Gostou do artigo? Compartilhe!

Picada de aranha - o que devemos saber?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Sobre a picada de aranha

Há uma grande variedade de espécies de aranhas, mas a grande maioria tem presas muito frágeis para penetrar a pele1 humana e, por isso, raramente picam. Quase nunca ocorre morte por picadas de aranhas, mas elas podem causar lesões2 importantes e até provocar uma reação sistêmica causada pelo veneno que injetam. No Brasil, as duas espécies mais perigosas são a armadeira e a aranha marrom, embora existam outras.

Como identificar uma picada de aranha?

Um primeiro cuidado deve ser diferenciar a picada de aranha da picada de insetos e de outros animais. A maioria das picadas de insetos é mais dolorosa que a de aranha. Insetos como as abelhas, vespas e marimbondos têm ferrões mais poderosos que as aranhas e provocam mais danos que a presa pequena de uma aranha.

Outro cuidado deve ser diferenciar a picada dos diversos tipos de aranha. Em geral, as aranhas apenas atacam para se defender, se forem imprensadas de alguma maneira. Se possível, a pessoa vítima da picada de uma aranha deve capturar o animal e levá-lo a alguém que saiba identificá-lo ou pesquisar na internet.

A maioria das picadas de aranha é inofensiva ou causa apenas um desconforto leve que desaparece sozinho depois de alguns dias. A picada de aranha deve ser tratada com gel antisséptico3, compressas de gelo, analgésicos4 e anti-inflamatórios de venda livre. A anafilaxia5, se existir, exige assistência médica e deve ser controlada com injeções de adrenalina6 que diminuem a resposta alérgica do corpo. As aranhas podem estar infectadas com tétano7 e transmiti-lo por meio da picada, portanto, a pessoa deve estar com a vacina8 contra o tétano7 em dia ou tomar uma nova dose a cada dez anos.

A picada do escorpião pode ser confundida com a picada de aranha e, como ela, causa dor, vermelhidão localizada e inflamação9, mas raramente é grave. No entanto, o escorpião amarelo (Tityus serrulatus) pode desferir uma picada fatal, pois produz um veneno neurotóxico potente. 

Leia também sobre "Picada de escorpião", "Picada de cobra" e "Dengue10".

Como diferenciar a picada das diversas espécies de aranha?

Para buscar um atendimento médico correto é importante saber diferenciar a picada das diversas espécies de aranhas.

A aranha viúva negra é brilhante, arredondada e tem uma mancha vermelha em forma de ampulheta na parte de baixo da barriga. No Brasil, ela é mais encontrada em praias e no Nordeste. A picada de uma aranha negra é caracterizada por dois furos, os quais logo começam a ficar vermelhos e inflamados e dói imediatamente, embora também possa ser indolor. A sensibilidade local inicial espalha-se em seguida para uma região mais ampla, em cerca de uma hora.

Os sintomas11 mais significativos causados pelo veneno neurotóxico da aranha são câimbras12 severas (principalmente no abdômen), excesso de suor em volta da mordida, náuseas13, dor de cabeça14, calafrios15 e aumento da pressão sanguínea. O antídoto16 para o veneno só deve ser aplicado (por via muscular ou intravenoso) caso a picada provoque dor severa e os demais sintomas11 de forma significativa. No entanto, esse antídoto16 deve ser evitado, na medida do possível, porque pode causar reações alérgicas graves que pioram ainda mais os sintomas11 do envenenamento.

A aranha marrom é castanha ou amarelada, tem pernas finas e longas e o seu corpo é formado por uma cabeça14 e um abdômen oval. Ela é encontrada em lugares tranquilos e escuros nos mais diversos estados do Brasil. Sua picada se caracteriza, depois de algum tempo (30 a 60 minutos), pelo fato de que a região em volta costuma ficar azul-arroxeada, geralmente circundada por um alo avermelhado.

De início, costuma doer levemente ou causar uma sensação de ardor17 semelhante à picada de um mosquito. Posteriormente, o local fica inflamado e surge uma ferida central que cresce até se tornar uma úlcera18 muito sensível. O ferimento deve ser lavado com água e um sabonete suave e compressas de gelo devem ser aplicadas na área afetada, a qual deve ser elevada, para diminuir a dor e a inflamação9.

O veneno da aranha marrom é necrosante19 e mata o tecido20 local, deixando-o preto ou azulado. Quase sempre, a cura da úlcera18 se dá por meio do aparecimento de uma casca que cai em poucas semanas. No entanto, esse processo pode levar mais tempo, se o sistema imunológico21 da pessoa estiver debilitado. Não existe antídoto16 para esse veneno. Se necessário, podem ser utilizados analgésicos4, como o paracetamol, ou anti-inflamatórios, como o ibuprofeno, por exemplo.

A aranha caranguejeira, apesar da sua aparência assustadora, não é venenosa e raramente pica. No entanto, quando se sente atacada, ela arremessa pelos negros parecidos com agulhas que fincam na pele1, os quais geram um tipo de reação alérgica22, com a formação de urticária23, inchaço24 e dificuldade respiratória, principalmente em pessoas mais sensíveis. A dor inicial é geralmente descrita como uma sensação de ardor17.

A Tegenaria agrestis é uma aranha grande e rápida com marcas amarelas no dorso25 marrom. A picada dela pode causar um desconforto parecido com a picada de uma abelha, mas injeta um veneno neurotóxico que também pode necrosar a pele1 ao redor da área picada, embora sem a mesma intensidade que a aranha marrom. A dor é pequena, pois as presas dessas aranhas não são tão grandes e fortes como o ferrão das abelhas.

Algumas dessas ocorrências causam apenas um pequeno desconforto local e nem exigem tratamento, enquanto outras podem ter consequências graves e até letais, embora raramente isso aconteça.

Conheça "Os animais que mais matam no mundo".

 

ABCMED, 2017. Picada de aranha - o que devemos saber?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/1306908/picada+de+aranha+o+que+devemos+saber.htm>. Acesso em: 13 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Antisséptico: Que ou o que impede a contaminação e combate a infecção.
4 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
5 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
6 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.
7 Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
8 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
9 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
10 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
13 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
14 Cabeça:
15 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
16 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
17 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
18 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
19 Necrosante: Que necrosa ou que sofre gangrena; que provoca necrose, necrotizante.
20 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
21 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
22 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
23 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
24 Inchaço: Inchação, edema.
25 Dorso: Face superior ou posterior de qualquer parte do corpo. Na anatomia geral, é a região posterior do tronco correspondente às vértebras; costas.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.