Gostou do artigo? Compartilhe!

Hipercapnia - o que devemos saber para reconhecê-la?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é capnia?

Capnia é a dosagem de dióxido de carbono (CO2) no sangue1. De um modo geral, quando uma pessoa respira, inala oxigênio e exala dióxido de carbono (CO2), mantendo um taxa sanguínea de CO2 constante. A hipercapnia2 é a presença de doses excessivas de CO2 no sangue1.

Quais são as causas da hipercapnia2?

Embora a causa principal da hipercapnia2 seja a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ela também pode ser causada por hipoventilação, overdose de estupefaciente3, dentre outras causas que podem elevar os níveis de CO2 no sangue1: convulsões, overdose de drogas, lesões4 de tronco encefálico5, fraqueza muscular esquelética, asma6 e apneia obstrutiva do sono7.

Qual é o mecanismo fisiológico8 da hipercapnia2?

O dióxido de carbono e o oxigênio são trocados em alvéolos9 dentro do pulmão10 (minúsculos sacos de ar agrupados em forma de cachos de uva, na extremidade dos brônquios11). Se os alvéolos9 são danificados ou destruídos, como acontece em pessoas com DPOC, este processo fica prejudicado, deixando menos superfície para captar oxigênio e eliminar o dióxido de carbono a partir dos pulmões12 para a corrente sanguínea. Isto resulta numa baixa de oxigênio no sangue1 (hipoxemia13) e elevados níveis de dióxido de carbono (hipercapnia2). A respiração curta e rápida ocasiona uma diminuição da eliminação do dióxido de carbono e uma alta concentração de ar retido nas vias aéreas. Um aumento na produção de dióxido de carbono, por esforço excessivo, por exemplo, pode criar uma situação em que a produção de dióxido de carbono é mais alta que o sistema respiratório14 pode eliminar, gerando hipercapnia2. Então, o centro reflexo respiratório estimula uma respiração mais rápida para tentar eliminar este excesso de dióxido de carbono.

Quais são as principais características clínicas da hipercapnia2?

Muitas vezes, a hipercapnia2 fica assintomática e as pessoas que sofrem esse problema podem não percebem que o têm. Se ocorrerem sintomas15, eles podem ser inicialmente sob a forma de dores de cabeça16, incapacidade de pensar e sensação de sonolência. Os sinais17 e sintomas15 da hipercapnia2 grave podem, eventualmente, levar à insuficiência respiratória18 e mesmo à morte e incluem pele19 corada (vermelhidão da pele19), tontura20, respiração rápida, aumento da pressão arterial21, aumento da frequência cardíaca e contrações musculares.

Como o médico diagnostica a hipercapnia2?

O diagnóstico22 da hipercapnia2 pode ser feito por meio de uma gasometria arterial. Ela pode medir a pressão parcial de gás carbônico (pCO2). Os níveis normais variam entre 35 e 45 mmHg. Se a pCO2 estiver menor que 35 mmHg, o paciente está hiperventilado, e se estiver maior que 45 mmHg, o paciente está hipoventilado.

Leia também "Distúrbios hidroeletrolíticos", "Acidose23: o que é importante conhecer?" e "Alcalose24: como ela é?"

Como o médico trata a hipercapnia2?

O tratamento para a hipercapnia2 depende da gravidade do problema e começa com tratar a causa subjacente. Se for impossível tratar a causa subjacente, tratamento adicional pode ser necessário. A ventilação25 não invasiva é feita por meio de uma mistura de ar e oxigênio aplicada por meio de uma máscara facial. A intubação, com posterior ventilação25 mecânica, é feita pela inserção de um tubo especial nas vias aéreas, através da boca26. Esse tubo é então ligado a um ventilador mecânico que assume a respiração ativa para o paciente.

Veja também "Quando a ventilação25 mecânica é necessária? Como ela é? Quais são as possíveis complicações?"

Como evolui a hipercapnia2?

Em alguns casos, a hipercapnia2 se desenvolve lentamente, de modo extremamente leve e a pessoa pode não sentir quaisquer sintomas15. Mas, se não tratada, a hipercapnia2 pode levar à insuficiência respiratória18 e à morte.

ABCMED, 2017. Hipercapnia - o que devemos saber para reconhecê-la?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1284343/hipercapnia-o-que-devemos-saber-para-reconhece-la.htm>. Acesso em: 22 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Hipercapnia: É a presença de doses excessivas de dióxido de carbono no sangue.
3 Estupefaciente: 1. Na medicina, é que ou o que provoca costume e conduz a um estado de privação, podendo levar à toxicomania (diz-se de substância psicotrópica); entorpecente. 2. No sentido figurado, que ou o que provoca grande espanto, assombro.
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Tronco Encefálico: Parte do encéfalo que conecta os hemisférios cerebrais à medula espinhal. É formado por MESENCÉFALO, PONTE e MEDULA OBLONGA.
6 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
7 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
8 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Alvéolos: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
10 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
11 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
12 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
13 Hipoxemia: É a insuficiência de oxigênio no sangue.
14 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Cabeça:
17 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
18 Insuficiência respiratória: Condição clínica na qual o sistema respiratório não consegue manter os valores da pressão arterial de oxigênio (PaO2) e/ou da pressão arterial de gás carbônico (PaCO2) dentro dos limites da normalidade, para determinada demanda metabólica. Como a definição está relacionada à incapacidade do sistema respiratório em manter níveis adequados de oxigenação e gás carbônico, foram estabelecidos, para sua caracterização, pontos de corte na gasometria arterial: PaO2 50 mmHg.
19 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
20 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
21 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
24 Alcalose: Desequilíbrio do meio interno, produzido por uma diminuição na concentração de íons hidrogênio ou aumento da concentração de bases orgânicas nos líquidos corporais.
25 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
26 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Medicina Intensiva?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.