Gostou do artigo? Compartilhe!

Triquilemomas - o que são? Como diagnosticar e tratar?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são triquilemomas?

O triquilemoma é uma neoplasia1 benigna na pele2, mas sua importância clínica reside na associação com a doença de Cowden (Síndrome3 dos Hamartomas4 Múltiplos) e a necessidade de diferenciar os triquilemomas de outros tumores cutâneos mais agressivos. O triquilemoma foi descrito pela primeira vez em 1962, por Headington e French.

Qual é a causa do triquilemoma?

A causa subjacente do triquilemoma ainda é desconhecida. Devido à sua semelhança histológica5 com uma verruga, alguns investigadores têm sugerido e investigado uma etiologia6 viral. Johnson e colaboradores realizaram análises histológicas7 em dez lesões8 de um paciente com doença de Cowden e não encontraram evidência de uma infecção9 viral. Leonardi e colaboradores fizeram estudos em 25 triquilemomas, não revelando evidências de DNA de papilomavírus humano nas lesões8.

A maioria dos triquilemomas, portanto, parecem representar um tumor10 benigno com diferenciação em relação à bainha folicular exterior da raiz pilosa (triquilema). Stierman et al. foram incapazes de detectar infecção9 pelo HPV ou mista do tipo genital em triquilemomas. Por outro lado, Rohwedder et al. demonstraram, em 11 casos de triquilemomas, exames positivos para o HPV. Esses vírus11 foram também identificados em pacientes com doença de Cowden.

Fatores associados ao aumento da idade podem ser um estímulo oncogênico dos triquilemomas.

Saiba mais sobre "Câncer12 de pele2 não-melanoma13", "Verrugas", "HPV (Papilomavírus humano)" e "Pintas na pele2".

Quais são as principais características clínicas dos triquilemomas?

Clinicamente, os triquilemomas apresentam-se como pápulas14 assintomáticas bem definidas, lisas ou verrucoides. Estas pápulas14, que podem aparecer como lesões8 solitárias ou múltiplas, muitas vezes imitam um carcinoma15 basocelular ou uma verruga e frequentemente são associados com várias outras neoplasias16 (nevus sebáceos, tricoblastoma, adenoma17 sebáceo e syringocystadenoma papilliferum, entre outras).

Geralmente têm cor de carne, com diâmetro de 1-5mm e aparecem principalmente na face18 ou no pescoço19, mas também podem ocorrer nas orelhas20, antebraços, mãos21 ou em qualquer outro lugar, dentro de um nevus sebáceo. À medida que aumentam lentamente, elas quase sempre produzem uma superfície hiperceratótica22 (com excesso de produção de uma proteína chamada queratina) sugestiva de uma verruga.

Como o médico diagnostica os triquilemomas?

O diagnóstico23 dos triquilemomas é basicamente clínico, pela observação visual das lesões8 e pela história médica relatada. Quando múltiplos triquilemomas estão presentes, a doença de Cowden deve ser suspeitada, especialmente se eles são associados a fibromas orais, bócio24, polipose gastrointestinal, doença da tireoide25 ou história familiar de câncer12 de mama26.

Leia sobre "Câncer12 da tireoide25", "Câncer12 de mama26", "Bócio24" e "Polipose adenomatosa familiar".

Não são necessários estudos de imagem para a avaliação de um triquilemoma. No entanto, alguns exames podem ser úteis quando se deseja um estudo para a doença de Cowden: mamografia27, imagens da tireoide25, imagens gastrointestinais superior e inferior, radiografia de tórax28 e radiografias dos ossos longos29, da pelve30 e do crânio31. Por fim, uma biópsia32 de raspagem da pele2 pode ser utilizada para estabelecer o diagnóstico23 de um triquilemoma, mediante achados histológicos33 típicos.

Como o médico trata os triquilemomas?

Como esses tumores são benignos, nenhum tratamento médico é necessário e a questão é principalmente estética. Entretanto, algumas opções de tratamento estão disponíveis, variando da excisão cirúrgica simples à ablação34 por laser de dióxido de carbono.

Uma abordagem padrão é realizar uma biópsia32 de raspagem das lesões8. Este procedimento fornece uma amostra de tecido35 para exame histológico36 e facilita a remoção do crescimento epitelial, produzindo excelente resultado cosmético. No entanto, não elimina a possibilidade de recorrência37.

A excisão ou curetagem38 da lesão39 também são outras opções, mas são menos comumente realizadas devido à natureza benigna desta neoplasia1 e sua localização comum no rosto.

Como evoluem os triquilemomas?

Os triquilemomas são neoplasias16 epiteliais foliculares benignas e, de si mesmos, só estão associados com morbidade40 mínima e nenhuma mortalidade41. A única morbidade40 associada a estes tumores ocorre se eles forem tratados como um carcinoma15 basocelular antes da confirmação histológica5 a ser obtida.

Veja também sobre "Câncer12 de pele2", "Melanoma13" e "Manchas escuras na pele2".

 

ABCMED, 2017. Triquilemomas - o que são? Como diagnosticar e tratar?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1297498/triquilemomas-o-que-sao-como-diagnosticar-e-tratar.htm>. Acesso em: 23 out. 2021.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Hamartomas: Hamartoma é uma malformação congênita de aspecto tumoral, caracterizada por misturas anormais de tecidos próprios do órgão em que se apresenta.
5 Histológica: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
6 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
7 Histológicas: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
8 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
11 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
12 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
13 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
14 Pápulas: Lesões firmes e elevadas, com bordas nítidas e diâmetro que varia de 1 a 5 milímetros (até 1 centímetro, segundo alguns autores).
15 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
16 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
17 Adenoma: Tumor do epitélio glandular de características benignas.
18 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
19 Pescoço:
20 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
21 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
22 Hiperceratótica: Aquilo que se encontra em processo patológico no qual se verifica espessamento da camada córnea da epiderme; encontrado em diversas doenças da pele, por exemplo, na ictiose.
23 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
24 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
25 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
26 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
27 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
28 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
29 Ossos longos: Exemplo: Fêmur
30 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
31 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
32 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
33 Histológicos: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
34 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
35 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
36 Histológico: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
37 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
38 Curetagem: Operação ou cirurgia que consiste em esvaziar o interior de uma cavidade natural ou patológica com o auxílio de uma cureta; raspagem.
39 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
40 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
41 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.