Gostou do artigo? Compartilhe!

Dicas para emagrecer e perder barriga

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Não há como “emagrecer” em apenas uma parte do corpo. O que pode ser feito é eliminar a gordura1 como um todo e, consequentemente, eliminar gordura1 também na área desejada. Contudo, os exercícios abdominais são uma opção a mais para quem deseja uma barriguinha menos protuberante. Eles ajudam na definição do abdômen e podem também definir toda a região da barriga.

Saiba mais sobre "Como perder peso e manter o peso alcançado" e "Como medir sua cintura".

Algumas dicas para emagrecer são:

  • Nenhum regime para emagrecer será bem sucedido se não for acompanhado por atividades físicas regulares. Elas proporcionam a aceleração do metabolismo2 e a queima mais rápida de calorias3. Além disso, são benéficas para sua saúde4 geral.
  • Beba bastante água, porque a água aumenta a sensação de saciedade e, assim, ajuda a comer menos. Além disso, ela potencializa as ações do sistema digestivo5 e favorece o emagrecimento.
Leia sobre "Cálculo6 do IMC7" e "Atividades físicas".
  • Mantenha horários certos de comer, dormir, descansar… Seu organismo e seu metabolismo2 trabalham melhor com ritmos pré-establecidos. Também a sensação de “estar com fome” se reduzirá com um ritmo regular de alimentação. Coma8 devagar e com moderação, saboreando os alimentos, e somente nas horas definidas de cada dia.
  • Nunca espere sentir fome para, só então, alimentar-se. Isso faz a pessoa comer mais do que necessita. Procure comer alguma coisa de três em três horas, mesmo que não esteja sentindo fome.
  • Evite as frituras. Elas não são saudáveis e são ricas em calorias3, o que atrapalha a perda de peso.
  • Fuja dos refrigerantes, eles são extremamente calóricos, causam retenção de gases e ainda retêm líquidos.
  • Não ingira líquidos durante as refeições porque eles diluem o bolo alimentar e dificultam a sua digestão9.
  • Coma8 muitas frutas, verduras e legumes. Elas possuem excelentes proteínas10 e nutrientes e não são calóricos. Procure fazer disso um hábito permanente e não uma simples prática passageira.
  • Evite doces e açúcares. Os doces são grande fonte de açúcar11 e isso é muito ruim para quem deseja emagrecer. O açúcar11 ingerido vira gordura1 e tende a acumular-se na região abdominal. Procure tomar café, sucos e chás sem adicionar açúcares ou adoçantes. Se você se acostumar, passará a achá-los de melhor sabor do que quando adoçados.
  • Evite os alimentos ricos em carboidratos, já que eles viram açúcar11 quando não são totalmente absorvidos pelo corpo. Mesmo os carboidratos integrais, embora sejam um pouco melhores que os comuns, devem ser ingeridos com moderação. Evite também o glúten12, porque ele faz com que o corpo produza um hormônio13 responsável pelo acúmulo de gordura1 na região abdominal. Além disso, o metabolismo2 fica mais lento e, assim, a pessoa queima calorias3 mais lentamente.
  • Coma8 devagar, porque comer muito depressa e não mastigar bem os alimentos faz com que a pessoa não aproveite bem os nutrientes e as proteínas10 dos alimentos. Em consequência, a pessoa tem de comer mais porque não deu ao organismo o tempo que devia para ele absorver o que foi ingerido. Comer menos também é importante. Não se trata de passar fome; trata-se de abster-se daquilo que habitualmente você come além do necessário. Procure não “comer com os olhos”, simplesmente porque o alimento está à sua frente.
  • Beba bastante suco, mas faça sempre um suco natural da fruta e sempre sem adicionar açúcar11. Normalmente, o açúcar11 da fruta já é suficiente.
  • Dê preferência a alimentos que consomem mais calorias3 do que aos ditos alimentos com calorias3 negativas. Boas escolhas são: melancia, abobrinha, damasco, berinjela, beterraba, alho, agrião, cebola, couve-flor, mamão, limão, pimentão, abacaxi, brócolis, amora, jabuticaba, framboesa, alface, pepino, couve, maçã, mexerica, morango, ameixa, cenoura, laranja, manga, melão, repolho, pimentão, pêssego e goiaba. Também os legumes e as verduras, em geral, que são alimentos ricos em fibras. As fibras são um dos alimentos mais poderosos no emagrecimento. Elas se agarram às moléculas de gordura1 e não deixam que o corpo as absorva, também oferecem mais rapidamente a sensação de saciedade.

Com tudo isso, a pessoa pode dispensar os remédios para emagrecer, os quais são pouco efetivos, se usados sozinhos, além de produzirem efeitos colaterais14 indesejáveis.

Veja também sobre "Carboidratos", "Fibras", "Controle do apetite", "Obesidade15" e "Cirurgia bariátrica16".

 

ABCMED, 2016. Dicas para emagrecer e perder barriga. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/obesidade/1279898/dicas+para+emagrecer+e+perder+barriga.htm>. Acesso em: 21 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
2 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
3 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
6 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
7 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
9 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
10 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
11 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
12 Glúten: Substância viscosa, extraída de cereais, depois de eliminado o amido. É uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina.
13 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
14 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
15 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
16 Cirurgia Bariátrica:
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia e Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.