Gostou do artigo? Compartilhe!

Urografia excretora: como é este exame?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a urografia1 excretora?

A urografia1 excretora é um exame radiológico que faz uso de um contraste iodado para estudar a árvore excretora urinária a partir dos rins2. É, geralmente, o primeiro exame pedido nesses casos, complementado depois pela ultrassonografia3, tomografia computadorizada4 ou ressonância magnética5. A urografia1 excretora oferece importantes informações anatômicas e funcionais sobre a árvore urinária e permite a detecção de anomalias genéticas, deformidades patológicas, cálculos e tumores renais.

Como é feito o exame da urografia1 excretora?

O preparo para o exame inclui jejum de 8 horas e esvaziamento intestinal por meio de laxantes6 orais e retais (fleet enema7) visando livrar o intestino de conteúdos que podem obscurecer as imagens dos rins2 e das vias urinárias excretoras. Existem várias maneiras de realizar o exame e o método varia conforme as características da patologia8 presumida. Em todas as maneiras o paciente estará deitado numa mesa, em decúbito dorsal9 (de barriga para cima), e receberá por via venosa um contraste iodado opaco aos raios X, o qual começa a ser rapidamente eliminado pela urina10.

A maneira mais simples de se realizar a urografia1 excretora consiste na tomada em seguida de uma radiografia de abdômen em incidência11 anteroposterior antes e imediatamente depois da injeção12 do contraste (minuto zero), mas radiografias posteriores podem também ser tomadas 5, 10 ou 15 minutos mais tarde. O ângulo de incidência11 pode variar segundo a solicitação do médico. A bexiga13 também pode ser radiografada antes e depois de a pessoa urinar, permitindo uma análise estrutural e funcional dela. Desse modo, a urografia1 excretora possibilita a avaliação do tamanho, eixo, contorno e simetria funcional dos rins2, fornece uma visão14 de sistema coletor de urina10 e do perfil, volume e retenção pós miccional da bexiga13.

Quem deve fazer o exame da urografia1 excretora?

A urografia1 excretora geralmente é feita por pessoas que sofrem de dores nas vias urinárias, hematúria15 (presença de sangue16 na urina10) de causa desconhecida, infecção17 do trato urinário18, obstrução urinária aguda, massas renais, urolitíase, nefrocalcinose e anormalidades congênitas19. Também deve ser feita em paciente que apresente massa abdominal ou pélvica20 não identificada, traumatismo21 renal22 e insuficiência renal23. Seu uso mais frequente costuma ser na análise de cálculos renais.

Quais são os efeitos colaterais24 da urografia1 excretora?

Praticamente, os efeitos colaterais24 das urografias excretoras são leves e passageiros e devidos ao contraste. Pode haver calor no corpo, gosto metálico na boca25, náuseas26 e vômitos27. Também podem ocorrer reações alérgicas ou anafiláticas ao contraste e dor e ardência leves no local da injeção12.

E depois de feita a urografia1 excretora?

Depois da urografia1 excretora o paciente deve tomar bastante água para ajudar a eliminar mais rapidamente o contraste.

Por algum tempo, também deve manter vigilância sobre possíveis reações alérgicas (erupções na pele28, coceiras, etc.).

ABCMED, 2013. Urografia excretora: como é este exame?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/366779/urografia-excretora-como-e-este-exame.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Urografia: Método de diagnóstico radiológico que utiliza uma substância de contraste para visualizar a anatomia interna das vias excretoras do rim.
2 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
3 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
4 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
5 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
6 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
7 Enema: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
8 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
9 Decúbito dorsal: Também conhecido como posição SUPINA. A pessoa fica deitada de costas com a cabeça e os ombros ligeiramente elevados, com a barriga voltada para cima.
10 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
11 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
12 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
13 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
14 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
15 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
18 Trato Urinário:
19 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
20 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
21 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
22 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
23 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
24 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
25 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
26 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
27 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
28 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Urologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

14/04/2015 - Comentário feito por Inaldo
Gostei da informação, estou com u...
Gostei da informação, estou com um exames marcado pra fazer!

21/05/2014 - Comentário feito por Márcia
Gostei muito, estou com cálculo renal no...
Gostei muito, estou com cálculo renal no rim direito e o urologista me pediu o exame de Urografia excretora e esta matéria pode me esclarecer muito sobre o procedimento a ser realizado.

  • Entrar
  • Assinar