Gostou do artigo? Compartilhe!

Coagulograma - como é o exame?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é coagulograma?

O coagulograma, também chamado de prova de coagulação1, é um conjunto de exames usado para avaliar se a coagulação1 do paciente está ou não dentro dos parâmetros normais e se o tempo de coagulação1 é ou não ideal. Ele é capaz de diagnosticar uma vasta série de complicações hemorrágicas2.

Os exames compreendidos nesse teste são tempo de sangramento, tempo de coagulação1, tempo de protrombina3 ativada, tempo de tromboplastina4 parcial e número de plaquetas5. Os valores normais de um coagulograma são:

  • tempo de sangramento: 1 a 4 minutos;
  • tempo de coagulação1: 4 a 10 minutos;
  • tempo de protrombina3 ativada: 10 a 14 segundos;
  • tempo de tromboplastina4 parcial: 24 a 40 segundos;
  • plaquetas5: de 150 a 400 mil por milímetro cúbico de sangue6 (mil/mmc).
Leia sobre "Coagulação1 intravascular7 disseminada", "Diátese hemorrágica8", "Hemofilia9", "Plaquetas5 baixas" e "Trombocitose10 ou plaquetose".

Por que fazer um coagulograma?

O coagulograma é fundamental no pré-operatório de qualquer cirurgia de médio ou grande porte ou antecedendo qualquer procedimento médico que implique em sangramento. Se o coagulograma indicar qualquer alteração, o procedimento deve ser suspenso.

Na clínica médica diária, é pedido para investigar sangramentos espontâneos ou fazer diagnóstico11 diferencial de sangramentos uterinos disfuncionais12 nas mulheres. Pode também ser utilizado em muitas patologias hematológicas que cursam com distúrbios da coagulação1 ou em casos em que o paciente tem história prévia de sangramentos. O coagulograma também é solicitado quando um paciente é picado por algum animal ou inseto que possui toxina13 que altera a coagulação1 sanguínea.

Nos dias atuais, a dengue14 é uma enfermidade importante e muitas vezes é necessário um coagulograma para definir condutas no paciente com dengue14. O exame permite, também, a monitoração do estado de pacientes que utilizam medicamentos antiagregantes plaquetários ou anticoagulantes15, como forma de prevenir certas doenças cardíacas daí decorrentes.

Como é realizado o coagulograma?

Antes do início do coagulograma é indicado a realização de um jejum de 2 a 4 horas. A pessoa deve ser levada a uma sala especial onde será feita a coleta do sangue6 e também alguns testes. Para a correta avaliação dos testes, é de extrema importância que o paciente informe todos os tipos de medicamentos que esteja utilizando, especialmente antibióticos e anticoagulantes15.

O exame do tempo de sangramento consiste em o especialista observar quanto tempo vai levar para parar de sangrar uma pequena picada no antebraço16 do paciente, feita em um lugar sem vasos. Geralmente esse tempo varia entre 1 e 3 minutos. Já o teste de coagulação1 é realizado através da coleta de cerca de 2 ml de sangue6. Coloca-se o material em dois tubos sem anticoagulante17 e observa-se o tempo que o sangue6 levará para coagular18. Normalmente é algo que leva de 5 a 12 minutos.

O exame é rápido e o resultado é entregue, na grande maioria dos casos, em um dia. Após os testes não são observados desconfortos importantes para o paciente, mas deve-se evitar tomar sol no local puncionado e não fazer esforços com o braço usado para o exame durante 24 horas.

Veja mais sobre "Sintomas19 e cuidados gerais da dengue14" e "Tratamento da dengue14".

 

ABCMED, 2017. Coagulograma - como é o exame?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/1299808/coagulograma+como+e+o+exame.htm>. Acesso em: 16 nov. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
2 Hemorrágicas: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
3 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
4 Tromboplastina: Conhecida como fator tissular ou Fator III, a tromboplastina é uma substância presente nos tecidos e no interior das plaquetas. Ela tem a função de transformar a protrombina em trombina na presença de íons cálcio, atuando de maneira importante no processo de coagulação.
5 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
8 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
9 Hemofilia: Doença transmitida de forma hereditária na qual existe uma menor produção de fatores de coagulação. Como conseqüência são produzidos sangramentos por traumatismos mínimos, sobretudo em articulações (hemartrose). Sua gravidade depende da concentração de fatores de coagulação no sangue.
10 Trombocitose: É o número excessivo de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitopenia. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é superior a 750.000/mm³ (e particularmente acima de 1.000.000/mm³) justifica-se investigação e intervenção médicas. Quanto à origem, pode ser reativa ou primária (provocada por doença mieloproliferativa). Apesar de freqüentemente ser assintomática (particularmente quando se origina como uma reação secundária), pode provocar uma predisposição para a trombose.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Disfuncionais: 1. Funcionamento anormal ou prejudicado. 2. Em patologia, distúrbio da função de um órgão.
13 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
14 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
15 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
16 Antebraço:
17 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
18 Coagular: Promover a coagulação ou solidificação; perder a fluidez, transformar-se em massa ou sólido.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia e Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.