Atalho: 62WEILQ
Gostou do artigo? Compartilhe!

Gripe suína: entenda a doença, conheça os sintomas e saiba como evitá-la

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é gripe1 suína?

É uma doença respiratória altamente contagiosa2 que atinge porcos, causada pelo vírus3 influenza4 tipo A.  Aproximadamente 1% a 4% dos porcos que desenvolvem esta doença morrem. A morbidade5 tende a ser alta, enquanto a mortalidade6 tende a ser baixa. Ela se espalha entre os porcos por contato direto e indireto, aerossóis e por porcos  contaminados assintomáticos que carregam o vírus3.

Mais comumente, a gripe1 suína é transmitida pelo subtipo H1N1 do vírus3 influenza4 A. Entretanto, existem outros subtipos circulantes entre os porcos como H1N2, H3N1 e H3N2. 

Embora o vírus3 causador da gripe1 suína infecte apenas porcos, algumas vezes ele pode ultrapassar barreiras e causar infecção7 em pessoas.

Casos de gripe1 suína em humanos causados pelo vírus3 influenza4 A subtipo H1N1 foram inicialmente identificados na Califórnia e no Texas em março/abril de 2009. Um número significativo também foi diagnosticado, no mesmo período, no México, começando pela Cidade do México e espalhou para outras regiões deste país. Outros casos foram documentados no Canadá, Europa e Nova Zelândia – principalmente em pessoas que estiveram no México.


As pessoas devem ficar preocupadas com a gripe1 suína?

Quando surge um novo tipo de vírus3 da gripe1 e este adquire a capacidade de ser transmitido de pessoa para pessoa, é necessário fazer uma monitoração para verificar seu potencial de gerar uma pandemia8.

Segundo a Organização Mundial da Saúde9 (OMS), especialistas estão empenhados para conter a disseminação da doença e o alerta sobre uma possível pandemia8 é divulgado pelo site da OMS sempre que necessário para manter a população informada sobre os riscos.

Até o momento, os casos registrados no México estão mostrando uma maior gravidade em relação aos outros países. Existem especulações sobre os motivos desta gravidade do foco no México, mas isso só poderá ser confirmado por análises de laboratório.

A OMS não está recomendando, até a presente data, restrições quanto a viagens ou comércio entre países, mas considera prudente que pessoas que estejam doentes adiem viagens internacionais e pessoas que desenvolvam os sintomas10 durante viagens internacionais procurem assistência médica.


Quais os riscos para a saúde9?

Os sintomas10 são semelhantes aos de uma gripe1 comum e de outras infecções11 do trato respiratório superior, podendo  variar de ausência de sintomas10, sintomatologia leve a grave ou mesmo levar a pneumonias fatais.

A detecção de gripe1 suína em humanos é rara e a menos que os médicos estejam procurando especificamente pelo seu diagnóstico12 ela não será diagnosticada, pois os sintomas10 são os mesmos de uma gripe1 comum.


Como uma pessoa pode se infectar com o vírus3 da gripe1 suína?

Através do contato com porcos infectados (mais comum)
Por contato íntimo com outras pessoas infectadas (menos comum)

Contato íntimo significa ter cuidado de alguém infectado, morar com esta pessoa ou ter tido contato direto com secreções ou fluidos corporais de um caso provável ou confirmado de gripe1 suína causada pelo vírus3 influenza4 A subtipo H1N1.


Posso comer carne de porco ou produtos derivados do porco?

Sim. Apenas é necessário que estes produtos sejam adequadamente manuseados. Cozinhar a carne de porco a 70° C mata o vírus3, desta forma esses produtos são seguros para o consumo.


Onde há porcos infectados?

Como a infecção7 pelo vírus3 da gripe1 suína em porcos não é uma doença internacionalmente notificável, esta resposta não é conhecida. Esta doença em porcos é considerada endêmica nos EUA. Epidemias ocorreram em outras partes da América do Norte, América do Sul, Europa (Reino Unido, Suécia e Itália), África (Quênia) e Ásia (China e Japão).

 

Existe uma vacina13 específica para esta gripe1?

Não há vacina13 específica disponível para  humanos.


A vacina13 atualmente usada contra a gripe1 protege contra a infecção7 pelo vírus3 da gripe1 suína?

Não sabemos. O vírus3 influenza4 está em constante mutação14 e adaptação. Se uma vacina13 é feita, ela é fabricada para cepas15 específicas dos vírus3 mais comuns que estão circulando em um determinado momento.

 

Quais são os sinais16 e sintomas10 da gripe1 suína em humanos?

Eles são muito semelhantes aos de uma gripe1 comum.

  • Dores no corpo
  • Calafrios17
  • Tosse
  • Diarréia18 (menos comum)
  • Dor de garganta19
  • Febre20
  • Cansaço (fadiga21)
  • Vômitos22 (menos comuns)

O diagnóstico12 diferencial precisa de exames laboratoriais específicos para a determinação da presença do vírus3 no organismo.


Há um tratamento específico para esta gripe1?

Existem alguns medicamentos usados no tratamento de outras formas de infecção7 pelo vírus3 influenza4 em humanos que podem ser efetivos para a gripe1 suína, como é o caso do Tamiflu (oseltamivir) e do Relenza (zanamivir). Mas estes medicamentos devem ser usados em estágios iniciais da doença e somente com orientação médica. A OMS não recomenda o uso inadvertido desses medicamentos para a prevenção da doença.

Eles também ajudam a evitar a transmissão do vírus3 de uma pessoa para a outra.

A maioria dos casos prévios desta gripe1 em humanos melhorou completamente sem a necessidade de tratamentos medicamentosos.


O que acontece se eu usar estes medicamentos por conta própria?

A prática da auto-medicação não é recomendada para tratar nenhuma doença. As pessoas devem sempre receber orientações médicas para o uso de remédios.

O uso destes medicamentos para a gripe1 pode levar a efeitos colaterais23 indesejáveis com prejuízos à saúde9, pode dificultar ou atrasar o correto diagnóstico12, além de muitas vezes ser ineficaz no tratamento.


O que posso fazer para me proteger?

  • Fazer a higiene regular das mãos24 e do rosto com água e sabão pode ajudar a evitar infecções11
  • Durma bem
  • Faça exercícios físicos regularmente
  • Tente diminuir o estresse
  • Beba bastante líquido
  • Tenha uma dieta balanceada e saudável
  • Evite tocar em superfícies que possam ter o vírus3 e mantenha limpas as superfícies nas quais você toca
  • Evite o contato com pessoas doentes sempre que possível
  • Não frequente áreas aglomeradas caso haja uma epidemia de gripe1 suína na sua região
  • Ao cuidar de pessoas gripadas, use máscara facial para diminuir o risco de transmissão
  • Procure um médico se apresentar sintomas10 de gripe1
  • Siga as orientações do seu médico.

Fonte: World Health Organization

 

Veja na apresentação "Gripe1 suína" as principais características da doença e saiba como evitá-la:

Gripe1 suína

ABCMED, 2009. Gripe suína: entenda a doença, conheça os sintomas e saiba como evitá-la. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/34653/gripe-suina-entenda-a-doenca-conheca-os-sintomas-e-saiba-como-evita-la.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
2 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
5 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
14 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
15 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
16 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
17 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
18 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
19 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
20 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
21 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
22 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
23 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
24 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

23/03/2016 - Comentário feito por raquel
Uma amiga pediu para que eu pesquisasse um arti...
Uma amiga pediu para que eu pesquisasse um artigo sobre a gripe suína,pois a mesma perdeu uma amiga querida em decorrência da gripe H1N1, li este artigo e gostei muito.

01/08/2013 - Comentário feito por Jose
Re: Gripe suína: entenda a doença, conheça os sintomas e saiba como evitá-la
Infelizmente, meu irmao faleceu no ultimo dia 29/07, sendo sempre diagnosticado como estar tendo apenas uma gripe forte, passou 03 vezes por plantoes em hospitais particulares, mesmo estando com sintomas de gripe, nunca nenhum medico pensou em investigar se era ou nao gripe H1 N1, entao a unica coisa que posso aconselhar é que se tiver algum familiar, parente ou amigo que apresente sintomas de gripe por mais de 10 dias sem melhora é exigir que se faça um exame para ver se esta ou nao com a gripe suina...

16/06/2013 - Comentário feito por camila
Re: Gripe suína: entenda a doença, conheça os sintomas e saiba como evitá-la
adorei me ajudou muito

  • Entrar
  • Assinar