Gostou do artigo? Compartilhe!

Pitiríase rósea: conceito, causas, sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento, prevenção, evolução e complicações possíveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é pitiríase rósea?

A pitiríase rósea é uma enfermidade dermatológica eruptiva1, de causa controversa, rara e ligeira, não contagiosa2, de características sazonais, que ocorre principalmente no outono e primavera.

Quais são as causas da pitiríase rósea?

A causa da pitiríase rósea ainda não é clara, embora haja alguns indícios de que a erupção3 pode ser desencadeada por uma infecção4 viral, apesar de não haver evidências de que ela seja contagiosa2, o que não conta ainda com uma comprovação científica definitiva. Além disso, há casos da doença presentes em pessoas de uma mesma família.

Quais são os principais sinais5 e sintomas6 da pitiríase rósea?

Esse tipo de pitiríase parece ser mais comum em pessoas do sexo feminino. Crianças e adolescentes são muito suscetíveis a ela, assim como pessoas de pele7 morena, mas a enfermidade é mais frequente em adultos jovens. Inicialmente, aparece uma placa8 única, autolimitada, de 2 a 5 centímetros de diâmetro, rósea, vermelha ou bronzeada, geralmente no tronco (“medalhão”, na linguagem popular; placa8 heráldica ou placa8-mãe, em termos médicos), ao redor da qual vão surgindo múltiplas placas9 menores, que se distribuem principalmente pelo tronco, braços e coxas10, sendo raras nas extremidades e na face11. Essas manchas róseas, ovais, escamosas e pruriginosas12 duram espontaneamente de quatro a oito semanas e são assintomáticas. O número de lesões13 secundárias varia muito de um paciente para outro. Algumas manchas vão aparecendo aos poucos enquanto outras vão curando-se sozinhas. Quando há sintomas6 prodrômicos14, além dos sinais5 dermatológicos, eles são discretos e inespecíficos e se constituem em febre15, dores de estômago16, de cabeça17 e de articulações18, fadiga19, mal-estar e perda de apetite.

Como o médico diagnostica a pitiríase rósea?

O diagnóstico20 pode ser feito por meio da simples observação das lesões13. O exame de sangue21 ajuda a excluir outras possíveis causas que levam a um quadro clínico semelhante. Uma biópsia22 da lesão23 também pode ser necessária para confirmar o diagnóstico20 e descartar outras doenças.

Como o médico trata a pitiríase rósea?

A pitiríase rósea desaparece espontaneamente no período aproximado de duas a quatro semanas, raramente durando um tempo maior. Poucas medidas são necessárias para acelerar o desaparecimento das lesões13, a recuperação e para aliviar a coceira: medicações antipruriginosas, hidratação da pele7, uso de sabonetes infantis e de roupas preferencialmente de algodão. A luz solar pode ajudar a eliminar a pitiríase. O paciente deve evitar banhos quentes e atividades que causem sudorese24 excessiva, que podem agravar o quadro. A utilização de raios ultravioletas A e B sobre as lesões13 pode ajudar na regressão das manchas. Um corticoide em forma de pomada também pode ser usado.

Como prevenir a pitiríase rósea?

Não há formas conhecidas para se prevenir a pitiríase rósea.

Como evolui a pitiríase rósea?

A pitiríase cura-se espontaneamente no período que varia de quatro a oito semanas, sem deixar cicatrizes25, mas a reincidência26 da doença pode ocorrer, embora isso seja raro.

Quais são as complicações da pitiríase rósea?

A pitiríase rósea não costuma levar a complicações de saúde27, mas pode ocorrer coceira intensa em alguns casos, o que pode levar a infecções28 secundárias.

ABCMED, 2015. Pitiríase rósea: conceito, causas, sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento, prevenção, evolução e complicações possíveis. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/750572/pitiriase-rosea-conceito-causas-sinais-e-sintomas-diagnostico-tratamento-prevencao-evolucao-e-complicacoes-possiveis.htm>. Acesso em: 20 abr. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Eruptiva: Que causa erupção.
2 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
3 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
8 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
9 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
10 Coxas: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
11 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
12 Pruriginosas: Relativas a ou próprias de prurido, que coçam, que causam coceira ou comichão. Em medicina, é o que produz prurido; prurientes, prurígenas.
13 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Prodrômicos: Relativos aos pródromos, ou seja, aos sinais e sintomas iniciais de uma doença.
15 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
16 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
17 Cabeça:
18 Articulações:
19 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
20 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
21 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
22 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
23 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
24 Sudorese: Suor excessivo
25 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
26 Reincidência: 1. Ato ou efeito de reincidir ou repetir. 2. Obstinação, insistência, teimosia.
27 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
28 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.