Gostou do artigo? Compartilhe!

Gerencie seu tratamento: você é o principal interessado em manter sua boa saúde

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

A escolha do médico

Atualmente é comum que o paciente escolha um médico simplesmente consultando uma lista de desconhecidos fornecida pelos planos de saúde1. Essa é, sem dúvidas, a pior e a mais arriscada das opções. A escolha de um médico deve ser decidida a partir de vários parâmetros conjugados: sua filiação a sociedades médicas especializadas, recomendações feitas por outros médicos da confiança do paciente, anúncios éticos e sérios de procedimentos, indicações de outros pacientes, médicos que tenham construído sites com informações sérias sobre doenças e procedimentos em saúde1, conceito mais ou menos público da competência do profissional, médicos que guardam seu prontuário de saúde1 em softwares médicos organizados, etc.

Linguagem médica

Pesquisas mostram que apenas uma pequena percentagem do que os médicos dizem é corretamente compreendido pelos pacientes. Isso se deve a vários motivos: a linguagem técnica dos médicos nem sempre é bem compreendida pelos pacientes, mesmo numa linguagem não-técnica os jargões médicos podem conotar realidades diferentes da conhecida pelos pacientes; a ambiguidade natural das palavras pode levar a atribuir a elas um sentido diferente daqueles com que foram proferidas; a consulta médica geralmente é realizada pelos pacientes num estado de ansiedade, o que prejudica a compreensão; defesas psicológicas levam os pacientes a descartar ou deturpar aquilo que lhes seja difícil de aceitar. O paciente deve repetir na frente do médico as instruções que recebeu para ter certeza de que as compreendeu bem.

Gerencie a sua saúde1

Sempre que for ao médico leve consigo o seu histórico de saúde1 ou permita a ele acessá-lo no computador. Isso inclui as doenças que tem ou teve, os resultados de exames anteriores e seus sintomas2. Informe se você é alérgico, diabético ou hipertenso e indique quais remédios e substâncias você está tomando ou não pode tomar.

Se você for sujeito a alguma crise repentina, leve consigo a medicação corretiva correspondente. Anote os endereços e telefones dos serviços de urgência3 que você deseja que sejam contatados em caso de necessidade. Faça o mesmo em relação a pessoas que você deseja que sejam avisadas. Lembre-se de que algum tempo depois você poderá estar inconsciente ou não poder falar.

Procure informar-se sobre os eventuais procedimentos diagnósticos e terapêuticos a que deva submeter-se: seus preparos, incômodos, expectativas, riscos e benefícios, consequências imediatas e a longo prazo, etc. Depois de bem informado, decida você mesmo sobre eles. O médico apenas informa. A opção de submeter-se ou não a eles deve ser sua.

O médico geralmente é tão interessado na sua melhora quanto você mesmo, seja por razões humanitárias, por um dever ético ou, ainda, porque disso depende o seu sucesso e a reputação profissional que adquirirá. No entanto, a pessoa mais responsável pelo seu tratamento deve ser você mesmo. Assuma um papel ativo e não simplesmente “se entregue nas mãos4 do médico”, atribuindo a ele toda a responsabilidade pelo seu tratamento.

Interações medicamentosas

É muito frequente que o paciente esteja tomando mais de um remédio, muitas vezes receitados por médicos diferentes. Conforme o caso, a associação de dois ou mais remédios pode ser perigosa ou, no mínimo, desvantajosa. Algumas medicações reforçam ou inibem a ação de outras e por isso convém que sejam ou que não sejam associadas. Assim, por exemplo, a vitamina5 C ajuda na absorção do ferro e os inibidores da monoaminoxidase6 desencadeiam uma crise hipertensiva grave quando tomados juntamente com outros antidepressivos. De um modo geral, as interações podem levar à diminuição do nível plasmático de um dos medicamentos, o que pode levar à ineficácia dele, podem gerar reações adversas, produzir um agravamento da condição mórbida do paciente ou criar dificuldades para que seja feito um diagnóstico7. Por tudo isso é importante informar a cada médico os remédios que está tomando ou tenha tomado recentemente.

Horários de tomar os remédios

De preferência, os remédios que não apresentem inconveniências ou impedimentos devem ser tomados juntos, para evitar-se criar vários horários de medicação, o que facilita o esquecimento. No entanto, devido aos ritmos orgânicos, algumas medicações fazem melhor efeito quando tomadas em horários determinados e outros têm suas ações mais adequadas em determinados períodos do dia.

Assim, os remédios para abaixar o colesterol8, por exemplo, fazem melhor efeito se tomados nos horários de pico sanguíneo dessa substância, por volta das 19 horas e os soníferos ou remédios que dão sonolência devem ser tomados à noite e, ao contrário, os que dificultam o sono, devem ser tomados pela manhã. Os diuréticos9, por exemplo, não devem ser tomados à noite, para não causarem o incômodo de acordar o paciente com vontade de urinar. Alguns remédios devem ser tomados juntamente com as refeições, outros nos intervalos entre elas. Procure saber com seu médico qual o melhor horário para tomar os remédios que ele receitou.

Alguns remédios têm maior duração no organismo e devem ser tomados mais espaçadamente e outros são de eliminação mais rápida e necessitam uma reposição em menor tempo. É isso que determina “de quanto em quanto tempo” deve ou pode ser tomada uma nova dose do remédio. Por outro lado, não existe uma correlação direta entre os sintomas2 e as medicações. Alguns remédios devem ser tomados mesmo na ausência de sintomas2, seja por agirem preventivamente ou porque devem ser tomados por um prazo determinado, necessário para erradicar a doença. Procure esclarecer com seu médico o que fazer se você se esquecer de tomar uma dose ou se estiver em dúvida se tomou ou não uma medicação.

A espera da consulta

Muitas esperas, sobretudo na medicina pública, são ocasionadas pela precariedade dos serviços e os profissionais médicos também são vítimas dela. No entanto, as esperas, às vezes longas, em salas de espera, em geral devem-se à má organização da agenda profissional. Hoje em dia os médicos já podem contar até mesmo com agendamentos online para melhor gerenciar seus atendimentos. É verdade que os médicos podem se deparar com urgências e situações imprevistas que alteram todos os seus horários. Isso, no entanto, não constitui a rotina do profissional: são exceções. Não aceite um médico que atende habitualmente com grandes atrasos fazendo com que você tenha que reservar para o atendimento toda uma manhã ou tarde ou mesmo todo um dia. Existem outras opções.

A preparação para os exames

Muitos exames de laboratório exigem um preparo às vezes longo e incômodo. Eles visam permitir obter condições ideais e padronizadas, dentro das quais os resultados são avaliados. Esses preparos devem ser seguidos corretamente para que você tenha segurança sobre os resultados obtidos. Em alguns casos, os exames se tornam mesmo impossíveis sem o devido preparo.

A internet

Hoje em dia um grande número de pacientes consulta a internet sobre seus sintomas2 e medicações e os compara com o que foi dito ou recomendado pelo médico. No entanto, a informação teórica genérica transmitida pela internet é muito diferente da aplicação casuística dos dados. Se o médico for da sua confiança, as informações dele devem ser predominantes em relação à internet, mesmo que discrepantes delas.

A bula dos remédios

Toda bula de medicação é muito mais extensa e minuciosa que as informações que o médico lhe transmite. Isso tanto porque as bulas trazem informações técnicas que não interessam aos usuários leigos, quanto porque os laboratórios são obrigados a inserir nelas mesmo os efeitos colaterais10 raríssimos e pouco significativos. Até água pode causar intoxicação, mas isso é tão raro que nem se leva em conta. Mas, se fosse medicação, deveria constar na bula!

ABCMED, 2015. Gerencie seu tratamento: você é o principal interessado em manter sua boa saúde. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/809724/gerencie-seu-tratamento-voce-e-o-principal-interessado-em-manter-sua-boa-saude.htm>. Acesso em: 11 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
4 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
5 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
6 Inibidores da monoaminoxidase: Tipo de antidepressivo que inibe a enzima monoaminoxidase (ou MAO), hoje usado geralmente como droga de terceira linha para a depressão devido às restrições dietéticas e ao uso de certos medicamentos que seu uso impõe. Deve ser considerada droga de primeira escolha no tratamento da depressão atípica (com sensibilidade à rejeição) ou agente útil no distúrbio do pânico e na depressão refratária. Pode causar hipotensão ortostática e efeitos simpaticomiméticos tais como taquicardia, suores e tremores. Náusea, insônia (associada à intensa sonolência à tarde) e disfunção sexual são comuns. Os efeitos sobre o sistema nervoso central incluem agitação e psicoses tóxicas. O término da terapia com inibidores da MAO pode estar associado à ansiedade, agitação, desaceleração cognitiva e dor de cabeça, por isso sua retirada deve ser muito gradual e orientada por um médico psiquiatra.
7 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
8 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
9 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
10 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.