Atalho: 6PUQAM9
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é adenoidite (“adenoide”)?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Popularmente, é comum que uma pessoa fale: “tenho adenoide”. O que ela quer dizer com isso é que tem adenoidite. As adenoides, chamadas de “carne esponjosa”, existem em todas as pessoas. São vegetações1 celulares localizadas no cavum2, na parede posterior da nasofaringe3, região por onde passa o fluxo aéreo nasal e que atua como caixa de ressonância da fala. Aí também é o local em que se abrem as tubas auditivas.

Quando as adenoides estão inflamadas há uma adenoidite. Essas inflamações4 geralmente são causadas por infecções5 bacterianas ou virais. Juntamente com as amígdalas6 e outras estruturas, elas fazem parte do chamado anel de Waldeyer, um conjunto de formações linfoides7 dispostas ao redor da garganta8, que atuam como uma primeira linha de defesa do organismo, barrando germes e alimentos antigênicos9, na infância. Ademais, as adenoides também produzem anticorpos10 que ajudam o organismo a combater infecções5.

Enquanto as amígdalas6 são diretamente visíveis com o simples ato de abrir a boca11, as adenoides não o são e só podem ser vistas através de um espelho especial usado pelos otorrinolaringologistas. Com o crescimento da pessoa, o organismo aprende a fazer uso de outros mecanismos de defesa e aqueles primeiros podem ser removidos, se necessário.

Quais são as causas da adenoidite (“adenoide”)?

Normalmente, a adenoide e os demais órgãos linfoides7 da orofaringe12 constituem uma barreira de defesa contra microrganismos, mas se o ataque a ela for muito agressivo, a própria adenoide pode ser infectada. A maioria das infecções5 da adenoide é causada por vírus13, mas também podem ser bacterianas.

Quais são os sinais14 e sintomas15 da adenoidite (“adenoide”)?

Geralmente a criança com adenoidite se queixa de dor de garganta8, nariz16 entupido, rinorreia17 purulenta18, gânglios19 inchados e doloridos no pescoço20 e dor de ouvido. O nariz16 entupido leva a uma fala com som anasalado, respiração pela boca11 (a criança dorme de boca11 aberta, ronca e baba no travesseiro), dificuldade para dormir e ronco ou apneia21 do sono. É comum que a criança tenha otites22 médias, devido à obstrução da tuba auditiva23, e que sofra de rinites, sinusites, faringites e rouquidão em virtude da respiração bucal. Mantida durante muito tempo, a adenoidite pode ainda causar alteração do crescimento e de certos padrões anatômicos da criança, determinando, por exemplo, má oclusão dentária, palato ogival24 e outras anomalias faciais.

Como o médico diagnostica a adenoidite (“adenoide”)?

O diagnóstico25 da adenoidite é feito clinicamente pela história da doença, pelos sinais14 e sintomas15 e pela visualização da adenoide pela endoscopia26 nasal. Às vezes, o diagnóstico25 diferencial com sinusite27 pode ser difícil. As radiografias de cavum2 podem ajudar a definir o grau de obstrução à passagem do ar pela rinofaringe28.

Como o médico trata a adenoidite (“adenoide”)?

Geralmente, a adenoidite é tratada por meio de antibióticos. No entanto, se ela for muito frequente e se os antibióticos não estiverem resolvendo ou, ainda, se houve problemas respiratórios mais sérios, é aconselhável proceder-se à cirurgia para remover as adenoides (adenoidectomia29). A adenoidectomia29 é uma cirurgia simples e deve ser realizada por um otorrinolaringologista (médico especialista em doenças do ouvido, nariz16 e garganta8). As adenoides são removidas através da boca11 e não é necessário fazer nenhuma incisão30 adicional. A maioria dos pacientes pode ter alta logo após a recuperação do procedimento (quatro ou cinco horas após a cirurgia). Depois do procedimento cirúrgico, pode ainda haver uma febre31 baixa por algum tempo, dores de garganta8 ou de ouvido por alguns dias, o ato de engolir pode ser desconfortável e a respiração pela boca11 e ronco podem continuar enquanto a garganta8 estiver inchada (10 a 14 dias).

Como prevenir a adenoidite (“adenoide”)?

Não há como prevenir a adenoidite, mas a lavagem dos seios nasais32 com soro33 fisiológico34 pode aliviar ou prevenir alguns sintomas15.

Como evolui a adenoidite (“adenoide”)?

A quantidade das imunoglobulinas35 não sofre diminuição depois da retirada das adenoides, porque outros órgãos do corpo compensam a formação delas.

As adenoidites repetitivas e resistentes aos antibióticos podem requerer a retirada das adenoides. Mas, por se tratar de um órgão de defesa do organismo, esta cirurgia deve ser sempre muito bem avaliada por um profissional experiente.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites da http://www.otorrinousp.org.br/, da Fundação Otorrinolaringologia, do Brazilian Journal of Otorhinolaryngology e do do International Archives of Otorhinolaryngology.

ABCMED, 2012. O que é adenoidite (“adenoide”)?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/326710/o+que+e+adenoidite+adenoide.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Vegetações: 1. Ato ou efeito de vegetar. 2. No sentido figurado, é o estado daquele que vive inerte, sem entusiasmo. 3. Na botânica, é o conjunto de plantas de uma determinada área ou região cuja composição e fisionomia são determinadas pelos diversos fatores ambientes, especialmente o clima e o solo. 4. Em cardiologia, representa um coágulo, constituído de plaquetas, fibrina e bactérias, aderido a uma valva cardíaca doente. 5. Em patologia, é o crescimento anormal ou excrescência de qualquer tipo, localizada na pele, em mucosa ou órgão.
2 Cavum: Cavum ou nasofaringe é a parte superior da faringe, localizada logo atrás do nariz e acima do palato mole. Nesta área, drenam as trompas de Eustáquio, comunicação entre o ouvido médio e a faringe, com a função de ventilar adequadamente as orelhas.
3 Nasofaringe: Nasofaringe ou cavum é a parte superior da faringe, localizada logo atrás do nariz e acima do palato mole. Nesta área, drenam as trompas de Eustáquio, comunicação entre o ouvido médio e a faringe, com a função de ventilar adequadamente as orelhas.
4 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Amígdalas: Designação comum a vários agregados de tecido linfoide, especialmente o que se situa à entrada da garganta; tonsila.
7 Linfoides: 1. Relativos a ou que constituem o tecido característico dos nodos linfáticos. 2. Relativos ou semelhantes à linfa.
8 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
9 Antigênicos: 1. Relativos a ou próprios de antígenos, que são substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpos. 2. Que possuem antigenicidade.
10 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
11 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
12 Orofaringe: Parte mediana da faringe, entre a boca e a rinofaringe.
13 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
17 Rinorreia: Escoamento abundante de fluido pelo nariz, com ausência de fenômeno inflamatório.
18 Purulenta: Em que há pus ou cheio de pus; infeccionada. Que segrega pus. No sentido figurado, cuja conduta inspira nojo; repugnante, asqueroso, sórdido.
19 Gânglios: 1. Na anatomia geral, são corpos arredondados de tamanho e estrutura variáveis; nodos, nódulos. 2. Em patologia, são pequenos tumores císticos localizados em uma bainha tendinosa ou em uma cápsula articular, especialmente nas mãos, punhos e pés.
20 Pescoço:
21 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
22 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
23 Tuba Auditiva: Passagem estreita que liga a parte superior da garganta à CAVIDADE TIMPÂNICA. Sinônimos: Trompa de Eustáquio; Tuba Auditória; Tuba Faringotimpânica
24 Palato ogival: Céu da boca profundo e estreito, típico de pessoas atópicas ou alérgicas.
25 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
26 Endoscopia: Método no qual se visualiza o interior de órgãos e cavidades corporais por meio de um instrumento óptico iluminado.
27 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
28 Rinofaringe: Parte nasal da faringe, situada acima do nível do palato mole.
29 Adenoidectomia: Retirada cirúrgica das adenoides.
30 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
31 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
32 Seios Nasais: Extensões preenchidas de ar localizadas na parte respiratória da cavidade nasal dentro dos ossos frontal, etmóide, esfenóide e maxila. Variam em tamanho e forma entre indivíduos diferentes, e são revestidas por uma membrana mucosa ciliada da cavidade nasal.
33 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
34 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
35 Imunoglobulinas: Proteína do soro sanguíneo, sintetizada pelos plasmócitos provenientes dos linfócitos B como reação à entrada de uma substância estranha (antígeno) no organismo; anticorpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Otorrinolaringologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

14/11/2012 - Comentário feito por Cintia
Re: O que é adenoidite (“adenoide”)?
Esse artigo me ajudou muito eu e minha filha nós sofremos com adenoite.
e como trabalho com telefone minha garganta anda muito irritada.

  • Entrar
  • Assinar