Atalho: 5G61G9T
Gostou do artigo? Compartilhe!

Unhas fracas. Como fortalecê-las?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são as unhas1?

As unhas1 refletem a saúde2 do organismo. Elas são anexos3 cutâneos formados por diferenciação de alguns segmentos da pele4. Possuem muita queratina e estão envolvidas no processo de proteção do organismo em relação ao meio externo e tem função estética.

O crescimento delas é contínuo e recebe estímulos hormonais e nutricionais diversos. A unha pode interromper seu crescimento ou apresentar alterações de estrutura uma vez que, em casos de doenças graves, o organismo reservar sua fonte de proteínas5, vitaminas e de defesa para os órgãos vitais. Os nutrientes ficam escassos primeiramente nas unhas1 e nos cabelos e ambos ficam enfraquecidos, opacos e sem vida nestas situações.

Através da observação de alterações do leito ungueal6 é possível identificar doenças sistêmicas, facilitando o diagnóstico7 e permitindo um tratamento precoce.

Como é a unha normal?

A unha normal é transparente, lisa, suave, permanecendo colada ao seu leito e apresentando crescimento contínuo.

As unhas1 crescem, em média, 3 milimetros por mês, mas isso pode variar bastante. As unhas das mãos8 demoram, em média, de 4 a 6 meses para crescer da base até a ponta; e as dos pés, de 6 a 12 meses. As unhas1 dos homens crescem mais rápido do que as das mulheres (exceto na gravidez9, quando as unhas1 crescem mais). É bom lembrar que existem variações individuais, relacionadas à raça, idade, ambiente, ocupação, etc.

Diversas alterações na cor, aparência, superfície e crescimento podem significar problemas internos.

Quais alterações das unhas1 devem ser observadas?

Na maioria dos casos, a presença de unhas1 fracas, quebradiças ou que descolam na sua parte distal10 ocorre por manipulação excessiva, como o uso demasiado de esmaltes, fortalecedores contendo formol, microtraumatismo em unhas1 (por exemplo: unhas1 de digitadoras).

O tratamento geralmente é simples. Podem ser usadas cápsulas de gelatina, ferro, solução fortalecedora como o casco de cavalo (que contém substâncias endurecedoras), hidratantes com ureia11 e silicone e banhos de silicone (que formam uma película protegendo temporariamente a lâmina ungueal6).

Unhas Fracas

Quais as alterações das unhas1 que devem ser examinadas por um dermatologista pois podem estar presentes em doenças sistêmicas?

  • Anemia12: unhas1 quebradiças, secas, opacas, com vários sulcos transversais, formato côncavo da unha (coiloniquia), descolamento distal10 (onicólise13).
  • Doenças cardíacas: unhas1 curvadas para baixo, alargadas, coloração arroxeada e pontos arroxeados.
  • Doenças renais: engrossamento das unhas1, coloração amarelada ou cinzenta, linhas transversais esbranquiçadas, unha metade marrom, metade clara.
  • Doenças hepáticas14: na cirrose15 estão presentes as chamadas “Unhas1 de Terry”- de cor esbranquiçada na parte proximal16 e coloração normal na parte distal10, unha pálida, amarelada, arredondamento e aumento da unha.
  • Doenças gastrointestinais: unhas1 doloridas, frágeis e que se descolam da parte distal10 ou descamam. Presença de pontos hemorrágicos17.
  • Diabetes18: unhas1 grossas, avermelhadas e com visualização de vasos na pele4. É comum a presença de micoses, engrossamento e endurecimento das pontas dos dedos.
  • Hipertireoidismo19: afinamento e enfraquecimento das unhas1, descolamento da parte distal10 e abaulamento20.
  • Hipotireoidismo21: unhas1 opacas e grossas.
  • Lúpus22 eritematoso23: manchas brancas na unha, depressões puntiformes e descolamento da parte distal10 da unha. Hemorragia24 da cutícula25.
  • Reumatismo26: unhas1 amareladas, com sulcos transversais, lúnula (mancha esbranquiçada e semilunar27 presente na base da unha) avermelhada e engrossamento sob a unha.
  • Leucemia28: unha quebradiça, hiperqueratose (engrossamento) ou perda total da unha.
  • AIDS: é frequente o acometimento da unha por infecções29 causadas por fungos, cândida, vírus30 e herpes e também a presença do sarcoma31 de Kaposi (tumor32 vascular33) na unha.

Outras alterações que devem ser avaliadas:

  • Unheiro: é o edema34 da cutícula25. Pode ser causado por cândida (em pessoas que mexem muito com água ou umidade) ou por bactéria35 (geralmente após um traumatismo36, como tirar a cutícula25).
  • Micoses: a mais característica é a unha que vai ficando porosa, descolando e formando uma massa por baixo. É importante salientar que não é pega só em pedicure, como muitos pensam. Homens que nunca vão à pedicure são os mais acometidos. A causa é o fungo37 que existe no ar agravado pela predisposição familiar, diabetes18, suor excessivo nos pés e uso contínuo de sapatos fechados. Microtraumatismos vão descolar a unha e facilitar a umidade debaixo dela, onde o fungo37 se acomodará. Existem atualmente antifúngicos orais muito eficientes. No caso de micose38 inicial, cortar bem a unha e usar antifúngicos locais.
  • Unhas1 encravadas: são defeitos constitucionais, em que a unha se encurva muito e entra dentro da carne, incomodando muito o paciente. É agravada com a idade e o corte errôneo da unha. Deve-se preventivamente cortar a unha reta, evitar sapatos apertados e evitar tirar muito a cutícula25 nos cantos. Em casos mais intensos recorre-se à cirurgia, que tira a matriz da unha responsável pelo seu crescimento naquele canto.

Quais alterações nutricionais podem alterar o aspecto das unhas1?

  • Deficiência de vitamina39 A: unha com aspecto de casca de ovo40, esbranquiçada e quebradiça.
  • Deficiência de vitamina39 B12: linhas longitudinais escurecidas, cor azul enegrecida.
  • Deficiência de vitamina39 C: hemorragia24 subungueal, com a presença de pontos avermelhados no leito ungueal6.
  • Deficiência de zinco: coloração acinzentada, cutícula25 seca e engrossada, descamação41 intensa ao redor das unhas1, linhas transversais bem acentuadas.
  • Deficiência de nicotinamida – vitamina39 B3 (pelagra - doença dos alcoólatras): linhas transversais esbranquiçadas, ausência de brilho e descolamento da parte distal10 da unha.

Quais os medicamentos que causam alterações no leito ungueal6?

  • Minociclina: cor azulada nas unhas1.
  • Tetraciclina: cor marrom e descolamento distal10.
  • Anticonvulsivantes: diminuição do tamanho das unhas1.
  • Antidepressivos: unhas1 com manchas brancas.
  • Retinoides: afinamento das unhas1, pontos brancos.

Como fortalecer as unhas1 fracas?

A saúde2 das unhas1 está muito ligada à alimentação da pessoa: uma dieta rica em proteínas5, nutrientes e oligoelementos é muito importante para mantê-las saudáveis.
  • Uma pessoa que lava louças sem luvas pode enfraquecer ou manchar suas unhas1. Seria interessante uma mudança desse hábito durante um mês para observar se as unhas1 melhoram. Caso isso não aconteça, o ideal é procurar um dermatologista para saber se existe relação com alguma doença.
  • Usar esmalte42 que não tenha ingredientes corrosivos ou que não cause alergia43. Produtos como o tolueno e o formaldeído são compostos químicos que estão na composição do esmalte42 e que podem causar alergia43 em algumas pessoas. O esmalte42 protege a unha, funcionando como uma camada protetora, mas precisa ser de boa qualidade.
  • Podemos cortar e lixar as unhas1 sem problema algum. Entretanto, não devemos retirar as cutículas44, pois elas servem de proteção contra doenças.
ABCMED, 2009. Unhas fracas. Como fortalecê-las?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/39538/unhas+fracas+como+fortalece+las.htm>. Acesso em: 13 jun. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Anexos: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
6 Ungueal: Relativo ou pertencente à unha, garra ou casco, ou que a eles se assemelha.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Unhas das Mãos: Lâminas córneas e finas que cobrem a superfície dorsal das falanges distais dos dedos das mãos e dos dedos dos pés dos primatas.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Distal: 1. Que se localiza longe do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Espacialmente distante; remoto. 3. Em anatomia geral, é o mais afastado do tronco (diz-se de membro) ou do ponto de origem (diz-se de vasos ou nervos). Ou também o que é voltado para a direção oposta à cabeça. 4. Em odontologia, é o mais distante do ponto médio do arco dental.
11 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
12 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
13 Onicólise: Destruição da unha devido a infecções micóticas, bacterianas ou por processos tóxicos.
14 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
15 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
16 Proximal: 1. Que se localiza próximo do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Em anatomia geral, significa o mais próximo do tronco (no caso dos membros) ou do ponto de origem (no caso de vasos e nervos). Ou também o que fica voltado para a cabeça (diz-se de qualquer formação). 3. Em botânica, o que fica próximo ao ponto de origem ou à base. 4. Em odontologia, é o mais próximo do ponto médio do arco dental.
17 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
18 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
19 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
20 Abaulamento: 1. Ato, processo ou efeito de abaular. 2. Convexidade que se dá a diversas superfícies (ruas, estradas, coberturas etc.) para facilitar o escoamento de águas pluviais. 3. Em forma de curva, arqueada ou convexa.
21 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
22 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
23 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
24 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
25 Cutícula: 1. Na anatomia geral, é uma pequena porção de pele enrijecida, como a que está presente no contorno das unhas; pele da unha, pelinha. 2. Na anatomia botânica, é a camada de material graxo, cutina, mais ou menos impermeável, presente na parede externa das células epidérmicas das partes aéreas das plantas. 3. Na anatomia zoológica, é a camada externa, não celular, que recobre o corpo dos artrópodes.
26 Reumatismo: Termo que é utilizado em geral para se referir ao conjunto de doenças inflamatórias e degenerativas que afetam as articulações e estruturas vizinhas.
27 Semilunar: Osso do carpo, em forma de lua, localizado entre os ossos ESCAFÓIDE e PIRAMIDAL
28 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
29 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
30 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
31 Sarcoma: Neoplasia maligna originada de células do tecido conjuntivo. Podem aparecer no tecido adiposo (lipossarcoma), muscular (miossarcoma), ósseo (osteosarcoma), etc.
32 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
33 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
34 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
35 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
36 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
37 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
38 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
39 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
40 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
41 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
42 Esmalte: Camada rígida, delgada e translúcida, de substância calcificada que reveste e protege a dentina da coroa do dente. É a substância mais dura do corpo e é quase que completamente composta de sais de cálcio. Ao microscópio, é composta de bastões delgados (prismas do esmalte) mantidos conectados por uma substância cimentante, e apresenta-se revestido por uma bainha de esmalte. (Tradução livre do original
43 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
44 Cutículas: 1. Na anatomia geral, é uma pequena porção de pele enrijecida, como a que está presente no contorno das unhas; pele da unha, pelinha. 2. Na anatomia botânica, é a camada de material graxo, cutina, mais ou menos impermeável, presente na parede externa das células epidérmicas das partes aéreas das plantas. 3. Na anatomia zoológica, é a camada externa, não celular, que recobre o corpo dos artrópodes.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

03/06/2013 - Comentário feito por DENISE
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
BOM DIA ! SEMPRE TIVE UNHAS FORTES. PORÉM DE UNS TEMPOS P/ CÁ PERCEBO QUE ELAS VEM QUEBRANDO NAS LATERAIS. E QUANDO ELA QUEBROU PARECE TER PASSADO ESSE PROBLEMA P A UNHA VIZINHA Q AGORA QUEBRA TB NO CANTO AO LADO DO CANTO QUEBRADO DA OUTRA. FUI A DERMATOLOGISTA E ELA ME DISSE QUE NAO TEM JEITO É UM SINAL NA MINHA UNHA. ISSO PORÉM NAO ME CONVENCEU PQ EU PASSEI A TER ESSE PROBLEMA DE UNS TEMPOS P CA E COMO UM SINAL PASSAR DE UNHA P OUTRA? ME AJUDEM PRECISO ENTENDER O QUE E ISSO ?

30/05/2013 - Comentário feito por Bruuna
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
Desde pequena eu roia as unhas. Hoje em dia deixo ela grande, mas quando vou pintar eu vejo bem no cantinho das pontas um pouco de amarelado e no meio da ponta branco....pinto direto pra ver se não quebra, e não adianta. Já usei diversos fortificantes, até a base com alho caseira, até ajudou mas continua fraca. Amo pintar unha, fazer desenhos e deixar ela linda só que sofro muito com a quebrança dela. Se tiver algum conselho pra me ajudar, eu agradeço. Beijos.

15/05/2013 - Comentário feito por Laís
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
acredito que no caso de muitos dos comentários abaixo, o melhor seria procurar um dermatologista, ja tive umas alergias muito forte, que coçavam até o rosto, procurei um dermatologista q ele me indicou uma pomada .. ultimamente minhas unhas andam bem fracas e vou procurar ajuda médica .. boa sorte à todas \o

17/04/2013 - Comentário feito por CLÉA
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
ACABEI DE POSTAR UM COMENTÁRIO, MAS NÃO CONTEI O PROBLEMA EXATAMENTE, É O SEGUINTE: ELAS RACHAM EM QUALQUER PARTE, DESCAMAM BASTANTE E NÃO CONSIGO FICAR COM ESMALTES. DESSA FORMA NÃO FICAM GRANDES. OBG.

GOSTEI BASTANTE DE SUAS EXPLICAÇÕES.

17/04/2013 - Comentário feito por CLÉA
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
SOFRO BASTANTE COM MINHAS UNHAS DESDE ADOLESCÊNCIA, TENHO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇAS, ROUPAS E TUDO QUE EXISTE DE APARATO PARA FACILITAR O TRABALHO DOMÉSTICO E PROTEGER MINHAS UNHAS. AMO UNHAS LINDAS, FORTES... ACHO QUE ATÉ APARENTA MULHER FORTE. QUANDO CRIANÇA COLOCAVA PÉTALAS DE "BEIJO" PARA PARECEREM GRANDES. TBM CORTAVA MANGUEIRAS D'ÁGUA E RETROS DE LINHA E COLAVA C ESMALTE. AMARIA SE EU CONSEGUISSE UMA SOLUÇÃO. OBG.

10/03/2013 - Comentário feito por Ana
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
Olá!
gostei muito do artigo e sofro com isso também, e além das unhas fracas meu cabelo cai muito. Me indicaram um medicamento: PANTOGAR MANIPULADP! Ajudaria? Mas tenho medo de ter retensão de líquido e acabar engordando com esses polivitamínicos!

04/03/2013 - Comentário feito por carla
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
as minhas unhas são muito fracas e dobram igual papei.Já tentei de tudo base de alho,esmalte fortalecedor, eu não aguento mais por favor me ajude.

01/03/2013 - Comentário feito por Bartira
Alergia a esmaltes e unhas fracas
Olá! Sempre pintei as unhas, mas há alguns anos desenvolvi uma alergia repentina a esmaltes. Sempre que pintava as unhas, meu rosto inchava e ficava coçando muito e escamando. Por ter dado reação no rosto, imaginei que era a maquiagem. Depois de muito descobri que era o esmalte e depois disso, nunca mais consegui andar com as unhas pintadas. Nem aqueles esmaltes hipoalergênico eu consegui usar.
O que poderia explicar esse fato?

01/03/2013 - Comentário feito por Maisa
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
Parabens, bem esclarecedor o artigo sobre unhas.

19/02/2013 - Comentário feito por celia
Re: Unhas fracas. Como fortalecê-las?
As minhas unhas sai a camada de cima e a outra parte fica muito fina, o que eu poderia fazer para resolver este caso?

  • Entrar
  • Receber conteúdos