Gostou do artigo? Compartilhe!

É possível menstruar durante a gravidez?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é “menstruação” durante a gravidez1?

O ciclo menstrual normalmente é interrompido durante a gravidez1, mas muitas mulheres podem apresentar sangramentos vaginais no início da gestação, os quais podem ser confundidos com uma menstruação2 normal. Cerca de 20 a 40% das gestantes os apresentam pelo menos uma vez, sobretudo no primeiro trimestre da gravidez1. Há situações médicas raras em que algumas mulheres continuam apresentando um sangramento parecido com uma menstruação2, mesmo estando grávidas. Isso torna difícil estabelecer o tempo correto do início de uma gestação, já que cria uma incerteza quanto ao primeiro dia da última menstruação2, data a partir da qual os médicos normalmente contam o prazo para determinar a data de nascimento do bebê.

As perdas de sangue3 por via vaginal que ocorrem na gravidez1 não podem ser consideradas menstruação2. Estas situações merecem uma avaliação médica porque podem ser um dos sinais4 de aborto ou de outras complicações graves. Mas nem todo sangramento deve ser motivo de desespero, porque muitos deles são inócuos. Os sangramentos que podem ser confundidos com menstruação2 são mais frequentes no primeiro trimestre da gestação, mas podem ocorrer também em qualquer momento da gravidez1 e devem ser avaliados pelo médico, o mais rapidamente possível.

Como distinguir a menstruação2 normal dos sangramentos que podem ocorrer durante a gravidez1?

Os sintomas5 acompanhantes ajudam pouco porque os sintomas5 de uma fase menstrual normal e os de uma gravidez1 inicial podem ser muito parecidos. Esses sangramentos do início da gestação são, contudo, algo diferente da menstruação2, pois a menstruação2 não é uma simples perda de sangue3, mas a eliminação de tecido6 uterino junto a vasos sanguíneos7 e coágulos. Os sangramentos que ocorrem durante a gravidez1 são de coloração vermelho vivo e mais líquidos, já as mensurações são mais escurecidas e aos pedaços. Se persistir alguma dúvida, a questão pode ser resolvida com um teste de gravidez1.

Quais são as causas possíveis de menstruação2 durante a gravidez1?

No primeiro mês de gestação pode ocorrer um leve sangramento devido à implantação do óvulo fertilizado8 na parede do útero9, comumente confundido com a menstruação2 pela data em que acontece, é a nidação10. Até o terceiro mês pode acontecer um sangramento devido ao descolamento do saco gestacional11. Nesse caso, um médico deve ser consultado com urgência12 e o repouso será fundamental para que o saco se fixe novamente, senão poderá ocorrer um aborto. Outra possibilidade de sangramento são as relações sexuais durante a gravidez1. Nesse período, a vagina13 e o colo do útero14 ficam mais sensíveis e podem se traumatizar com mais facilidade. Outros sangramentos podem ocorrer mais tarde, devido a variações hormonais, lesões15 ou feridas na vulva16, vagina13 ou útero9, abortamento17, ameaça de abortamento17, gravidez ectópica18, etc.

Como evolui a “menstruação” durante a gravidez1?

Os sangramentos do início da gravidez1 na maioria das vezes não trazem outros problemas e o parto ocorre normalmente, sem complicações. No entanto, podem ser um primeiro sinal19 de abortamento17. Se os sangramentos forem abundantes, de cor vermelha intensa, com náuseas20 e cólicas21, podem indicar complicações graves, como gravidez ectópica18 ou descolamento de placenta, por exemplo.

Todo sangramento durante a gravidez1 deve ser avaliado pelo obstetra imediatamente.

Quais complicações os sangramentos durante a gravidez1 podem indicar?

Algumas complicações que podem ser indicadas pelo sangramento durante a gravidez1 são: gravidez ectópica18, descolamento ovular, descolamento da placenta, placenta prévia, aborto espontâneo e infecção22 uterina.

ABCMED, 2015. É possível menstruar durante a gravidez?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/gravidez/803564/e+possivel+menstruar+durante+a+gravidez.htm>. Acesso em: 5 dez. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
7 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
8 Óvulo Fertilizado: ÓVULO fecundado, resultante da fusão entre um gameta feminino e um masculino.
9 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
10 Nidação: Implantação.
11 Saco gestacional: O saco gestacional (SG) é a única estrutura disponível dentro do útero que pode ser usada para determinar se existe uma gravidez intrauterina até que o embrião seja identificável à ultrassonografia. Neste exame, o saco gestacional é um espaço anecoico (escuro) rodeado por um aro hiperecoico (branco). Ele pode ser visualizado a partir de quatro semanas pela ultrassonografia transvaginal e a partir de cinco semanas pela via transabdominal. A vesícula vitelina deve ser visualizada quando o SG é maior que 8 mm e o embrião quando o SG é maior que 16 mm (outros autores consideram 11 e 18 mm, respectivamente). O SG deve ser visualizado no interior do útero quando os níveis séricos de Beta HCG são iguais a 1.000 mUI/ml; a vesícula vitelina quando = 7.200 mUI/ml e o embrião, com batimentos cardíacos, quando = 10.800 mUI/ml.
12 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
13 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
14 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
15 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Vulva: Genitália externa da mulher, compreendendo o CLITÓRIS, os lábios, o vestíbulo e suas glândulas.
17 Abortamento: Interrupção precoce da gravidez, espontânea ou induzida, seguida pela expulsão do produto gestacional pelo canal vaginal (Aborto). Pode ser precedido por perdas sangüíneas através da vagina.
18 Gravidez ectópica: Implantação do produto da fecundação fora da cavidade uterina (trompas, peritôneo, etc.).
19 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
20 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
21 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
22 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.