Gostou do artigo? Compartilhe!

Lateralidade: destro ou canhoto? Por que acontece?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é lateralidade?

O termo lateralidade refere-se à preferência que a maioria dos humanos mostra pelo uso de um lado do corpo em relação ao outro e que se refere ao uso primário do hemisfério esquerdo ou direito no cérebro1. A lateralidade se manifesta principalmente nas mãos2 (destro/canhoto), nos pés (direito/esquerdo), nos olhos3 e nos ouvidos.

Quais são as causas da lateralidade?

Os movimentos e funções de cada lado do corpo são controlados por um ou outro dos hemisférios cerebrais (direito ou esquerdo, nunca pelos dois). Normalmente o comando é cruzado, o hemisfério direito comanda o lado esquerdo do corpo e o hemisfério esquerdo comanda o lado direito do corpo.

Não há acordo abrangente sobre a origem dessas preferências. Alguns acreditam que essa lateralidade é herdada; outros, que a criança é treinada para ela e outros ainda que esses preceitos são iniciados na criança durante a gravidez4 por alguma organização de forças intrauterinas, tais como aquelas que ocorrem no caso de gêmeos, ou algumas influências ambientais extrauterinas. É possível que todas essas hipóteses estejam corretas, em alguma medida, e atuem simultaneamente.

Parece claro que pais canhotos têm mais filhos canhotos do que pais destros; que, mesmo no nascimento, a maioria dos bebês5 tende a mover um braço mais do que o outro (geralmente o direito) e que, mesmo se for feito um esforço sistemático para impedir que as crianças desenvolvam uma preferência, elas ainda usam mais uma das mãos2 em relação à outra. É igualmente evidente que a maioria dos bebês5 muda sua preferência uma ou duas vezes durante o primeiro ano. A consistência com que as crianças usam uma mão6 em detrimento da outra aumenta com a idade, pelo menos durante os anos pré-escolares.

Existem alguns dados que sugerem que os seres humanos são geneticamente tendentes à destreza. De longe, a maioria das crianças é destra. Durante o terceiro e quarto meses de gestação, por exemplo, as impressões digitais de um feto7 são maiores na mão6 direita do que na esquerda. Pesquisas recentes, no entanto, sugerem que o destro e o canhoto não são geneticamente codificados dentro dos genes do corpo, mas sim codificados na estrutura espacial das células8 ovarianas.

Outros cientistas acreditam que a lateralidade não é biologicamente determinada, mas é um fator do meio ambiente. A maioria das crianças pode ser treinada para usar e preferir a mão6 direita para qualquer atividade e muitas foram treinadas sem efeitos prejudiciais óbvios.

Qual é o mecanismo fisiológico9 da lateralidade?

Segundo o francês Jean Le Boulch, educador físico, médico e psicólogo, a preferência pela utilização de um dos lados do corpo ocorre em razão da dominância de um dos hemisférios cerebrais. A inervação de parte do cérebro1 em direção à periferia sofre um cruzamento no tronco cerebral10, de modo que o hemisfério direito controla o lado esquerdo do corpo e vice-versa.

A maioria de todas culturas humanas é predominantemente destra, o que quer dizer que usa preferentemente o lado direito em geral (mão6, pé, olho11 e ouvido direitos). Em 90 a 92% dos seres humanos, o hemisfério esquerdo, que controla o lado direito do corpo, é também o hemisfério que controla a linguagem. As estatísticas apontam que:

  • 88,2% das pessoas usa preferentemente a mão6 direita.
  • 81% usa preferentemente o pé direito.
  • 71,1% usa preferentemente o olho11 direito.
  • 59,1% usa preferentemente a orelha12 direita.
  • 84% usa preferentemente a mão6 e o pé do mesmo lado (direito ou esquerdo).
  • 61,8% usa preferentemente o olho11 e orelha12 do mesmo lado (direito ou esquerdo).

Quando uma pessoa é forçada a usar a mão6 oposta da mão6 que usaria naturalmente, isso é conhecido como lateralidade forçada. Essa lateralidade forçada pode ser parte da razão pela qual a porcentagem de pessoas canhotas diminui com as faixas etárias mais altas, porque os efeitos das pressões que são feitas em direção ao lado direito é cumulativa ao longo do tempo.

Chama-se ambidestria quando uma pessoa tem habilidades aproximadamente iguais com ambos os lados do corpo. A ambidestria verdadeira é muito rara. Embora um pequeno número de pessoas possa usar bem ambos os lados do corpo, até mesmo essas pessoas mostram preferência por um dos lados do corpo sobre o outro. No entanto, essa preferência não é necessariamente a mesma para todas as atividades. Algumas pessoas podem, por exemplo, usar a mão6 direita para escrever e a mão6 esquerda para praticar esportes de raquete ou para comer.

Além disso, não é incomum que as pessoas que preferem usar a mão6 direita para escrever, prefiram usar a perna esquerda para jogar futebol, por exemplo. Em muitos casos, isso pode ser porque eles eram constitucionalmente canhotos, mas foram treinados para se tornarem destros. Algumas pessoas podem achar que estão mais confortáveis jogando boliche com a mão6 esquerda ou direita, mas jogando tênis, por exemplo, com a outra mão6.

Características culturais da lateralidade

As culturas humanas tendem a atribuir socialmente um sentido positivo ao uso do lado direito do corpo e um sinal13 negativo ao uso do lado esquerdo. Por exemplo: a palavra inglesa “left” (esquerda) vem da palavra anglo-saxônica "lyft" que significa "fraca" ou "inútil", e a palavra inglesa "right" vem da palavra anglo-saxônica que também significa "direto" ou "correto".

Da mesma forma, a palavra francesa “gauche” (esquerda), também é usada para significar "desajeitado" ou "sem tato", e a palavra latina “sinistra”, conota desastre e algo apavorante. Da mesma forma, em muitas culturas, inclusive entre nós brasileiros, a palavra "direito" também significa "correto" e “esquerdo” indica algo mal ajustado, fora do lugar ou pouco correto.

Leia também sobre "Crescimento infantil14", "Andadores para bebês5" e "Dificuldades de adaptação das crianças à escola".

 

ABCMED, 2019. Lateralidade: destro ou canhoto? Por que acontece?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/1333198/lateralidade+destro+ou+canhoto+por+que+acontece.htm>. Acesso em: 18 fev. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
3 Olhos:
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
7 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
8 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
9 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
10 Tronco Cerebral: Parte do encéfalo que conecta os hemisférios cerebrais à medula espinhal. É formado por MESENCÉFALO, PONTE e MEDULA OBLONGA.
11 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
12 Orelha: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
13 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
14 Crescimento Infantil: Aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células. Controla-se principalmente o peso corporal, a estatura e o perímetro cefálico, com o objetivo de saber o quanto a criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo, através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento. O pediatra precisa conhecer e analisar vários fatores referentes à criança e a sua família, como o peso e a altura dos pais, o padrão de crescimento deles, os dados da gestação, o peso e a estatura ao nascimento e a alimentação do bebê para avaliar a situação do crescimento de determinada criança. Não é simplesmente consultar gráficos. Somente o médico da criança pode avaliar seu crescimento. Uma criança pode estar fora da “faixa mais comum de referência“ e, ainda assim, ter um crescimento normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Pediatria?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.