Gostou do artigo? Compartilhe!

Como é a fluoroscopia?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é fluoroscopia?

A fluoroscopia (ou radioscopia) é um exame que fornece imagens em movimento e em tempo real do interior do corpo, a partir da emissão de raios X. Enquanto os raios X convencionais só geram imagens estáticas que necessitam de revelação posterior, a fluoroscopia produz imagens dinâmicas, com uma frequência de 25 a 30 quadros por segundo, que podem ser vistas em movimento, em um monitor. O aparelho que faz isso é chamado fluoroscópio. Dessa maneira, a fluoroscopia permite perceber movimentações orgânicas internas, como nos vasos ou no intestino, por exemplo, mediante o uso de contrastes, seguindo o direcionamento de um instrumento no interior do corpo ou de um cateter que esteja sendo introduzido nos vasos sanguíneos1.

Em que consiste a fluoroscopia?

O fluoroscópio consta de uma fonte emissora de raios X e uma tela fluorescente que capta as imagens; o paciente fica posicionado entre as duas. A fluoroscopia consiste na obtenção, através desse dispositivo, de imagens de raios X em grande número e com alta resolução temporal que permitem ver o interior do paciente em movimento. As imagens geradas pelo aparelho podem ser gravadas com alta qualidade e revistas posteriormente. A fluoroscopia também pode ser utilizada em exames de cateterismo2, por exemplo, permitindo ver o contraste injetado e circulante nos vasos sanguíneos1 e a eventual obstrução deles, durante uma angiografia3.

A diferença da fluoroscopia e da radiografia convencional é que, enquanto a radiografia convencional utiliza filmes de raios-X que precisam ser revelados posteriormente e apenas geram imagens estáticas, a fluoroscopia possui um sistema de aquisição de imagens dinâmicas, vistas em tempo real durante o exame. Como o exame de fluoroscopia necessita de muitas imagens radiológicas, estas devem ser feitas com uma baixa dose de radiação, o que exige um detector muito sensível que regule o nível de radiação.

Quais são as indicações da fluoroscopia?

A fluoroscopia tem várias indicações. As principais são:

  • Exames contrastados para visualizar a movimentação do trato gastrointestinal.
  • Acompanhamento de inserção de cateter durante a angioplastia4 ou angiografia3.
  • Inserção de determinados dispositivos cardíacos, como marca-passos, por exemplo.
  • Estudos de fluxo de sangue5 nas arteriografias.
  • Em cirurgias ortopédicas, para visualizar fraturas e seu tratamento.

A fluoroscopia permite aos médicos olhar vários sistemas orgânicos, como o esquelético, digestivo, respiratório, urinário e reprodutivo, incluindo órgãos sólidos como ossos, músculos6, articulações7, coração8, pulmão9 e rins10. A fluoroscopia pode ser usada também em artrografia, punção lombar, colocação intravenosa de cateteres em outros órgãos que não o coração8, urografia11 excretora, histerossalpingografia e biópsias12. Pode ser usada sozinha ou em associação com outros meios diagnósticos ou terapêuticos. A fluoroscopia pode permitir ao médico ver, por exemplo, os movimentos dos intestinos13 ou, no cateterismo2 cardíaco, o fluxo de sangue5 nas artérias coronárias14. A fluoroscopia também pode ser usada para vários outros fins, entre os quais, localização de corpos estranhos, guiar injeções nas articulações7 ou na coluna vertebral15, tratar fraturas das vértebras da coluna vertebral15, etc.

Qual é a preparação necessária para o exame?

A preparação para o exame é simples: deve ser mantido um jejum de no mínimo oito horas. Nesse tempo, o paciente não deve fumar nem mascar nenhum tipo de goma e suspender os remédios eventualmente em uso. Como o meio de contraste usado (sulfato de bário) “prende o intestino”, o paciente deve acrescentar bastante fibras a sua alimentação, após o exame. O mamão também é aconselhável, no pós-exame e nos dias seguintes, assim como uma abundante ingestão de líquidos (em média 3 litros diários).

Quais são os riscos da fluoroscopia?

A exposição aos raios X numa fluoroscopia é baixa, quando comparada com uma radiografia convencional, mas os níveis de exposição dos pacientes podem se tornar altos em virtude da maior duração do exame. O tempo total de fluoroscopia é, pois, um dos fatores importantes da exposição dos pacientes a essa técnica. O exame deve ser evitado em pacientes grávidas ou com suspeita de gravidez16 porque a exposição à radiação durante a gestação pode levar a defeitos congênitos17 do feto18. Se for usado contraste, há o risco de reação alérgica19 a ele. Pacientes que saibam ser alérgicos ou sensíveis ao iodo, marisco ou látex devem informar previamente esta condição ao médico. Também devem informar ao médico se sofrerem de qualquer doença específica como, por exemplo, insuficiência20 ou outros problemas renais.

ABCMED, 2013. Como é a fluoroscopia?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/360174/como+e+a+fluoroscopia.htm>. Acesso em: 5 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
2 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
3 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
4 Angioplastia: Método invasivo mediante o qual se produz a dilatação dos vasos sangüíneos arteriais afetados por um processo aterosclerótico ou trombótico.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
7 Articulações:
8 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
9 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
10 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
11 Urografia: Método de diagnóstico radiológico que utiliza uma substância de contraste para visualizar a anatomia interna das vias excretoras do rim.
12 Biópsias: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
13 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
14 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
15 Coluna vertebral:
16 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
17 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
18 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
19 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
20 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Radiologia e Diagnóstico Por Imagem?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

23/11/2014 - Comentário feito por Selma
Muito esclarecedor. Estou começando na &...
Muito esclarecedor. Estou começando na área de radiodiagnósticos e toda informação na área é válida. Muito obrigada!

  • Entrar
  • Assinar