Atalho: 6GY5X35
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é tétano1?

O tétano1 é uma doença infecciosa grave, não contagiosa2, que pode levar à morte. A infecção3 da bactéria4 causadora se dá pela penetração, na pele5 humana, de esporos6 da bactéria4 Clostridium tetani, existentes normalmente nas fezes de animas e de humanos e depositados na terra ou na areia. Esses esporos6 podem penetrar no corpo por ferimentos acidentais, pela cicatriz umbilical7 de recém-nascidos ou por ulcerações8, arranhaduras ou queimaduras pré-existentes na pele5 ou mesmo pela picada de um inseto. Em um ambiente anaeróbico (sem oxigênio), a bactéria4 se desenvolve e passa a produzir duas poderosas toxinas9, uma das quais causa o tétano1.

As pessoas vacinadas contra a doença estão protegidas, mas as que não tiverem sido vacinadas têm um alto risco de desenvolvê-la.

Quais são as causas do tétano1?

O tétano1 é causado por uma toxina10 produzida pela bactéria4 Clostridium tetani. Os esporos6 dessa bactéria4 são encontrados em abundância na natureza. Por isso, em geral, os médicos indicam a aplicação rotineira do soro11 antitetânico nos pacientes que sofrem algum ferimento.

Essa toxina10 tem afinidade pelo sistema nervoso12 e, depois de entrar na corrente sanguínea, vai agir nos centros nervosos, produzindo violentos espasmos13 tônico-clônicos, que podem levar à morte.

Quais são os sinais14 e sintomas15 do tétano1?

O período de incubação16 dos esporos6 no organismo pode variar de 3 a 21 dias, sendo mais comum uma média de 8 dias. Quanto mais afastada do sistema nervoso12 estiver a ferida de entrada, maior será o período de incubação16.

O primeiro sinal17 de tétano1 é o “trismus”, uma contração involuntária18 dos músculos19 das mandíbulas que não permite a abertura da boca20. A ele se seguem o “risus sardônico”, consequência de contraturas involuntárias de músculos19 da face21, uma rigidez do pescoço22, dificuldade de deglutição23, rigidez muscular do abdome24 e, por fim, opistótono25, uma contração muscular generalizada em que o corpo se recurva para trás, arqueando-se como um arco de flecha. O paciente permanece lúcido, sem febre26, sua excessivamente, sofre aumento da pressão arterial27 e taquicardia28. Os espasmos13 maiores duram de três a quatro semanas, mas a recuperação total pode levar meses.

Como o médico diagnostica o tétano1?

O diagnóstico29 do tétano1 é feito clinicamente pela história médica do paciente e pela captação dos sinais14 e sintomas15 característicos da doença.

Como é o tratamento do tétano1?

O tratamento do tétano1 é feito com o doente internado em hospital, de preferência em Unidade de Terapia Intensiva30, para administração de imunoglobulina31 ou soro11 antitetânico, além de antibiótico venoso e limpeza cirúrgica do ferimento. Pode ser necessário o emprego de respiradores artificiais.

O tempo de internação do paciente com tétano1 sempre é longo, durando de três a quinze semanas. Devem ser administrados relaxantes musculares como “curare”, por via intravenosa. Os antibióticos podem ser usados para eliminar as bactérias, mas não têm efeito sobre a toxina10 que elas já tenham produzido. Os depressores do sistema nervoso central32 e os ansiolíticos, como o diazepam, também são usados para reduzir a ansiedade e a resposta espástica aos estímulos.

Como a doença não produz imunidade33, o doente deve receber o esquema vacinal completo contra o tétano1. Devem ser adotados os cuidados gerais determinados pela gravidade de cada paciente.

Como proteger-se contra o tétano1?

A única forma eficaz de evitar a doença é a vacinação. A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que a vacina34 contra tétano1 seja administrada em três doses aos 2, 4 e 6 meses de idade e com mais dois reforços da vacinação aos 15 meses e entre os 4 e 6 anos.

A toxina10 produzida pelo Clostridium tetani atua em doses tão pequenas que causa a doença, mas não produz imunidade33. A mãe não transmite seus anticorpos35 aos filhos.

Ao ter qualquer ferimento ou ferida procure mantê-los inteiramente limpos, tomar logo o soro11 antitetânico e verificar como está a sua vacinação antitetânica.

Como evolui o tétano1?

Quem teve tétano1 uma vez não está isento de tê-lo novamente. Cerca de 30% dos casos são fatais, por asfixia36 devido às contraturas musculares. Esse índice pode chegar a 80% em recém-nascidos e idosos.

As complicações possíveis da doença incluem espasmos13 da laringe37 e das cordas vocais38, de músculos19 do peito39 e do diafragma40, fraturas de ossos longos41, por causa dos espasmos13 violentos e hiperatividade do sistema nervoso autônomo42.

ABCMED, 2012. O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/300940/o-que-e-tetano-existe-tratamento-como-evitar.htm>. Acesso em: 21 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
2 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Esporos: Estruturas unicelulares e uninucleares, resistentes ao calor e à dessecação, capazes de germinar em determinadas condições e reproduzirem assexuadamente o indivíduo que as originou.
7 Cicatriz umbilical: Umbigo.
8 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
9 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
10 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
11 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
12 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
13 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Incubação: 1. Ato ou processo de chocar ovos, natural ou artificialmente. 2. Processo de laboratório, por meio do qual se cultivam microrganismos com o fim de estudar ou facilitar o seu desenvolvimento. 3. Em infectologia, é o período que vai da penetração do agente infeccioso no organismo até o aparecimento dos primeiros sinais da doença.
17 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
18 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
19 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
20 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
21 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
22 Pescoço:
23 Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago; ação ou efeito de deglutir; engolir. É um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
24 Abdome: Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
25 Opistótono: Espasmo em que a coluna vertebral e as extremidades se curvam para diante e o corpo, em arco, fica apoiado sobre a parte de trás da cabeça e os calcanhares. É um espasmo típico do tétano.
26 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
27 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
28 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
29 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
30 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
31 Imunoglobulina: Proteína do soro sanguíneo, sintetizada pelos plasmócitos provenientes dos linfócitos B como reação à entrada de uma substância estranha (antígeno) no organismo; anticorpo.
32 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
33 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
34 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
35 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
36 Asfixia: 1. Dificuldade ou impossibilidade de respirar, que pode levar à anóxia. Ela pode ser causada por estrangulamento, afogamento, inalação de gases tóxicos, obstruções mecânicas ou infecciosas das vias aéreas superiores, etc. 2. No sentido figurado, significa sujeição à tirania; opressão e/ou cobrança de posições morais ou sociais que dão origem à privação de certas liberdades.
37 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
38 Cordas Vocais: Pregas da membrana mucosa localizadas ao longo de cada parede da laringe extendendo-se desde o ângulo entre as lâminas da cartilagem tireóide até o processo vocal cartilagem aritenóide.
39 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
40 Diafragma: 1. Na anatomia geral, é um feixe muscular e tendinoso que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. 2. Qualquer membrana ou placa que divide duas cavidades ou duas partes da mesma cavidade. 3. Em engenharia mecânica, em um veículo automotor, é uma membrana da bomba injetora de combustível. 4. Na física, é qualquer anteparo com um orifício ou fenda, ajustável ou não, que regule o fluxo de uma substância ou de um feixe de radiação. 5. Em ginecologia, é um método contraceptivo formado por uma membrana de material elástico que envolve um anel flexível, usado no fundo da vagina de modo a obstruir o colo do útero. 6. Em um sistema óptico, é uma abertura que controla a seção reta de um feixe luminoso que passa através desta, com a finalidade de regular a intensidade luminosa, reduzir a aberração ou aumentar a profundidade focal.
41 Ossos longos: Exemplo: Fêmur
42 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Infectologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

01/03/2015 - Comentário feito por eemilloeralddoo1445
perfeito
perfeito

10/09/2014 - Comentário feito por gabriela
bom na minha escola esta trabalhando sobre essa...
bom na minha escola esta trabalhando sobre essa doença entao me ajudou muito com essas informaçoes

12/05/2014 - Comentário feito por kleber
esse me ajudou muito obrigado
esse me ajudou muito obrigado

06/05/2014 - Comentário feito por Mariana
Amei me ajudou d + no meu trabalho escolar! Adorei
Amei me ajudou d + no meu trabalho escolar! Adorei

22/04/2014 - Comentário feito por leticia
não me ajudou em droga nem só pio...
não me ajudou em droga nem só pioro a situação

26/08/2013 - Comentário feito por '-'
Re: O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?
'-'

11/08/2013 - Comentário feito por Jose
Re: O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?
A explicação foi perfeita, para um leigo na matéria como eu sou, a explicação foi excelente, agora já posso afirmar com certeza o que o tétano, como identificar e como prevenir.

Obrigado

08/08/2013 - Comentário feito por jessica
Re: O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?
foi muito bem explicado,eu estou fazendo um estudo sobre o tétano e esta muito bom a resposta do que eu queria saber!

18/07/2013 - Comentário feito por kauany
Re: O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?
tetano e uma doenca penetracao na pele e o tratamento tem que ficar enternado e levar vacinacao

13/06/2013 - Comentário feito por elaine
Re: O que é tétano? Existe tratamento? Como evitar?
tetano e uma doença penetraçao na pele e o tratamento tem que ficar enternado e levar vacinaçao

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.