Atalho: 6GG3FFU
Gostou do artigo? Compartilhe!

Picada de cobra. E agora, o que fazer?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que fazer em caso de picada de cobra?

A primeira coisa a fazer em caso de uma picada de cobra é identificar a serpente. Embora a picada de cobra possa ser fatal, existem soros muito eficientes que podem evitar esse desfecho, sobretudo se a cobra puder ser identificada.

Segundo o Instituto Butantan, há quatro tipos de acidentes peçonhentos com cobras:

  • Acidente botrópico (causado por serpentes do grupo das jararacas): causa dor e inchaço1 no local da picada, às vezes com manchas arroxeadas e sangramento pelos orifícios da picada; sangramentos nas gengivas, pele2 e urina3. Pode evoluir com complicações como infecção4 e necrose5 na região da picada e insuficiência renal6.
  • Acidente laquético (causado por surucucu): quadro semelhante ao acidente botrópico, acompanhado de vômitos7, diarreia8 e queda da pressão arterial9.
  • Acidente crotálico (causado por cascavel): sensação de formigamento no local da picada, sem lesão10 evidente; dificuldade de manter os olhos11 abertos, com aspecto sonolento, visão12 turva ou dupla, dores musculares generalizadas e urina3 escura.
  • Acidente elapídico (causado por coral verdadeira): no local da picada não se observa alteração importante; as manifestações do envenenamento caracterizam-se por visão12 borrada ou dupla, pálpebras13 caídas e aspecto sonolento.

Quais são as diferenças entre cobras venenosas e não venenosas?

As diferenças servem como um guia geral, mas comportam muitas exceções. Consideram-se alguns fatores:

  • As cobras venenosas têm aneis coloridos completos pretos, brancos, vermelhos ou amarelos.
  • As cobras venenosas têm cabeça14 triangular, bem destacada do corpo e coberta pelas mesmas escamas do corpo. As cobras não venenosas têm cabeça14 arredondada e coberta por placas15.
  • As cobras venenosas têm cauda curta, que se afila bruscamente; as cobras não venenosas têm cauda longa, que se afila gradualmente.
  • As cobras venenosas têm presas na parte anterior da boca16. As cobras não venenosas têm dentes serrilhados.
  • As cobras venenosas têm olhos11 grandes e pupilas como fendas verticais. As não venenosas têm olhos11 pequenos e pupilas arredondadas.
  • As cobras venenosas têm um pequeno orifício entre os olhos11 e as narinas, a chamada fosseta loreal; as não venenosas não têm. Com exceção da cobra coral, que não tem fosseta loreal, mas é venenosa.
  • As escamas das cobras venenosas são alongadas e pontudas, dando ao tato uma sensação de aspereza. As outras têm escamas miúdas e dão, ao tato, um aspecto liso e escorregadio.
  • As cobras venenosas têm hábitos noturnos (embora também possam ser avistadas de dia).
  • As serpentes inofensivas fogem quando ameaçadas; as peçonhentas não e assumem atitude de ataque (elas se enrolam e armam o bote).

Quais são os primeiros socorros a serem prestados a uma pessoa que foi picada por uma cobra?

Como a picada de cobra acontece habitualmente em lugares distantes do ponto de socorro médico, os primeiros socorros têm de ser prestados por uma pessoa leiga, que deve:

  • Lavar o local da picada apenas com água ou com água e sabão.
  • Manter o paciente deitado.
  • Manter o paciente hidratado, dando pequenos goles de água a ele.
  • Procurar o serviço médico mais próximo, o mais rápido possível.
  • Se possível, levar o animal para identificação.
  • Retirar aneis, pulseiras, sapatos ou outros adereços apertados, porque logo ocorrerá o edema17 (inchaço1).

O que não deve ser feito?

  • Não fazer torniquete ou garrote.
  • Não cortar o local da picada, nem perfurar ao redor do local da picada.
  • Não colocar folhas, pó de café ou outros contaminantes na ferida.
  • Não oferecer bebidas alcoólicas, querosene ou outros tóxicos à vítima.

Como é o tratamento?

A única terapia efetiva é o soro18 antiofídico. O soro18 deve começar a ser aplicado, de preferência, na primeira meia hora depois do acidente.

Existem vários tipos de soros antiofídicos, um para cada tipo de cobra, mas se a cobra causadora do acidente não puder ser identificada deve-se usar o soro18 polivalente.

Os soros utilizados em nosso meio são os seguintes:

  • Cobra desconhecida = soro18 antiofídico polivalente.
  • Jararaca = soro18 antibotrópico.
  • Cascavel = soro18 anticrotálico.
  • Surucucu = soro18 anti-laquético.
  • Coral verdadeira = soro18 antielapídico.

Em áreas em que as cobras são comuns, deve-se ter sempre à mão19 o soro18 polivalente, devido à sua maior aplicabilidade. Os soros antipeçonhentos são produzidos no Brasil pelo Instituto Butantan (São Paulo), Fundação Ezequiel Dias (Minas Gerais) e Instituto Vital Brazil (Rio de Janeiro). Toda a produção é comprada pelo Ministério da Saúde20 que distribui para todo o país, por meio das Secretarias de Estado de Saúde20. Assim, o soro18 está disponível em serviços de saúde20 e é oferecido gratuitamente aos acidentados.

Tratamento de suporte ou sintomático21 também pode auxiliar, dependendo do caso.

Como evitar as picadas de cobras?

  • Uma cobra só ataca quando agredida. Em caso de ver-se próximo a uma cobra, mantenha-se imóvel até ficar fora do alcance dela.
  • Mantenha a grama22 aparada, os arbustos limpos e não deixe galhos amontoados.
  • Use uma vara para mexer em montes de entulhos ou madeiras.
  • Onde há ratos, há cobras. Limpe paióis e terreiros, sem deixar o lixo acumular. Feche buracos e frestas de portas.
  • Use botas, calças compridas e luvas de couro em áreas infestadas.
  • O uso de botas de cano alto ou perneira de couro, botinas e sapatos evita cerca de 80% dos acidentes.
  • Cerca de 15% das picadas atinge mãos23 ou antebraços. Use luvas de couro para manipular folhas secas, montes de lixo, lenha, palhas, etc. Não coloque as mãos23 ou os pés em buracos.
  • Cobras gostam de se abrigar em locais quentes, escuros e úmidos. Cuidado ao mexer em pilhas de lenha, palhadas de feijão, milho ou cana. Cuidado ao revirar cupinzeiros.
  • Não mexa em cobras, mesmo que estejam mortas. Ainda assim, elas podem injetar veneno.
ABCMED, 2012. Picada de cobra. E agora, o que fazer?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/299395/picada+de+cobra+e+agora+o+que+fazer.htm>. Acesso em: 12 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Inchaço: Inchação, edema.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
6 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
7 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
8 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
9 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
10 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Olhos:
12 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
13 Pálpebras:
14 Cabeça:
15 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
16 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
17 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
18 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
19 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
20 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
21 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
22 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
23 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

11/02/2015 - Comentário feito por Maria
Depois de muitos anos após a picada de c...
Depois de muitos anos após a picada de cascavel é possivel que apareça alguma sequela na pessoa devido a picada?

06/02/2015 - Comentário feito por RAFAEL
TENHO UM SÍTIO NO INTERIOR DE SÃO...
TENHO UM SÍTIO NO INTERIOR DE SÃO PAULO, LÁ EXISTEM MUITAS COBRAS CAPITÃO DO MATO E A MAIORIA MEDEM CERCA DE 2 METROS, ESSA COBRA JÁ MATOU MUITA GENTE E ANIMAIS POR LÁ, GOSTARIA DE SABER QUAL O SORO ANTIOFÍDICO EXATO PARA PICADAS DESSA COBRA E DE QUAL FAMÍLIA ELA PERTENCE (JARARACA, CASCAVEL, SURUCUCU) ?

29/12/2014 - Comentário feito por david
OK, estou grato pela informação. o portal está ...
OK, estou grato pela informação.
o portal está explícito e com informações precisas, valeu Irmãos

23/05/2014 - Comentário feito por daniele
Ótimo artigo...agora já sei como ...
Ótimo artigo...agora já sei como agir e o que fazer caso cruzar com uma cobra.

26/01/2014 - Comentário feito por samara
Re: Picada de cobra. E agora, o que fazer?
eu fui picada pela cobra jararaca mas agora estou agradecida obrigada eu estava entre a cruz e a espada obrigada pai do ceu

01/11/2013 - Comentário feito por wagner
Re: Picada de cobra. E agora, o que fazer?
bacana demais.esse soro polivalente encontra em farmacias pra comprar?

26/09/2013 - Comentário feito por Drika'h
Re: Picada de cobra. E agora, o que fazer?
É muito interesante , mais eu acho que poderia ter mais assuntos algumas coisas ta

07/09/2013 - Comentário feito por Eduarda
Re: Picada de cobra. E agora, o que fazer?
Eu adorei este assunto! Me ajudou muito na minha pesquisa de ciências, obrigado mesmo.

29/08/2013 - Comentário feito por Eduardo
Re: Picada de cobra. E agora, o que fazer?
Eu adorei este assunto! Me ajudou muito na minha pesquisa de ciências, obrigado mesmo.

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.