Gostou do artigo? Compartilhe!

Déjà vu: o que é? Como ocorre?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é déjà vu?

O “déjà vu” é a estranha sensação desencadeada num indivíduo que faz com que ele sinta que já presenciara ou estivera naquela mesma específica situação em que se encontra agora pela primeira vez. A expressão é derivada do francês (déjà vu = já visto), mas muitos especialistas estendem o fenômeno e as expressões para além do “visto” e usam titulações paralelas, como "déjà vécus" ("já vivido"), "déjà lu" ("já lido"), "déjà entendu" ("já ouvido"), "déjà visité" ("já visitado"), etc.

Hoje em dia, sabe-se que o déjà vu é uma paramnésia (forma de ilusão da memória) que leva o indivíduo a crer já ter visto ou vivido alguma coisa ou situação de fato desconhecida e nova para si. O termo foi criado pelo cientista francês Emile Boirac, um dos primeiros a estudar o fenômeno, em 1876.

Saiba mais: "Quando a perda de memória não é normal?".

Quais são as causas do déjà vu?

As causas do “déjà vu” ainda não são conhecidas com exatidão. Há várias teorias a respeito, algumas meramente especulativas e até místicas (vida passada, visões sobrenaturais, etc.), outras com pretensas bases científicas. Alguns cientistas acham que o “déjà vu” se deve a algo que desperta no indivíduo uma sensação que ele associa com alguma experiência já vivenciada antes. Alguns acham que o fenômeno tem uma ocorrência mais alta entre pessoas com epilepsia1 do lobo temporal2, mas afirmam que esse tipo de “déjà vu”, embora parecido, é diferente do fenômeno do “déjà vu” comum.

Recentemente, os pesquisadores deixaram de lado algumas dessas teorias e começaram a usar em suas pesquisas a tecnologia de imagens cerebrais, colocando o estudo do “déjà vu” dentro do estudo da memória. Mas, mesmo entre eles, existem divergências profundas. Alguns pesquisadores relatam que quanto mais cansada e estressada estiver a pessoa, maior a probabilidade de ter um déjà vu; outros afirmam justamente o contrário.

Há também relatos de maior ocorrência entre aqueles com renda mais alta, que viajam mais e com alto nível educacional, ou seja, entre pessoas com uma vida mental mais rica. Parece também que a imaginação ativa e a habilidade de recordar sonhos tem a ver com as experiências de “déjà vu”.

Alguns pesquisadores creem que a sensação do “déjà vu” seja disparada por uma ação neuroquímica no cérebro3 e não esteja ligada a nenhuma experiência do passado. Em suas famosas experiências de estimulação elétrica dos lóbulos temporais, em 1955, Penfield (um estudioso da epilepsia1 temporal) encontrou um bom número de experiências de “déjà vu”. A sensação também é comum entre pacientes psiquiátricos.

Leia sobre "Epilepsias" e "Como melhorar sua memória".

Qual é o mecanismo fisiológico4 do déjà vu?

O estudo fisiológico4 do “déjà vu” é dificil porque o fenômeno é de muito pouca duração e ocorre inopinadamente, sem qualquer aviso prévio. Vários experimentos têm sido feitos por psiquiatras e psicólogos tentando reproduzir o fenômeno, mas só conseguindo experiências que se aproximam do “déjà vu” espontâneo, sem ser-lhe exatamente igual.

Essas experiências foram correlacionadas com dados da fisiologia5 cerebral, sempre apontando uma relação com a memória. Como se sabe, mesmo normalmente, a memória pode falhar. Nem sempre se consegue distinguir o que é novo do que já era conhecido: eu já li este livro? Já assisti a este filme? Já estive neste lugar antes? Conheço essa pessoa?

O cérebro3 possui:

  1. Uma memória imediata: capaz, por exemplo, de repetir prontamente um número de telefone que é dito e logo em seguida esquecê-lo.
  2. Uma memória de curto prazo: que dura algumas horas ou dias, mas que pode ser consolidada.
  3. Uma memória de longo prazo: que dura meses ou até anos, usada na aprendizagem de uma língua6, por exemplo.

Parece que o déjà vu ocorre quando há uma falha cerebral e os fatos que estão acontecendo são armazenados diretamente na memória de longo ou médio prazo, sem passar pela memória imediata, o que dá a sensação de o fato já haver ocorrido antes.

Quais são as principais características clínicas do déjà vu?

O “déjà vu” ocorre em cerca de 60% das pessoas, sobretudo entre os 15 e 25 anos de idade. As experiências de “déjà vu” diminuem com a idade, até desaparecerem completamente. Normalmente, uma pessoa pode se sentir um pouco confusa ou indecisa ou mesmo triste por sentir que sua memória já não tem a precisão de quando era mais jovem, mas o sentimento essencialmente associado ao “déjà vu” clássico não é o de confusão ou de dúvida, mas sim o de estranheza.

Uma pessoa não se sente estranha por não lembrar de um livro ou de um filme ou, ao contrário, que alguma cena antiga se manifeste mais fixada à sua memória. Estranho é sentir que uma cena atual lhe pareça já ter ocorrido anteriormente, quando tudo mostra a impossibilidade de que isso tenha de fato ocorrido. O indivíduo tem a sensação esquisita de estar revivendo alguma experiência passada, sabendo que é materialmente impossível que ela tenha algum dia acontecido. Esse fenômeno dura de 10 a 30 segundos e depois desaparece. Ele é bastante frequente em pessoas jovens saudáveis, mas não ocorre a todo mundo, muitas pessoas nunca o experimentam.

Veja também sobre: "Amnésias7" e "Exercite seu cérebro3 todos os dias".

 

ABCMED, 2017. Déjà vu: o que é? Como ocorre?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1309873/deja+vu+o+que+e+como+ocorre.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
2 Lobo temporal:
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
5 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
6 Língua:
7 Amnésias: Perda parcial ou total da memória.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psiquiatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.