Gostou do artigo? Compartilhe!

Grupos sanguíneos: quais são? Como são a compatibilidade e a incompatibilidade entre sangues de tipos diferentes?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são grupos sanguíneos?

Até fins do século XIX ainda não se sabia porque alguns doentes morriam após uma transfusão1 de sangue2, enquanto outros não. No início do século XX (1900 - 1901) o cientista austríaco Karl Landsteiner demonstrou que nem todos os sangues são bioquimicamente iguais, há diferenças entre o sangue2 de diversos indivíduos. Ele verificou que certos tipos de sangue2 provocavam uma aglutinação ou hemólise3 (dissolução) das hemácias4 dos sangues que recebiam a transfusão1, enquanto outros tipos não o faziam. Continuando suas pesquisas, verificou que algumas hemácias4 possuem certos tipos de antígenos5 aderidos a suas superfícies, os quais atraem anticorpos6 específicos que as destrói. (Antígenos5 são substâncias que o organismo entende como ”invasoras” e anticorpos6 são proteínas7 encontradas no plasma sanguíneo8 que têm a função de neutralizar ou destruir essas substâncias). A isso se deviam as mortes ou não, observadas após algumas transfusões. Ele descobriu dois tipos de antígenos5 carregados pelas hemácias4, gerando tipos distintos de sangue2, a que ele denominou A e B. Ao sangue2 cujas hemácias4 não carregavam nenhum antígeno9 Landsteiner denominou “zero”, cuja grafia acabou sendo conhecida como sangue2 tipo O. Cada tipo sanguíneo carrega anticorpos6 contra antígenos5 que o indivíduo NÃO possui e, assim, não lhe causa problemas. É comum usar-se os termos aglutininas para se referir aos anticorpos6 e aglutinógenos para se referir os antígenos5. Em 1930, Landsteiner ganhou o Prêmio Nobel de Medicina por essa descoberta.

Assim, reconheceu os seguintes tipos sanguíneos:

  • Sangue2 tipo A, cujas hemácias4 possuem o antígeno9 A e não podem, por isso, possuir o anticorpo10 A, embora possuam o anticorpo10 anti-B.
  • Sangue2 tipo B, cujas hemácias4 possuem o antígeno9 B e não podem, por isso, possuir o anticorpo10 B, embora possuam o anticorpo10 anti-A.
  • Sangue2 tipo AB, cujas hemácias4 possuem os antígenos5 A e B e não podem, por isso, possuir anticorpos6anti-A nem anti-B.
  • Sangue2 tipo O, cujas hemácias4 não possuem antígenos5 e podem, pois possuir anticorpos6 anti-A ou anti-B.

Os tipos sanguíneos do sistema ABO de classificação são transmitidos geneticamente e determinados por dois alelos11, um deles recebido do pai e o outro da mãe, podendo cada um ser dominante e outro recessivo. Isso determina o tipo de sangue2 herdado pelo filho, segundo esse método classificatório.

Outro fator antigênico12 importante, independente e diferente do sistema ABO, que também tipifica o sangue2, foi isolado no macaco Rhesus, denominado fator Rh e marcado com os sinais13 positivo (+) ou negativo (-), conforme esteja ou não presente nos humanos. Assim, uma pessoa que tenha o antígeno9 Rh, NÃO POSSUI anticorpos6 anti-Rh; e uma pessoa Rh negativa POSSUI anticorpos6 anti-Rh. Sendo assim, pessoas Rh + podem receber transfusões de outras Rh + ou Rh -. Já os portadores de Rh - só podem receber transfusão1 do seu tipo, caso contrário haverá risco de aglutinação sanguínea e hemólise3, pois haverá sensibilização e formação de anticorpos6 anti-Rh.

Os sistemas ABO e Rh são os dois principais sistemas relacionados aos temidos problemas com as transfusões. A associação desses dois sistemas criou os tipos sanguíneos A+, A-, B+, B-, AB+, AB-, O+ e O-, em que as notações positivo (+) ou negativo (-) indicam a presença ou não do antígeno9 Rh, os quais são os principais tipos tomados em consideração quando se trata de transfusão1 de sangue2.

Na população mundial a grande maioria das pessoas pertence aos grupos A+ e O+ e uma menor percentagem é dividida nos outros tipos. Em geral, se os indivíduos Rh- não possuem aglutininas anti-Rh, mas se receberem sangue2 Rh positivo, passam a produzi-las e elas então danificarão as hemácias4. Como a produção dessas aglutininas ocorre de forma relativamente lenta, na primeira transfusão1 de sangue2 de um doador Rh+ para um receptor Rh-, geralmente não haverá grandes problemas, mas, numa segunda transfusão1 poderá haver considerável aglutinação das hemácias4 doadas. O mesmo acontece na gestação, se o filho for Rh+ e a mãe Rh-. A Doença Hemolítica do Recém-nascido14 é uma complicação gerada por essa incompatibilidade sanguínea geralmente (mas nem sempre) causada por pelo fator Rh+ do pai e da criança e o Rh- da mãe. Os antígenos5 do filho podem atingir a mãe, através da placenta e ela passa então a fabricar anticorpos6 anti-Rh que atingirão a criança. Como esse processo é lento, é possível não haver problemas no primeiro nascimento, mas já a partir do segundo podem ser necessárias algumas intervenções médicas para evitar problemas graves.

A determinação do grupo sanguíneo de uma pessoa não só tem várias aplicações na medicina, como ajuda a antropologia15 no estudo das diversas raças e suas inter-relações evolutivas e a medicina legal a determinar, por exemplo, o tipo sanguíneo de um criminoso a partir de material colhido na cena do crime. Além disso, dá uma ajuda relativa na determinação de paternidade, porque a análise dos tipos sanguíneos do pai e do filho permite afirmar que tal indivíduo NÃO É o pai de tal filho embora não permita, no sentido contrário, afirmar que tal indivíduo É o pai de tal filho.

Como se transmitem os grupos sanguíneos?

Os grupos sanguíneos são transmitidos geneticamente, por genes dominantes e recessivos, segundo métodos complicados, só dominados pelos especialistas no assunto. Eis algumas das múltiplas possiblidades, a título de exemplos: se mãe e pai são do tipo A, com dois genes dominantes para o tipo A, o descendente obrigatoriamente será também do tipo A. Se um dos genitores for do tipo A, também com dois genes dominantes para o tipo A, e o outro for do tipo O, ainda assim o descendente será do tipo A. O mesmo acontece com o tipo B, se tiver dois genes dominantes para o tipo B. Finalmente, se o descendente for filho de pais (mãe e pai) do tipo O, terá necessariamente o tipo O.

Compatibilidade e incompatibilidade dos grupos sanguíneos

Para realizar-se uma transfusão1 de sangue2 é necessário que se conheça o tipo sanguíneo ABO e Rh do receptor e do doador, uma vez que em casos de incompatibilidade pode haver aglutinação ou hemólise3 do sangue2, podendo levar à morte. Mas como há outros fatores que influenciam nas transfusões, um teste de compatibilidade sanguínea é sempre recomendável antes de qualquer transfusão1. Por exemplo, associando a classificação ABO com o fator Rh, temos os oito tipos de sangue2 citados: A+, A-, B+, B-, AB+, AB-, O+ e O-. Os tipos Rh+ não devem doar para tipos Rh-. Destes, apenas o tipo O- é um doador universal, isto é, pode doar para pessoas de qualquer outro tipo sanguíneo e só os tipos AB+ podem receber sangue2 de quaisquer outros tipos sanguíneos. Devido à combinação dos diversos tipos de antígenos5 e anticorpos6 tem-se o seguinte quadro, segundo a Fundação Pró-Sangue2 de São Paulo:

Tipo sanguíneo: Pode receber sangue2 de indivíduos: Pode doar sangue2 para indivíduos:
A+ A+, A-, O+ e O- A+ e AB+
A- A- e O- A+, A-, AB+ e AB-
B+ B+, B-, O+ e O- B+ e AB+
B- B- e O- B+, B-, AB+ e AB-
AB+ A+, A-, B+, B-, AB+, AB-, O+ e O- AB+
AB- A-, B-, AB- e O- AB+ e AB-
O+ O+ e O- A+, B+, AB+ e O+
O- O- A+, A-, B+, B-, AB+, AB-, O+ e O-

Se a transfusão1 for incompatível, o sangue2 do doador será aglutinado pelo do receptor e poderá causar obstruções de vasos sanguíneos16. Por outro lado, os glóbulos brancos do receptor destroem as hemácias4 do doador que seriam reconhecidas pelas células17 de defesa como “invasoras”. Preferentemente, a transfusão1 deve ser feita com os sangues do doador e do receptor tendo a mesma tipagem ABO e Rh, só se usando grupos compatíveis diferentes se isso não for possível. 

ABCMED, 2014. Grupos sanguíneos: quais são? Como são a compatibilidade e a incompatibilidade entre sangues de tipos diferentes?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/529659/grupos-sanguineos-quais-sao-como-sao-a-compatibilidade-e-a-incompatibilidade-entre-sangues-de-tipos-diferentes.htm>. Acesso em: 21 out. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.
4 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
5 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
6 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
7 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
8 Plasma Sanguíneo: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
9 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
10 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
11 Alelos: 1. Que ocupa os mesmos loci (locais) nos cromossomos (diz-se de gene). 2. Em genética, é cada uma das formas que um gene pode apresentar e que determina características diferentes.
12 Antigênico: 1. Relativo a ou próprio de antígeno, que é uma substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo. 2. Que possui antigenicidade.
13 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
14 Doença hemolítica do recém-nascido: Doença hemolítica do recém-nascido (DHRN), também conhecida como eritroblastose fetal, é uma patologia causada pela incompatibilidade entre o fator Rh da mãe e o do fator Rh do feto.
15 Antropologia: Ciência que estuda o homem no sentido mais amplo. Ela engloba origem, evolução, desenvolvimentos físico, material e cultural, fisiologia, psicologia, características raciais, costumes sociais, crenças etc.
16 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
17 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Hematologia e Hemoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.