Gostou do artigo? Compartilhe!

Blefaroplastia ou plástica nas pálpebras: o que é? Como é feita? Qual a evolução?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é blefaroplastia1?

A blefaroplastia1 é um tipo de cirurgia plástica que se destina a dar melhor aspecto (um aspecto mais jovem) às pálpebras2, removendo bilateralmente a pele3 descaída delas. À medida que a pessoa envelhece, a pele3 que recobre as pálpebras2, assim como a pele3 de todo o corpo, perde gordura4 e elasticidade5 e torna-se flácida e enrugada. A remoção da pele3 em excesso e a retirada de gordura4 das pálpebras2 tem por fim melhorar a aparência da pessoa.

Quais são as causas da deformidade das pálpebras2?

Em quase todas as pessoas, o envelhecimento ocasiona uma deformidade nas pálpebras2. Fatores genéticos, características familiares e raciais também influem nas alterações da forma das pálpebras2, mesmo em pessoas mais jovens. Além disso, a força da gravidade, o fumo e a radiação solar causam envelhecimento da pele3 e, portanto, das pálpebras2.

Quais são os sinais6 e sintomas7 da deformidade das pálpebras2?

Geralmente aparecem “bolsas de gordura”, tanto nas pálpebras2 inferiores como nas superiores, que fazem as pálpebras2 parecerem “estufadas”, devido à protrusão da gordura4 que normalmente fica em torno do globo ocular8. Em casos mais graves, pode haver diminuição do campo visual9.

Como é feito o tratamento da deformidade das pálpebras2?

A blefaroplastia1 é a cirurgia usada para corrigir as deformidades das pálpebras2. Talvez seja a cirurgia estética mais realizada no mundo. Ela é muito simples, feita em ambulatório e com anestesia10 local. Em cerca de uma hora e meia (blefaroplastia1 total) todo o procedimento é realizado, duração devida mais à sofisticação que à complexidade da técnica.

Na blefaroplastia1 superior, uma dobra horizontal de pele3 é removida, de modo a que a cicatriz11 fique situada ao longo de uma prega natural. Na blefaroplastia1 inferior, a incisão12 é feita abaixo das pestanas13, de modo a que a cicatriz11 fique encoberta pelas mesmas. Após a cirurgia podem ocorrer ardor14, tumefação15 e equimose16 ao redor dos olhos17, que desaparecem normalmente ao fim de alguns poucos dias. As complicações cirúrgicas são raras e quando ocorrem geralmente são discretas e transitórias, como edemas18, hematomas19, conjuntivites20 e equimoses21. Em raríssimas ocasiões podem necessitar novas abordagens cirúrgicas para correção de ectrópio22 ou ptose23 palpebral.

Como evoluem as blefaroplastias?

  • Tão logo desapareçam o edema24 e as equimoses21 (uma semana, em média) a aparência melhora muito e retorna ao normal. O resultado completo vem em cerca de três a seis meses. No primeiro mês, é recomendado que a pessoa use óculos escuros com proteção contra raios ultravioletas.
  • As cicatrizes25 não ficam aparentes, sendo escondidas pelos sulcos da pele3, mas mesmo antes disso podem ser disfarçadas por maquiagem.
  • Compressas frias diminuem a intensidade e reduzem a duração do edema24, devendo ser aplicadas no local de acordo com as recomendações do cirurgião.
  • As pálpebras2 podem apresentar a sensação de estarem secas, apertadas ou doloridas, depois da cirurgia. Se necessitar, use os analgésicos26 prescritos pelo seu cirurgião. Evite o uso de qualquer medicamento por conta própria.
  • Os olhos17 podem arder ou coçar um pouco, em razão do que podem ser recomendados colírios.
  • Nas primeiras semanas pode haver sensibilidade à luz e mudanças temporárias da visão27. Normalmente estas sensações são passageiras e voltam ao normal em algumas semanas.
ABCMED, 2012. Blefaroplastia ou plástica nas pálpebras: o que é? Como é feita? Qual a evolução?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/329325/blefaroplastia-ou-plastica-nas-palpebras-o-que-e-como-e-feita-qual-a-evolucao.htm>. Acesso em: 30 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Blefaroplastia: Cirurgia plástica ou estética para corrigir as deformidades causadas pelo excesso de pele e de bolsas de gordura nas pálpebras superiores e/ou inferiores.
2 Pálpebras:
3 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
4 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
5 Elasticidade: 1. Propriedade de um corpo sofrer deformação, quando submetido à tração, e retornar parcial ou totalmente à forma original. 2. Flexibilidade, agilidade física. 3. Ausência de senso moral.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Globo ocular: O globo ocular recebe este nome por ter a forma de um globo, que por sua vez fica acondicionado dentro de uma cavidade óssea e protegido pelas pálpebras. Ele possui em seu exterior seis músculos, que são responsáveis pelos movimentos oculares, e por três camadas concêntricas aderidas entre si com a função de visão, nutrição e proteção. A camada externa (protetora) é constituída pela córnea e a esclera. A camada média (vascular) é formada pela íris, a coroide e o corpo ciliar. A camada interna (nervosa) é constituída pela retina.
9 Campo visual: É toda a área que é visível com os olhos fixados em determinado ponto.
10 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
11 Cicatriz: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
12 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
13 Pestanas: Pêlos que se projetam a partir das extremidades das pálpebras.
14 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
15 Tumefação: Ato ou efeito de tumefazer-se. Em patologia, significa aumento de volume em algum tecido do corpo; tumor, intumescência, inchação.
16 Equimose: Mancha escura ou azulada devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, a equimose desaparece passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
17 Olhos:
18 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
19 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
20 Conjuntivites: Inflamações da conjuntiva ocular. Podem ser produzidas por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produzem vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
21 Equimoses: Manchas escuras ou azuladas devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, as equimoses desaparecem passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
22 Ectrópio: Reviramento da pálpebra; ectrópion.
23 Ptose: Literalmente significa “queda” e aplica-se em distintas situações para significar uma localização inferior de um órgão ou parte dele (ptose renal, ptose palpebral, etc.).
24 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
25 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
26 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
27 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Cirurgia Plástica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.