Gostou do artigo? Compartilhe!

Hidrossalpinge: o que é? Quais são as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hidrossalpinge?

A hidrossalpinge (do grego: hydro = água + salpinx = trombeta) é uma condição em que a trompa de Falópio encontra-se bloqueada, preenchida com líquido seroso ou claro. Se a trompa estiver cheia de sangue1, fala-se em hematossalpinge e se estiver com pus2, em piossalpinge.

Quais são as causas da hidrossalpinge?

A hidrossalpinge pode ser causada por uma infecção3 nas trompas, muitas vezes transmitida sexualmente (como clamídia ou sífilis4, por exemplo). Essas infecções5 geralmente afetam as trompas de Falópio bilateralmente, embora possam ser unilaterais. Outras causas incluem cirurgias abdominais anteriores, aderências pélvicas6, endometriose7 e outras fontes de infecção3, tais como apendicite8.

Qual é a fisiopatologia9 da hidrossalpinge?

As trompas de Falópio têm o formato de uma trombeta, tubo com uma das extremidades dilatada, a qual é conectada ao ovário10, e a outra extremidade é ligada ao útero11. Normalmente, elas coletam a cada mês o óvulo12 que é liberado pelo ovário10, que migra em direção ao útero11, através delas, indo ao encontro do esperma13. Este, por sua vez, logo que depositado na vagina14, passa através do colo do útero15 para as trompas, onde acabam por se juntar ao óvulo12, para formar o embrião. O embrião migra através das trompas para o útero11 e quando o atinge implanta-se na sua parede.

O fluido normalmente produzido pelas trompas de Falópio é descarregado através da extremidade fimbrada (extremidade próxima ao ovário10) na cavidade peritoneal16. Se essa extremidade tornar-se obstruída, a obstrução resultante não permite que o fluido passe para o abdômen e ele reverte seu fluxo e se acumula nas trompas, constituindo a hidrossalpinge. Assim, não pode se realizar uma gravidez17 normal no útero11 e pode desenvolver-se uma gravidez17 nas trompas (gravidez ectópica18 ou gravidez17 tubária), o que pode pôr em perigo a vida da gestante.

Quais são as principais características clínicas da hidrossalpinge?

A trompa bloqueada pode tornar-se substancialmente distendida, podendo chegar a vários centímetros de diâmetro, assumindo a aparência de uma salsicha. A condição muitas vezes é bilateral e geralmente causa infertilidade19. A maioria das mulheres com hidrossalpinge não têm sintomas20, exceto problemas de fertilidade. Em algumas mulheres, uma gravidez ectópica18 pode ser o primeiro sinal21. Ocasionalmente, algumas mulheres se queixam de dor pélvica22 ou no abdômen inferior, que piora durante a menstruação23 ou logo a seguir. Pode haver também um corrimento vaginal constante associado a este problema. Se as trompas estiverem completamente bloqueadas, o ovo24 não pode viajar através da trompa para o útero11 e, assim, a gravidez17 natural não ocorre, sendo necessários métodos artificiais, se ela é desejada.

Como o médico diagnostica a hidrossalpinge?

Além da história clínica da paciente, existem três maneiras de avaliar se uma ou ambas as trompas estão bloqueadas: (1) histerossalpingografia, (2) ultrassonografia25 e (3) laparoscopia26. Na histerossalpingografia o médico injeta, através do colo do útero15, um líquido opaco aos raios X para verificar se as trompas estão permeáveis ou não. A ultrassonografia25 é capaz de detectar, através de imagens, a presença da hidrossalpinge. Pela laparoscopia26, o médico pode observar diretamente o exterior do útero11 e das trompas de Falópio e perceber se há indícios de que estejam obstruídas. A laparoscopia26 permite não só o diagnóstico27 da hidrossalpinge, mas também a intervenção terapêutica28 necessária ao tratamento.

Como o médico trata a hidrossalpinge?

Em geral, a hidrossalpinge é uma condição mecânica causada por aderências que estreitam ou fecham a extremidade da trompa, as quais precisam ser desfeitas. Em alguns casos, especialmente quando a hidrossalpinge é pequena, este tipo de bloqueio pode ser reparado por um procedimento cirúrgico laparoscópico. Ele, contudo, aumenta a chance de gravidez ectópica18 nas mulheres que desejam engravidar depois do procedimento, sendo mais aconselhável a fertilização29 in vitro. Se houver evidências de que as tubas estão inchadas, é prudente administrar-se antibióticos preventivos para reduzir o risco de reativação do processo inflamatório, que pode levar a novas aderências.

Como prevenir a hidrossalpinge?

A hidrossalpinge pode ser evitada com medidas para reduzir as doenças inflamatórias pélvicas6, principalmente as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Além disso, como a hidrossalpinge é, em alguns casos, uma sequela30 de uma infecção3 pélvica22, o tratamento profilático com antibióticos pode ser uma maneira de prevenção.

Quais são as complicações possíveis da hidrossalpinge?

A principal complicação da hidrossalpinge é impedir que a gravidez17 possa ocorrer. O líquido presente numa trompa é um fator que pode atrapalhar a implantação do embrião, caso a fecundação31 tenha ocorrido na trompa saudável. Se as duas trompas estiverem obstruídas ou forem retiradas, a gravidez17 natural fica impedida.

 

ABCMED, 2016. Hidrossalpinge: o que é? Quais são as causas? E os sintomas? Como são o diagnóstico e o tratamento?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-da-mulher/950794/hidrossalpinge-o-que-e-quais-sao-as-causas-e-os-sintomas-como-sao-o-diagnostico-e-o-tratamento.htm>. Acesso em: 27 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
3 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Pélvicas: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
7 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
8 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
9 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
10 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
11 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
12 Óvulo: Célula germinativa feminina (haplóide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO.
13 Esperma: Esperma ou sêmen. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O esperma é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
14 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
15 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
16 Cavidade peritoneal: Espaço recoberto pelo peritônio. É dividido em duas partes, o grande saco e o pequeno saco ou bolsa omental, que se localiza atrás do ESTÔMAGO. Os dois sacos estão conectados pelo forame de Winslow ou forame epiplóico.
17 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
18 Gravidez ectópica: Implantação do produto da fecundação fora da cavidade uterina (trompas, peritôneo, etc.).
19 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
22 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
23 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
24 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
25 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
26 Laparoscopia: Procedimento cirúrgico mediante o qual se introduz através de uma pequena incisão na parede abdominal, torácica ou pélvica, um instrumento de fibra óptica que permite realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos.
27 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
28 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
29 Fertilização: Contato entre espermatozóide e ovo, determinando sua união.
30 Sequela: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
31 Fecundação: 1. Junção de gametas que resulta na formação de um zigoto; anfigamia, fertilização. 2. Ato ou efeito de fecundar (-se).
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ginecologia E Obstetrícia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.