Gostou do artigo? Compartilhe!

Intertrigo: conceito, causas, sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento, prevenção, evolução, possíveis complicações

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é intertrigo1?

O intertrigo1 é uma condição inflamatória das dobras da pele2, afetando principalmente as axilas, o períneo3, a região inframamária e o abdômen, podendo acometer também outras regiões do corpo.

Quais são as causas do intertrigo1?

O intertrigo1 geralmente é causado por uma infecção4 pelo fungo5 Candida albicans, um microrganismo normalmente presente na pele2. O intertrigo1 é produzido ou agravado pelo calor, umidade, fricção e falta de circulação6 de ar, que criam portas de entrada para a infecção4. Pode estar associado também a bactérias, vírus7 ou outros fungos. O quadro pode ser agravado pela irritação causada pela urina8, pelas fezes e por outros agentes de ação tópica. A obesidade9, a diabetes mellitus10, a hiperidrose11, a incontinência urinária12 ou fecal, os corrimentos vaginais ou os ferimentos que eliminem secreções são fatores de risco para o intertrigo1. Se a infecção4 tem um papel primário no intertrigo1 ou é simplesmente um agente secundário, ainda é matéria controversa.

Quais são os principais sinais13 e sintomas14 do intertrigo1?

O intertrigo1 comumente afeta as axilas, o períneo3, as dobras inframamárias e abdominais, mas qualquer outra dobra de pele2 pode estar envolvida. É mais frequente em pessoas obesas e diabéticas. Usualmente é uma condição crônica, de início insidioso com coceira, queimação e ardência na pele2, que pode levar a um desconforto maior quando secundariamente ocorre uma infecção4. A aparência do intertrigo1 depende da área de pele2 comprometida e da duração da inflamação15, mas geralmente se inicia por placas16 eritematosas17 (avermelhadas) que evoluem para a formação de vesículas18 e crostas. Também pode gerar fissuras19 na pele2 e se houver uma outra infecção4 superveniente podem surgir pústulas20 cheias de pus21. No períneo3, as camadas da pele2 envolvidas costumam ser mais profundas, em comparação com superfícies convexas, nas quais em geral ocorre apenas uma dermatite22 irritativa. Em idosos, o intertrigo1 pode surgir nas pregas nasolabiais ou no pescoço23, por exemplo, formadas com a evolução da idade.

Como o médico diagnostica o intertrigo1?

O diagnóstico24 do intertrigo1 é eminentemente25 clínico, baseado na tipicidade da localização e características das lesões26. Em alguns poucos casos pode fazer-se necessário recorrer a uma cultura para identificar o tipo de germe27 causador da infecção4. Nos adultos deve ser feita uma diferenciação, entre outras, com doenças inflamatórias da pele2, dermatite22 de contato, psoríase28, dermatite seborreica29, pênfigo, doenças metabólicas e malignas. Uma biópsia30 de pele2 pode ser realizada em todos aqueles casos que deixem dúvidas ou em que o intertrigo1 não esteja respondendo ao tratamento, embora ela não seja necessária nos casos não complicados. Ela pode também ajudar a excluir outras doenças, inclusive carcinoma31.

Como o médico trata o intertrigo1?

O tratamento deve começar pela correção dos fatores causais do intertrigo1. Assim, a pessoa afetada deve cuidar de eliminar fricção, calor, umidade e maceração da pele2 e manter as dobras da pele2 frescas e secas, providências que podem ser obtidas expondo as dobras cutâneas32 ao ar. Podem ser usados, quando necessários, medicamentos tópicos, como antimicóticos, antibióticos e corticosteroides. Os antibióticos só são necessários nos casos de infecções33 secundárias por bactérias. Nos casos mais graves podem ser usados medicamentos por via oral.

Como prevenir o intertrigo1?

Para prevenir o intertrigo1 o paciente deve ser aconselhado a perder peso, controlar os níveis sanguíneos de glicose34, manter boa higiene corporal, secar bastante as dobras da pele2 e expor regularmente ao sol as áreas afetadas.

Como evolui o intertrigo1?

Com um tratamento adequado o prognóstico35 do intertrigo1 é muito bom, embora ele possa reincidir.

Quais são as complicações possíveis do intertrigo1?

A complicação mais comum do intertrigo1 é a infecção4 secundária. Um intertrigo1 infeccioso pode levar à celulite36, especialmente em pacientes que sejam diabéticos. Também pode ocorrer fissuras19 e úlceras37 na pele2. As complicações potenciais representadas pelas terapias incluem dermatite22 de contato pelos produtos tópicos utilizados.

ABCMED, 2015. Intertrigo: conceito, causas, sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento, prevenção, evolução, possíveis complicações. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/746162/intertrigo-conceito-causas-sinais-e-sintomas-diagnostico-tratamento-prevencao-evolucao-possiveis-complicacoes.htm>. Acesso em: 12 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Intertrigo: Infecção da pele que recobre diferentes pregas da superfície corporal. Pode ser ocasionada por fungos ou bactérias e freqüentemente localiza-se entre os dedos (pé de atleta), no sulco submamário, axilas, pregas interglúteas, etc.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Períneo: Região que constitui a base do púbis, onde estão situados os órgãos genitais e o ânus.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
6 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
10 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
11 Hiperidrose: Excesso de suor, que costuma acometer axilas, palmas das mãos e plantas dos pés.
12 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
16 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
17 Eritematosas: Relativas a ou próprias de eritema. Que apresentam eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
18 Vesículas: Lesões papulares preenchidas com líquido claro.
19 Fissuras: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
20 Pústulas: Elevações da pele contendo pus, de até um centímetro de diâmetro.
21 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
22 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
23 Pescoço:
24 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
25 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
26 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
27 Germe: Organismo microscópico (vírus, bactérias, parasitas unicelulares, fungos) capaz de produzir doenças no homem e outros animais.
28 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
29 Dermatite seborreica: Caracterizada por descamação da pele e do couro cabeludo. A forma que acomete couro cabeludo é a mais comum e conhecida popularmente por caspa. É uma doença inflamatória, não contagiosa, possui caráter crônico e recorrente. O fungo Pityrosporum ovale pode ser considerado um possível causador da dermatite seborreica. As manifestações clínicas mais comuns são descamação, vermelhidão e aspereza local. As escamas podem ser secas ou gordurosas, finas ou espessas, geralmente acinzentadas ou amareladas, quase sempre aderentes, podendo ser acompanhadas ou não de coceira.
30 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
31 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
32 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
33 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
34 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
35 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
36 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
37 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.