Gostou do artigo? Compartilhe!

Você sabe o que é fibrinólise e qual a sua importância?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Considerações sobre a coagulação1 do sangue2

Uma das etapas da coagulação1 do sangue2 é a formação de um coágulo3. Ela se dá por uma sequência de eventos químicos nos quais a fibrina4 desempenha importante papel. A coagulação1 do sangue2 desempenha importante papel hemostático quando o sangue2 extravasa dos vasos, mas também pode ocorrer no interior dos vasos sanguíneos5, podendo obstrui-los ou gerar êmbolos. Em ambos os casos, o coágulo3 precisa ser removido depois de cumprir sua função ou para evitar complicações. O ponto comum entre as duas vias é a conversão do fibrinogênio6 em fibrina4 sob ação da trombina7.

O que é fibrinólise8?

A palavra fibrinólise8 é formada pela junção dos termos fibrina4, nome de uma proteína essencial à formação do coágulo3, e lise9, que significa dissolução. Este é o processo de dissolução progressiva da fibrina4 e assim do coágulo3, que posteriormente à sua formação deve ser dissolvido. O sistema fibrinolítico10 desempenha um importante papel nessa dissolução e na manutenção da integridade dos tecidos implicados. Depois de cumprida sua função, a fibrina4 deve ser dissolvida por meio da ativação do mecanismo fibrinolítico. Normalmente, ela é degradada pela plasmina, levando à produção de fragmentos11 circulantes que são depois degradados por outras enzimas ou eliminados pelos rins12 e pelo fígado13. Graças a este mecanismo, procede-se à eliminação dos resíduos da fibrina4 da circulação14 sanguínea, dissolvendo eventuais coágulos no interior dos vasos sanguíneos5 que poderiam obstrui-los ou gerar êmbolos que poderiam obstruir vasos à distância.

Quais são as funções da fibrinólise8?

O sistema fibrinolítico10 faz a destruição dos coágulos intravasculares15 ou intracardíacos sem, no entanto, provocar hemorragias16 através da dissolução dos coágulos hemostáticos. Nesses casos, a fibrinólise8 protege o organismo contra os riscos de uma trombose17 ou de uma embolia18, que poderiam obstruir uma artéria19, causando, entre outras coisas, infarto do miocárdio20, embolia18 pulmonar ou acidente vascular cerebral21, todas essas são condições potencialmente mortais. O processo da fibrinólise8 corresponde à recanalização dos vasos sanguíneos5 obstruídos.

Como se processa a fibrinólise8?

Normalmente o sangue2 é líquido e flui livremente no interior dos vasos sanguíneos5, mas pode se solidificar formando coágulos que aderem às paredes dos vasos ou que servem para estancar os sangramentos. Quando ocorre algum ferimento que sangra, imediatamente é ativado um sistema que solidifica o sangue2 e impede que ocorra uma hemorragia22 grave. Nesses processos a fibrina4 joga um importante papel. Para que o coágulo3 assim formado não fique muito grande, ocorre a ativação concomitante do sistema fibrinolítico10, que dissolve a fibrina4 e desfaz o coágulo3. Existe uma proteína inativa de origem hepática23, o plasminogênio, que quando ativada por um dos fatores da coagulação1 em plasmina é capaz de degradar a fibrina4 em produtos mais elementares. O processo de coagulação1 e o sistema fibrinolítico10 ficam sendo permanentemente ativados e desativados, fazendo que o sangue2 continue líquido.

Quais são as principais anomalias da fibrinólise8?

A fibrinólise8 está alterada nas enfermidades que afetam a coagulação1, como nas doenças hepáticas24, na leucemia25 aguda, na menigococcemia e na febre26 purpúrica brasileira, por exemplo. A deposição excessiva de fibrina4, com a formação de coágulos, pode levar à oclusão dos vasos, com comprometimento da irrigação sanguínea de diversos órgãos, como coração27, cérebro28 e pulmões29, contribuindo para a falência desses órgãos. A insuficiência30 da produção de fibrina4, por seu turno, pode levar a hemorragias16 graves, nos casos de sangramentos.

Como o médico usa terapeuticamente a fibrinólise8?

O aumento da fibrinólise8 induzida por medicamentos pode ser utilizado para prevenir ou para tratar determinadas doenças como embolias pulmonares e infartos do miocárdio31, por exemplo.

Como o médico trata a fibrinólise8?

Os distúrbios da fibrinólise8 são sempre secundários a uma doença de base, a qual deve ser adequadamente tratada.

ABCMED, 2014. Você sabe o que é fibrinólise e qual a sua importância?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/540387/voce+sabe+o+que+e+fibrinolise+e+qual+a+sua+importancia.htm>. Acesso em: 10 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
4 Fibrina: Proteína formada no plasma a partir da ação da trombina sobre o fibrinogênio. Ela é o principal componente dos coágulos sanguíneos.
5 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
6 Fibrinogênio: Proteína plasmática precursora da fibrina (que dá origem à fibrina) e que participa da coagulação sanguínea.
7 Trombina: Enzima presente no plasma. Ela catalisa a conversão do fibrinogênio em fibrina, participando do processo de coagulação sanguínea.
8 Fibrinólise: Processo de dissolução progressiva da fibrina e assim do coágulo, que posteriormente à sua formação deve ser dissolvido.
9 Lise: 1. Em medicina, é o declínio gradual dos sintomas de uma moléstia, especialmente de doenças agudas. Por exemplo, queda gradual de febre. 2. Afrouxamento, deslocamento, destruição de aderências de um órgão. 3. Em biologia, desintegração ou dissolução de elementos orgânicos (tecidos, células, bactérias, microrganismos) por agentes físicos, químicos ou enzimáticos.
10 Sistema fibrinolítico: Ele está relacionado à formação e ação da plasmina, e é uma das diferentes vias proteolíticas que estão envolvidas no processo de ativação da coagulação sanguínea e no dos sistemas complemento e calicreína/cinina. Além de remover a fibrina da parede vascular, desempenha papel importante n a reconstituição do tecido, na transformação neoplásica, na função macrofágica, na ovulação, na implantação do embrião etc. Ainda existem sistemas fibrinolíticos alternativos como, por exemplo, a ação da elastase, uma enzima proteolítica contida em granulócitos que é capaz de quebrar uma variedade de substratos, incluindo o fibrinogênio e os fatores da coagulação.
11 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
12 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
13 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
14 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
15 Intravasculares: Relativos ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situam ou ocorrem.
16 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
17 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
18 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
19 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
20 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
21 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
22 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
23 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
24 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
25 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
26 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
27 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
28 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
29 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
30 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
31 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia E Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.