Gostou do artigo? Compartilhe!

Método de Busquet: como é? Para que serve? Quem deve fazer e quem não deve?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é o método de Busquet?

O método de Busquet é um método fisioterápico inovador, que permite poporcionar ao paciente um tratamento personalizado, abrangente e coerente para desfazer tensões musculares e torná-lo mais relaxado e confortável. O método foi criado pelos fisioterapeutas franceses Leopold Busquet e Michele Busquet.

Saiba mais sobre "Como é a Fisioterapia1".

Quais são as bases anatômicas e fisiológicas2 do método de Busquet?

O funcionamento do corpo é geneticamente programado, baseado na anatomia e fisiologia3. Chamam-se cadeias fisiológicas2 aos circuitos anatômicos através dos quais se propagam as forças organizadoras do corpo que regulam a postura estática e dinâmica e as compensações dela. Assim, também a coreografia dos movimentos depende dessas cadeias.

Há dois tipos de cadeias fisiológicas2: (1) as cadeias musculares dinâmicas e (2) as cadeias conjuntivas, viscerais e neurovasculares estáticas. Há também dois sistemas de autorregulação e homeostase: (1) o sistema proprioceptivo4 e (2) o sistema nervoso autônomo5.

Um funcionamento saudável depende do bom desempenho dessas cadeias e sistemas, mas elas também podem causar tensões musculares que perturbam o funcionamento do corpo.

Em que consiste o método de Busquet?

O método de Busquet usa, basicamente, a manipulação manual que deve ser adequada às necessidades do paciente, seja ela terapêutica6, preventiva ou relaxante. Deve-se fazer uma avaliação prévia das cadeias musculares estática, de flexão, de extensão, de abertura e de fechamento, visceral e neurovascular.

O método das cadeias fisiológicas2 coloca em evidência os pontos de tensão em diferentes partes do corpo, ao nível de cada uma das cadeias. Ao contrário do Pilates, por exemplo, a primeira preocupação do método de Busquet é com a terapia manual para soltar as tensões e dar liberdade de movimento. Os movimentos, se necessários, vêm depois.

O fisioterapeuta baseia-se na observação dos pontos de tensão em diferentes partes do corpo do paciente e aplica, em seguida, um método de tratamento manual com objetivo de liberar as zonas de tensão, devolver boa mobilidade aos tecidos, melhorar o funcionamento do corpo e buscar uma melhor estática. O método reduz e elimina as sobrecargas corporais acumuladas no dia a dia, produz relaxamento corporal, diminui o estresse e trata as lesões7. Quando as cadeias fisiológicas2 estão livres e equilibradas, a estática é perfeita e os movimentos são fáceis.

O método consiste numa combinação de técnicas de massagens e alongamentos leves e progressivos sem que haja dor. Desfeitas as tensões, as funções corporais normais entram em ação, eliminando tensões estruturais que estejam na base de disfunções, deformações e dores. O tratamento deve sempre respeitar a idade do paciente, do bebê ao adulto. As sessões demoram cerca de 50 minutos, em média, e devem ser realizadas uma vez por semana, com pelo menos 12 sessões.

Leia sobre os benefícios do "Alongamento" e do "Pilates".

Quem deve e quem não deve se submeter ao método de Busquet?

O método de Busquet é aplicável a todos aqueles que sofrem disfunções, deformações e/ou dores musculares. O método permite o tratamento de pacientes desde o nascimento até uma idade bem avançada, mais frequentemente:

  1. Nos recém-natos trata as tensões geradas pelo nascimento.
  2. Nas crianças que apresentam deformações.
  3. Nos desportistas para melhorar a confiabilidade e a performance.
  4. Nas pessoas de idade, com o intuito de prevenir ou atenuar as disfunções físicas, orgânicas, assim como os efeitos da artrose8.

De um modo geral, o método de Busquet não tem contraindicações. No entanto, se há uma doença da base, ela deve ser associadamente tratada pelo médico. Além de ser aplicado para melhorar a postura, reduzir as tensões musculares e melhorar os desempenhos gerais, o método de Busquet pode também ser usado em dores musculares crônicas, dores de cabeça9, fibromialgias, contraturas, estiramentos, tendinites, entre outros estados patológicos. O método de Busquet é superior ao RPG e ao Pilates por ser mais global e completo.

Veja também sobre "Artrose8", "Fibromialgia10" e "Tendinite11".

 

ABCMED, 2016. Método de Busquet: como é? Para que serve? Quem deve fazer e quem não deve?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1280483/metodo-de-busquet-como-e-para-que-serve-quem-deve-fazer-e-quem-nao-deve.htm>. Acesso em: 7 jul. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
2 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
3 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
4 Proprioceptivo: Capaz de receber estímulos provenientes dos músculos, dos tendões e de outros tecidos internos. Diz respeito à orientação dos membros e do corpo no espaço.
5 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
6 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Artrose: Também chamada de osteoartrose ou processo degenerativo articular, resulta de um processo anormal entre a destruição cartilaginosa e a reparação da mesma. Entende-se por cartilagem articular, um tipo especial de tecido que reveste a extremidade de dois ossos justapostos que possuem algum grau de movimentação entre eles, sua função básica é a de diminuir o atrito entre duas superfícies ósseas quando estas executam qualquer tipo de movimento, funcionando como mecanismo de absorção de choque. O estado de hidratação da cartilagem e a integridade da mesma, é fator preponderante para o não desenvolvimento da artrose.
9 Cabeça:
10 Fibromialgia:
11 Tendinite: Inflamação de um tendão. Produz-se em geral como conseqüência de um traumatismo. Existem doenças imunológicas capazes de produzir tendinite entre outras alterações.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Medicina Esportiva?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.