Atalho: 6ESQ6ZP
Gostou do artigo? Compartilhe!

Aftas. O que fazer com elas?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são aftas?

Aftas (ou estomatite1 aftosa) são áreas de pequenas ulcerações2 da mucosa3 da cavidade da boca4 que acontecem por um rompimento do seu epitélio5 e exposição do tecido conjuntivo6.

As aftas são erosões dolorosas, com fundo claro-amarelado e circundado por uma aréola avermelhada. Elas geralmente desaparecem em um intervalo de sete a dez dias sem deixar sequelas7 podendo, em alguns casos, durar mais tempo. Afetam a parte interior dos lábios e das bochechas, a língua8 e, mais raramente, a garganta9. Variam em número e intensidade, mas costumam aparecer reunidas em pequenos grupos, o que faz com que as áreas afetadas sejam mais delimitadas. Podem raramente estar generalizadas.

Quais são as causas das aftas?

Não se sabe bem o que causa as aftas. Elas podem ser uma manifestação de diversas doenças, sobretudo imunológicas. Certos alimentos, frutas ácidas ou temperos picantes podem funcionar como indutores da formação de aftas. Outros fatores que podem causar ou contribuir para a eclosão delas são:

  • Traumatismos ou mordeduras nos lábios ou bochechas.
  • Uso de aparelhos de ortodontia.
  • Algumas doenças sistêmicas.
  • Imunopatias.
  • Deficiências nutricionais.
  • Alergias.
  • Estresse.
  • Reações a determinados tipos de medicamentos.

As aftas não são um processo infeccioso e, portanto, não são transmissíveis de uma pessoa a outra.

Quais são os sinais10 e sintomas11 das aftas?

Os sintomas11 das aftas são benignos, embora muito incomodativos. As lesões12 ocasionam reações inflamatórias leves ou moderadas, associadas à ardência e à dor e levam a dificuldades na alimentação. Em alguns casos mais raros podem ser acompanhadas de febre13 baixa e crescimento ganglionar localizado.

Como o médico diagnostica as aftas?

O diagnóstico14 é feito pelo aspecto das lesões12 e os sintomas11 clínicos. As lesões12 são circulares ou ovais, como pequenas crateras, com fundo esbranquiçado ou amarelado e vermelhidão ao redor.

As aftas devem ser examinadas por um dermatologista ou por um dentista, caso estejam incomodando o paciente.

O aparecimento de qualquer lesão15 na boca4, principalmente aquelas que não cicatrizam por um tempo prolongado, deve sempre ser avaliado por um médico.

Como é o tratamento das aftas?

O tratamento das aftas visa aliviar os sintomas11, prevenir o aparecimento de novas lesões12 e diminuir a gravidade do surto. Antissépticos16, anti-inflamatórios, anestésicos e protetores de mucosa3 são alguns dos medicamentos usados.

O raio laser é utilizado para amenizar a dor de forma imediata. Ele é aplicado em consultórios e não apresenta contraindicações. 

Como minorar o efeito das aftas?

  • Manter uma higiene bucal adequada (não agressiva).
  • Manter uma alimentação suave, fria ou morna. Alimentos quentes geram dor.
  • Evitar lesões12 na mucosa3 da boca4. Por exemplo, não morder os lábios ou bochechas, pois elas podem dar origem a aftas.
  • Usar analgésicos17, como a xilocaína viscosa ou algum medicamento tópico18.
  • Enxaguar a boca4 com uma colher de água oxigenada a 10% diluída em um copo de água.
  • Consultar o dentista ou o dermatologista para que este possa investigar a etiologia19 do problema.

Como evoluem as aftas?

A maioria das aftas desaparece espontaneamente, ou após algum tratamento, sem deixar sequelas7. Algumas aftas mais sérias podem deixar uma mancha sobre a mucosa3, que desaparece com o tempo. De qualquer forma, é impossível evitar-se o aparecimento de novas aftas. Os episódios recorrentes e muito frequentes exigem uma investigação clínica.

ABCMED, 2012. Aftas. O que fazer com elas?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/saude-bucal/294165/aftas+o+que+fazer+com+elas.htm>. Acesso em: 18 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
2 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
3 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
4 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
5 Epitélio: Epitélio ou tecido epitelial é um tecido constituído por células justapostas, ou seja, intimamente unidas entre si. Sua principal função é revestir a superfície externa do corpo, os órgãos e as cavidades corporais internas. Os epitélios são eficientes barreiras contra a entrada de agentes invasores e a perda de líquidos corporais. Eles têm também funções secretoras, sensoriais e de absorção. O tecido epitelial é um dos quatro tipos de tecidos básicos do nosso organismo, juntamente com os tecidos conjuntivo, muscular e nervoso.
6 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
7 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
8 Língua:
9 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
13 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
14 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
15 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Antissépticos: Que ou os que impedem a contaminação e combatem a infecção.
17 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
18 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
19 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

03/07/2016 - Comentário feito por Mary
Aftas sao terriveis.doi muito.mas qdo estamos c...
Aftas sao terriveis.doi muito.mas qdo estamos cm aftas devemos conservar a boca sempre limpa .gargarejar cm enxaguante bucal e procurar algum remedio para amenizar a dor

30/07/2014 - Comentário feito por Sofia
Achei muito legal esses comentarios da afta...P...
Achei muito legal esses comentarios da afta...Pois eu tenho uma afta bem na gengiva isso e uma dor.Hoje minha irma falou ponhe sal que passa ,eu pois n adiantou nada

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.