Gostou do artigo? Compartilhe!

Desvio de septo nasal: causas, manifestações, como corrigir, quais as possíveis complicações da cirurgia de correção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é desvio de septo nasal1?

O septo nasal1 é a parede que separa as duas narinas. Normalmente, se localiza na posição medial do nariz2, separando-o em duas cavidades iguais. Fala-se que o septo está desviado se ele tem um formato anormal, tornando desiguais as duas cavidades e se localizando fora da linha medial do rosto. Em alguns casos, isso pode causar dificuldades respiratórias e em geral favorece o aparecimento de patologias nasais, sobretudo inflamatórias ou infecciosas.

Quais são as causas do desvio de septo nasal1?

Alguns desvios de septo nasal1 são congênitos3 e estão presentes desde o nascimento; outros são adquiridos, muitas vezes, após traumatismos do nariz2.

Quais são as manifestações do desvio de septo nasal1?

As manifestações mais importantes do desvio do septo nasal1 são:

Além disso, os desvios do septo nasal1 podem interferir na fisiologia6 da respiração, prejudicando a sua qualidade.

Desvio de sépto

Como corrigir o desvio do septo nasal1?

O desvio de septo nasal1 pode ser tratado por meio de uma septoplastia, um tipo de cirurgia corretiva. De preferência, essa cirurgia deve ser feita no final da adolescência, quando o nariz2 já terminou seu crescimento, mas se o distúrbio causar grande incômodo ou representar um sério transtorno, ela pode ser realizada mesmo na infância, embora, feita nesta fase, o desvio possa retornar. Ela pode ser realizada isoladamente ou ser combinada com outras técnicas para corrigir problemas nasais que costumam acontecer juntamente com os desvios de septo (turbinectomias, rinoplastias, sinusectomias). Trata-se de uma cirurgia que habitualmente é realizada em um hospital, sob anestesia7 geral. O procedimento não complicado demora cerca de uma hora e o paciente pode ter alta no mesmo dia ou, no máximo, no dia seguinte.

Muitos pacientes usam um descongestionante nasal para aliviar o sintoma8 de entupimento no nariz2, mas essas medicações criam uma espécie de “vício nasal” e o nariz2 passa a só funcionar bem com elas.

Quais são as possíveis complicações da cirurgia de correção do septo nasal1?

Aqui se trata como "complicações" as evoluções pós-operatórias desagradáveis, mas não inesperadas, algumas delas motivadas por fatores incontroláveis, como o tipo de cicatrização do paciente, suas tendências genéticas a reações físicas ou psíquicas, etc.

As complicações mais comuns da septoplastia são: infecções9, sangramento nasal, perfuração de septo e diminuição do olfato. Atualmente, essas “complicações” são muito raras, graças à adoção de medidas profiláticas.

E se o desvio do septo nasal1 não for corrigido?

Em alguns casos pode haver dificuldade para respirar, por uma ou por ambas as narinas.

O desvio do septo nasal1 não corrigido cria predisposição para muitas patologias nasais, como sinusites, respiração bucal, cansaço, dificuldade para dormir bem, roncos e babação noturna.

E depois da cirurgia de correção do septo nasal1?

  • Pode acontecer, após a cirurgia, o retorno do desvio à sua posição pré-operatória, sobretudo se ela foi feita em uma idade precoce.
  • Deve-se tomar uma medicação antibiótica para evitar infecção10.
  • Deve-se lavar delicadamente o nariz2 por dentro, para evitar a formação de crostas e aderências.
  • Retornar à consulta para revisão, sempre que o seu médico recomendar.
  • A recuperação completa após a rinoplastia11 dura uma semana, em média.
ABCMED, 2013. Desvio de septo nasal: causas, manifestações, como corrigir, quais as possíveis complicações da cirurgia de correção. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/360949/desvio-de-septo-nasal-causas-manifestacoes-como-corrigir-quais-as-possiveis-complicacoes-da-cirurgia-de-correcao.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Septo Nasal: A divisão que separa as duas cavidades nasais no plano medial, composta de cartilagens, membranas e partes ósseas.
2 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
3 Congênitos: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
4 Cabeça:
5 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
6 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
7 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
8 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Rinoplastia: Cirugia plástica ou estética para correção ou remodelagem do nariz.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Otorrinolaringologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

27/04/2014 - Comentário feito por Gilson
Eu fiz essa cirugia com idade de 60 anos; confe...
Eu fiz essa cirugia com idade de 60 anos; confesso que nos primeiros 2 (dois) dias após a operação, senti muita falta de ar e sangramento pelo nariz, mas isso faz parte do procedimento pós operatório, e depois voltei a respirar normal.

08/10/2013 - Comentário feito por suely
Re: Desvio de septo nasal: causas, manifestações, como corrigir, quais as possíveis complicações da cirurgia de correção
eu, tenho que fazer essa cirugia mas estou co medo ja esta ate marcada para dia 14 de outubro.

  • Entrar
  • Assinar