Gostou do artigo? Compartilhe!

Alimentos laxativos e constipantes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são alimentos laxativos1 e constipantes?

Alimentos laxativos1 ou constipantes são aqueles que têm a propriedade de “soltar” ou “prender” o intestino, respectivamente. Isto é, de aumentar ou diminuir a frequência das evacuações.

A constipação2 intestinal, mais conhecida como prisão de ventre, é caracterizada pelo número de evacuações inferior a três por semana, pela diminuição do número de evacuações considerado usual nos últimos meses ou por dificuldades para evacuar normalmente. Por outro lado, o intestino solto corresponde às diarreias, cuja frequência das evacuações é extremamente variável, indo de umas poucas até várias em cada dia.

Quais são as principais características clínicas do intestino preso ou solto?

Quando o intestino é preso, as fezes se acumulam no reto3 e se apresentam endurecidas, muitas vezes gerando dificuldades e dores ao evacuar e, eventualmente, ferindo o reto3 ou o ânus4, provocando sangramentos. Isso acontece porque devido a uma maior permanência das fezes no intestino, há uma maior absorção de água.

A constipação2 intestinal pode ser um sintoma5 de doença gastrointestinal ou somente consequência de uma alimentação pobre em fibras. Também uma idade mais avançada, o sexo feminino e indivíduos sedentários influenciam favoravelmente na eclosão do problema. Descartada a doença, a solução mais eficaz é a suplementação6 de fibras naturais através dos alimentos. O uso de medicamentos laxativos1 deve ser abolido e visto como prejudicial.

Veja também sobre "Constipação2 intestinal", "Meu filho tem constipação2" e "Alimentos ricos em fibras".

A constipação2 intestinal causa transtornos consideráveis ao organismo: de início, inchaço7 e dor abdominal e mais tarde, mal humor, irritabilidade, cansaço, pele8 oleosa, gases e hemorroidas9. A mais longo prazo ainda, podem aparecer apendicite10, câncer11 de cólon12, obesidade13 e diabetes14.

De uma maneira geral, para evitar a constipação2 intestinal deve-se dar preferência aos alimentos laxativos1 e evitar os constipantes, como rotina alimentar. São laxativos1, por exemplo: verduras, aveia, abacate, azeitona, ameixa, abóbora, óleos vegetais, abacaxi, cebola, feijões, lentilha, repolho, creme de leite, pepino, tomate, chocolate, iogurte, quiabo, grão de bico, manteiga, sorvete, mamão, laranja, castanhas, manga, limão e pêra.

Leia mais sobre "Flatulência", "Hemorroidas9", "Apendicite10", "Câncer11 colorretal", "Obesidade13" e "Diabetes14".

Nas diarreias, as fezes são de consistência mais mole ou inteiramente liquefeitas e podem ou não exibir mal cheiro, de acordo com a causa da diarreia15. Pode haver várias evacuações no mesmo dia.

Nesses casos, deve-se dar preferência aos alimentos constipantes, que prendem o intestino, que são: arroz, chá preto ou mate, batata, chuchu, cará, inhame, ovo16 cozido, pães, caju, goiaba, maçã, bolachas, cenoura cozida, mandioca, amido de milho, banana, biscoito cream cracker, biscoito de polvilho, cevada, creme de arroz e maisena. Além disso, pães e biscoitos de farinha de trigo integral. Devem ser evitados alimentos crus, doces e gorduras.

Saiba mais sobre "Diarreia15", "Diarreia15 em crianças" e "Alimentação saudável".

 

ABCMED, 2016. Alimentos laxativos e constipantes. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1281078/alimentos+laxativos+e+constipantes.htm>. Acesso em: 18 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Laxativos: Mesmo que laxantes. Que laxa, afrouxa, dilata. Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
2 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
3 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
4 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
5 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
7 Inchaço: Inchação, edema.
8 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
9 Hemorróidas: Dilatações anormais das veias superficiais que se encontram na última porção do intestino grosso, reto e região perianal. Pode produzir sangramento junto com a defecação e dor.
10 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
11 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
12 Cólon:
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
15 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
16 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Gastroenterologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.