Gostou do artigo? Compartilhe!

Como medir a sua cintura?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

A medida da sua cintura é muitas vezes vista como a melhor forma de verificar o risco de desenvolver uma doença crônica. Medindo a circunferência da sua cintura você pode verificar de maneira simples a quantidade de gordura1 corporal que você tem e onde ela está localizada no seu corpo. O local em que a gordura1 está localizada pode ser um sinal2 importante do seu risco de desenvolver um problema de saúde3.

Independentemente da sua altura ou constituição, para a maioria dos adultos uma medição da cintura superior a 94 centímetros para os homens e superior a 80 centímetros para as mulheres indica o nível de depósito de gordura1 que reveste o coração4, os rins5, o fígado6 e o pâncreas7 e aumenta o risco de doença crônica.

Como medir sua cintura:

 

Medir cintura

  1. Localize o ponto mais alto do osso do seu quadril e a parte inferior das suas costelas8.
  2. Expire normalmente.
  3. Coloque uma fita métrica em torno de sua cintura, ou seja, no local que fica no meio do caminho entre esses dois pontos citados acima.
  4. Verifique a sua medida.

Essa medida da cintura é adequada para ser usada para todas as pessoas?

As medidas de cintura devem ser usadas somente para os adultos para verificar o risco de desenvolver uma doença crônica. As medidas de cintura são recomendadas para homens brancos e mulheres caucasianas e asiáticas. As medidas de cintura ainda estão para ser determinadas para todos os grupos étnicos. Para homens asiáticos, acredita-se que elas possam ser mais baixas, já que eles parecem ser mais susceptíveis ao diabetes mellitus9 e às doenças cardíacas.

ABCMED, 2013. Como medir a sua cintura?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/obesidade/372800/como+medir+a+sua+cintura.htm>. Acesso em: 17 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
2 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
5 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
6 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
7 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
8 Costelas:
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Endocrinologia e Metabologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.