Atalho: 70PAGGU
Gostou do artigo? Compartilhe!

Saiba mais sobre a cintilografia óssea: para que serve, quais os riscos do exame, como é feito?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a cintilografia1 óssea?

A cintilografia1 óssea é um exame de imagem de todo o esqueleto2, obtido através da injeção3 venosa de uma substância radioativa que se concentrará nos ossos, sobretudo nas células4 de maior atividade metabólica, e que será posteriormente captada como imagem por uma câmara especial, chamada gama-câmara. A quantidade de radiação injetada no paciente é mínima (comparável a de uma radiografia normal) e não ocasiona nenhum dano. A cintilografia1 foi introduzida na Medicina em meados do século passado (década de 50).

Para que serve a cintilografia1 óssea?

Uma das principais funções da cintilografia1 óssea é detectar metástases5 ósseas de tumores oriundos de outros órgãos (em geral de pulmão6, próstata7 ou mama8), mas também se presta à detecção de tumores ósseos, infecções9 ou inflamações10 dos ossos, doenças metabólicas dos ossos, necroses ósseas, fraturas de estresse em atletas ou pessoas que praticam atividade física, bem como à avaliação de próteses ósseas, etc.

Cintilografia óssea

Quais são os riscos da cintilografia1 óssea?

Praticamente não há riscos. Eles se resumem apenas à possibilidade de reações adversas ou alérgicas passageiras aos remédios, mas ainda assim, são muito raros (0,01 a 0,02% dos casos).

A cintilografia1 não deve ser feita por mulheres grávidas, com suspeita de gravidez11 ou que estejam amamentando, porque embora a dose de radiação seja muito baixa, ela pode afetar adversamente o feto12.

Como é feito o exame de cintilografia1 óssea?

O exame não requer nenhum preparo prévio, nem mesmo jejum ou suspensão de medicação, e nenhum cuidado especial após o exame, podendo o paciente retomar suas atividades normais, logo em seguida. Apenas nas 24 horas posteriores ao procedimento deve ser evitado contato intensivo com mulheres grávidas ou bebês13 (babás, creches, berçários, etc.).

O paciente deve comparecer ao serviço especializado para receber uma injeção3 venosa contendo um radiotraçador14 (geralmente, metilenodifosfonato marcado com tecnécio - substância radioativa), após o que pode voltar para casa, retornando ao serviço três ou quatro horas mais tarde, para complementação do exame. Esse intervalo é o tempo necessário para que a medicação se difunda pelo organismo. Durante esse período, o paciente pode retomar suas atividades normais, evitando apenas contatos íntimos com mulheres grávidas e crianças pequenas e deve beber bastante líquido (seis a oito copos), para forçar a diurese15 e a eliminação de parte do remédio que não tenha ficado fixada aos ossos. Deve também ter o cuidado de que sua urina16 não respingue na roupa ou no próprio corpo, porque isso pode interferir no resultado do exame.

No retorno à clínica, será pedido ao paciente que esvazie a bexiga17 e deite numa cama deslizante, na qual um aparelho especial (chamado gama-câmara) registrará na tela de um computador uma série de imagens de todo seu esqueleto2, destacando os pontos de concentração da substância radioativa, se houver. Habitualmente, o exame dura entre trinta e quarenta minutos. Essa câmara não acrescentará ao exame nenhuma dose extra de radiação, apenas captará a que esteja sendo emitida pelo paciente.

O resultado do exame consta de um laudo médico destacando os pontos de eventuais concentrações do material radioativo18 (se houver), o qual deverá ser analisado pelo médico clínico.

ABCMED, 2013. Saiba mais sobre a cintilografia óssea: para que serve, quais os riscos do exame, como é feito?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/359369/saiba-mais-sobre-a-cintilografia-ossea-para-que-serve-quais-os-riscos-do-exame-como-e-feito.htm>. Acesso em: 23 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Cintilografia: Procedimento que permite assinalar num tecido ou órgão interno a presença de um radiofármaco e acompanhar seu percurso graças à emissão de radiações gama que fazem aparecer na tela uma série de pontos brilhantes (cintilação); também chamada de cintigrafia ou gamagrafia.
2 Esqueleto:
3 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
6 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
7 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
8 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
9 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
11 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
12 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
13 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
14 Radiotraçador: É um isótopo radioativo, ligado a uma substância injetada no sistema biológico, cujo percurso pode ser traçado pela detecção de sua radiação, auxiliando em diagnósticos médicos, por exemplo.
15 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
16 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
17 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
18 Radioativo: Que irradia ou emite radiação, que contém radioatividade.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia e Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

08/06/2018 - Comentário feito por Flávio
Informações bem esclarecedoras. T...
Informações bem esclarecedoras. Tranquilizou meu pai, que fará o exame em breve e ao restante da família. Obrigado, sucesso.

23/02/2018 - Comentário feito por Clarice
Excelente matéria. Vou fazer uma cintilo...
Excelente matéria. Vou fazer uma cintilografia e agora vou confiante. Parabéns.

08/08/2017 - Comentário feito por Norma
Também gostei da explicaçã...
Também gostei da explicação. Já realizo este exame há vários anos, como controle de CA e é sempre bom ler artigos a respeito do exame para atualização. Bom dia!

07/10/2016 - Comentário feito por Jaqueline
Gostei da explicação, simples e c...
Gostei da explicação, simples e clara. Meu pai vai realizar este exame e estava com duvidas a respeito. Obrigada.

04/07/2016 - Comentário feito por Valéria
Muito boa a explicação. Farei ama...
Muito boa a explicação. Farei amanhã este exame e , agora estou mais tranquila para a realização.
Obrigada.

09/05/2016 - Comentário feito por Gizelle
Adorei a explicação agora sim est...
Adorei a explicação agora sim estou tranquila

10/04/2016 - Comentário feito por Cleonice
Gostei da explicação, terei que f...
Gostei da explicação, terei que fazer o exame e estava com medo, mas agora estou tranquila por tudo que li aqui.
Parabéns excelente explicação.

22/10/2015 - Comentário feito por maira
gostei da explicação,simples e di...
gostei da explicação,simples e direta,parabéns

21/10/2015 - Comentário feito por jaime
valeu apena ler sobre hdl e ldl, fiquei bem ori...
valeu apena ler sobre hdl e ldl, fiquei bem orientado sobre o assunto, agradeço.

15/10/2015 - Comentário feito por Khalil
Gostei muito da explicaçao, foi muito &u...
Gostei muito da explicaçao, foi muito útil para mim; tinha ouvido que era muito prejudicial para a saúde "fonte equivocada".

  • Entrar
  • Assinar