Gostou do artigo? Compartilhe!

Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA): quando ela precisa ser feita?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial1 (MAPA)?

A pressão arterial1 obtida no consultório médico é um dado apenas momentâneo e não reflete com fidelidade a pressão arterial1 e as variações de medidas existentes no dia-a-dia do paciente. Para o médico, é muito útil saber como se comporta a pressão arterial1 do paciente durante suas atividades diárias. Com a monitorização ambulatorial da pressão arterial1 (MAPA) a pressão arterial1 é automaticamente medida e registrada a cada vinte minutos, nas 24 horas do dia, durante a vigília e o sono. Ela permite, então, analisar o comportamento da pressão arterial1 durante os vários eventos do cotidiano da pessoa e ainda torna possível avaliar a eficácia de tratamentos anti-hipertensivos, quando é o caso. O exame quase não apresenta desconforto nem interfere nas atividades rotineiras do paciente, as quais, ao contrário, devem seguir seu curso normal. A tomada da pressão arterial1 em vários momentos sucessivos do dia do paciente torna possível obter uma visão2 dinâmica do comportamento pressórico durante a vida do paciente e correlacioná-lo com as suas atividades.

A monitorização ambulatorial da pressão arterial1 (MAPA) é hoje em dia um exame já incorporado à prática clínica do cardiologista3 e do nefrologista4, quando eles avaliam e tratam problemas de pressão arterial1.

Como é feita a Monitorização Ambulatorial da Pressão Arteial (MAPA)?

O equipamento de monitorização ambulatorial da pressão arterial1 (MAPA) consta de um monitor leve e pequeno, colocado na cintura do paciente e conectado por um tubo plástico fino a uma braçadeira semelhante às dos aparelhos tradicionais de aferição da pressão arterial1, a qual deve ser colocada preferencialmente no braço não dominante. Depois de instalado o equipamento, o paciente deve permanecer com ele durante 24 horas, pelo menos. A cada vinte minutos o monitor insufla a braçadeira, colhe e registra a pressão obtida. Após as 24 horas, o monitor é retirado, os dados obtidos são levados a um computador e um programa especialmente construído para essa finalidade elabora um gráfico das pressões registradas. O paciente deve anotar num “diário de atividades” as ocorrências do seu dia (atividades, sono, sintomas5, etc.), para que sejam cotejadas com os registros do monitor. É importante que o dia escolhido para colocação do equipamento seja representativo das rotinas do paciente e não um dia de atividades excepcionais.

Quando se deve fazer a Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial1 (MAPA)?

A monitorização ambulatorial da pressão arterial1 (MAPA) deve ser feita quando se deseja estudar com mais profundidade a pressão arterial1 ou quando, por qualquer motivo, se suspeita que a pressão medida no consultório médico não seja a mesma que ocorre em outros momentos da vida do paciente. Ela também pode ser usada para estabelecer a relação entre os eventos, os sintomas5 e a pressão arterial1 e para avaliar a eficácia do tratamento da hipertensão6. O exame deve ser feito num dia padrão da vida do paciente, evitados acontecimentos extraordinários ou esporádicos e só é contraindicado para pacientes7 que apresentem valores muito elevados de pressão máxima, arritmias8 cardíacas ou parkinsonismo. Não é permitido tomar banho durante o período de tempo em que o equipamento estiver colocado.

ABCMED, 2014. Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA): quando ela precisa ser feita?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/544292/monitorizacao-ambulatorial-da-pressao-arterial-mapa-quando-ela-precisa-ser-feita.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
2 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
3 Cardiologista: Médico especializado em tratar pessoas com problemas cardíacos.
4 Nefrologista: Médico especialista em tratar pessoas com doenças ou problemas renais.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
7 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
8 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cardiologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.