Atalho: 6ZH5APW
Gostou do artigo? Compartilhe!

Silicose: o que é? Quais as causas e os sintomas? Como evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é silicose1?

A silicose1 é uma pneumoconiose2 (doenças pulmonares causadas pelo acúmulo de poeira nos pulmões3) causada pela inalação de partículas de sílica. A sílica (ou óxido de silício) é o principal componente da areia e matéria prima para a fabricação do vidro e do cimento. As consequências da inalação dessa substância (principalmente se muito duradoura), limita muito a capacidade respiratória da pessoa afetada, tanto no que diz respeito à capacidade de oxigenação do sangue4 quanto à expansão pulmonar, com repercussão em outras funções orgânicas, sobretudo cardíaca. A silicose1 é, pois, uma doença profissional e geralmente afeta os mineiros que trabalham em túneis e galerias e todas as demais pessoas expostas ao pó de sílica.

A sílica se deposita nos alvéolos pulmonares5, causando graves danos a eles e levando a uma fibrose6 pulmonar nodular irreversível.

Quais são as causas da silicose1?

A silicose1 é causada pela inalação geralmente crônica de partículas de sílica e leva alguns anos para manifestar sintomas7, os quais são, no entanto, inevitáveis, a menos que a inalação seja precocemente interrompida. A princípio podem aparecer nos pulmões3 pequenas áreas cicatriciais, que são conhecidas como silicose1 nodular simples, as quais posteriormente evoluem para áreas mais extensas de fibrose6 pulmonar.

Quais são os principais sinais8 e sintomas7 da silicose1?

A intoxicação maciça e aguda por sílica pode provocar dificuldades respiratórias, febre9 e cianose10. A silicose1 crônica causa uma fibrose6 progressiva dos alvéolos pulmonares5, o que leva a dificuldades respiratórias e baixa oxigenação do sangue4, provocando tontura11, fraqueza e náuseas12 e, muitas vezes, incapacitando o trabalhador. O coração13 é submetido a um esforço maior que o normal porque tem que trabalhar com mais intensidade para garantir a oxigenação do organismo e disso decorrem consequências sobre esse órgão (insuficiência cardíaca14, por exemplo). Deve-se estar atento para o fato de que a silicose1 favorece o aparecimento da tuberculose15 pulmonar.

Como o médico diagnostica a silicose1?

O diagnóstico16 da silicose1 é feito mediante o histórico clínico e ocupacional do paciente e por meio de exames de imagens do tórax17.

Como o médico trata a silicose1?

Uma vez estabelecida, a silicose1 não tem cura, mas a evolução da doença pode ser detida se a exposição ao pó de sílica for interrompida. Contudo, deve-se tratar sintomaticamente as queixas existentes. As pessoas com dificuldades respiratórias, por exemplo, podem ser aliviadas com dilatadores brônquicos e com medicamentos que procuram eliminar as secreções das vias aéreas. Se houver insuficiência cardíaca14 ou tuberculose15 concomitantes, essas doenças devem ser tratadas com os meios adequados a elas.

Como prevenir a silicose1?

A melhor maneira de prevenir a silicose1 é evitar expor-se ao pó de sílica, mas se isso for de tudo impossível, procure adotar as medidas de segurança do trabalho, adequadas para o caso, já que a silicose1 é uma doença profissional.

Como evolui a silicose1?

A silicose1 pode vir a causar incapacidade para o trabalho.

Os pacientes com silicose1 são mais sujeitos à tuberculose15 e por isso devem ser submetidos a controles periódicos.

Algumas vezes a silicose1 pode causar a morte do paciente, ou por si mesma ou pelas complicações que acarreta.

ABCMED, 2013. Silicose: o que é? Quais as causas e os sintomas? Como evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/354439/silicose-o-que-e-quais-as-causas-e-os-sintomas-como-evitar.htm>. Acesso em: 15 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Silicose: É a formação de cicatrizes permanentes nos pulmões provocada pela inalação do pó de sílica (quartzo). Ocorre em indivíduos que inalaram pó de sílica durante muitos anos. Comum entre os trabalhadores de minas de metais, cortadores de arenito e de granito, operários de fundições e ceramistas. Normalmente, os sintomas manifestam-se somente após vinte a trinta anos de exposição ao pó. No entanto, em ocupações que envolvem a utilização de jatos de areia, a escavação de túneis e a produção de sabões abrasivos, que produzem quantidades elevadas de pó de sílica, os sintomas podem ocorrer em menos de dez anos.
2 Pneumoconiose: Reação fibrosa crônica dos pulmões à inalação de poeiras, marcada especialmente por perda da expansibilidade, fibrose e pigmentação. Ela recebe nomes diversos segundo o tipo de poeira inalada.
3 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Alvéolos Pulmonares: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
6 Fibrose: 1. Aumento das fibras de um tecido. 2. Formação ou desenvolvimento de tecido conjuntivo em determinado órgão ou tecido como parte de um processo de cicatrização ou de degenerescência fibroide.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
10 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
11 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
12 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
14 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
15 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pneumologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.