? Tem jeito de evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são cravos na pele1?

O termo “cravo” pode referir-se a coisas tão distintas como uma flor, um instrumento musical ou uma pequena lesão2 típica na pele1. Nesse terceiro sentido, que é o que nos interessa aqui, ele é um tampão de queratina e sebo dentro do orifício dilatado de um folículo piloso3, frequentemente contendo bactérias. O cravo na pele1 é também chamado comedão e pode ser aberto, aparecendo como um ponto negro na pele1 ou fechado, como um ponto branco. Os cravos brancos fazem pequenas elevações na pele1 e os cravos pretos são assim denominados porque se formam num poro dilatado da pele1 e a gordura4 que os constitui se oxida em contato com o ar, ganhando uma coloração escura.

Quais são as causas dos cravos na pele1?

Como as glândulas sebáceas5 aumentam muito a produção de sebo durante a puberdade, sob ação dos hormônios, os cravos e a acne6 são muito comuns nos adolescentes. Também um pelo que não cresça de forma normal pode bloquear o poro causando um cravo ou uma espinha cheio de pus7. Produtos para a pele1, que obstruam os poros ou que sejam gordurosos, podem fazer com que a acne6 apareça ou se agrave. Os produtos à base de água são menos propensos a provocar acne6. Contrariamente à crença popular, não há certeza científica de que a dieta ou a exposição ao sol tenham qualquer efeito na produção dessas lesões8. Os cravos são mais comuns em determinados grupos étnicos e é possível que os genes e o ato de fumar também tenham alguma influência na probabilidade de desenvolver ou agravar a acne6.

Qual é a fisiopatologia9 dos cravos na pele1?

A formação de um cravo começa no interior do folículo10 sebáceo, a abertura do qual para o exterior constitui o que se chama de poro. Quando um poro se entope, a gordura4 acumula-se no seu interior. Isso forma o cravo que, quando infeccionado, resulta na “espinha”. Se o poro entupido for largo, a gordura4 armazenada entra em maior contato com o ar e se oxida, formando uma pontinha preta. Esse é o chamado cravo aberto e ele geralmente não evoluirá para acne6. Os poros mais estreitos (cravo fechado), em que há menos contato da gordura4 com o ar, não chegam ao mesmo ponto. Contudo, têm maior tendência a permitir que algumas bactérias proliferem no local e passem a se alimentar da gordura4 armazenada, o que pode levar ao desenvolvimento da espinha.

Quais são os principais sinais11 e sintomas12 dos cravos na pele1?

Os cravos podem aparecer em qualquer idade, embora sejam mais comuns durante a puberdade, como pequenos pontinhos pretos ou brancos, presentes principalmente na pele1 do rosto. Normalmente os cravos são assintomáticos, mas requerem alguns cuidados para evitar complicações, como virar acnes, que são visíveis e podem causar dor e sensibilidade aumentada na região. Os cravos brancos formam pequenas saliências na pele1, o que torna a remoção deles mais fácil. Já os cravos pretos podem ser de mais difícil extração.

Como o médico diagnostica os cravos na pele1?

O reconhecimento dos cravos é feito por qualquer pessoa, visto que são ocorrências muito frequentes, típicas e facilmente observáveis. Grande número de pessoas nem sequer recorrem a um médico se têm cravos não complicados.

Como remover você mesmo os seus cravos na pele1?

Os pontos negros podem ser removidos com tiras de limpeza disponíveis para o público, ou através de métodos mais agressivos usados pelos dermatologistas para retirar os cravos de mais difícil extração. Para evitar ou tratar a acne6, existem produtos farmacêuticos eficientes, mas que só devem ser usados sob orientação médica. Produtos de limpeza de pele1 não gordurosos e sabonete neutro provocam menos irritação da pele1 em relação com um sabonete convencional. Espremer os cravos pode removê-los, mas exige cuidados porque pode também lesionar a pele1. Se houver infecção13, aumenta o risco de alastramento da infecção13 para camadas mais profundas da pele1, bem como o aparecimento de cicatrizes14. Pode-se também utilizar um utensílio próprio para remoção, geralmente após o uso de vapor ou água quente para dilatar os poros. Há métodos de tratamento que eliminam as camadas mortas de pele1 e que podem ajudar a limpar os poros bloqueados. Contudo, lavar ou esfregar a pele1 em excesso pode provocar irritações e agravar a acne6.

Em conclusão, o melhor é deixar isso por conta de um profissional. Contudo, se a pessoa resolver extrair os próprios cravos, eis algumas dicas:

  • Lave bem a pele1 do rosto (a maioria dos cravos e espinhas acontecem no rosto).
  • Apare suas unhas15, porque unhas15 grandes causam lesões8 e marcas.
  • Esfolie a pele1 com um produto eficiente, mas suave.
  • Depois disso, umedeça um algodão em água morna e deixe-o sobre o cravo por 20 minutos, para dilatar o poro e facilitar a extração.
  • Diante de um espelho, esprema-os suavemente com a ponta dos dois indicadores, sem usar as unhas15; se for uma espinha que contenha pus7, procure esgotá-lo.
  • Aplique novamente um hidratante e use sempre um protetor solar.

Como prevenir os cravos na pele1?

  • Mantenha a pele1 adequadamente limpa e hidratada.
  • Beba muita água.
  • Mantenha uma dieta balanceada.
  • Controle o estresse emocional.
  • Pratique exercícios físicos regularmente.
ABCMED, 2015. Cravos na pele: como eles aparecem? O que fazer? Tem jeito de evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/797909/cravos-na-pele-como-eles-aparecem-o-que-fazer-tem-jeito-de-evitar.htm>. Acesso em: 19 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Folículo Piloso: Invaginação (forma de tubo) da EPIDERME, a partir da qual se desenvolve o folículo piloso e se abrem as GLÂNDULAS SEBÁCEAS. O folículo é revestido por uma bainha (radicular interna e externa) de células de origem epidérmica e revestido por uma bainha fibrosa originada da derme. (Tradução livre do original
4 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
5 Glândulas Sebáceas: Órgãos formados por pequenas bolsas, localizados na DERME. Cada glândula apresenta um único ducto que emerge de um grupo de alvéolos ovais. Cada alvéolo é constituído por uma membrana basal transparente, encerrando células epiteliais. Os ductos da maior parte das glândulas sebáceas se abrem nos folículos pilosos, porém alguns se abrem na superfície da PELE. Glândulas sebáceas secretam SEBO.
6 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
7 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
8 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
10 Folículo: 1. Bolsa, cavidade em forma de saco. 2. Fruto simples, seco e unicarpelar, cuja deiscência se dá pela sutura que pode conter uma ou mais sementes (Ex.: fruto da magnólia).
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
15 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.