Atalho: 63SFFNB
Gostou do artigo? Compartilhe!

Psicose reativa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a psicose1 reativa?

Como o próprio nome indica, as psicoses reativas são constituídas pelo aparecimento abrupto de sintomas2 psicóticos motivados por um fator psicossocial estressante. Na verdade, essas reações são determinadas não só pelas situações traumáticas, mas também pelas disposições pré-existentes da personalidade. No entanto, os fatores ambientais detêm maior importância como evento causal. Melhor seria pensar nos fatores externos como desencadeantes de um surto psicótico agudo3.

As psicoses reativas representam uma falência aguda da capacidade de adaptação a uma situação difícil. Deve ser enfatizada a possibilidade de ganho emocional4 (primário ou secundário) com a eclosão do surto psicótico agudo3.

Quais os principais sintomas2 das psicoses reativas?

As psicoses reativas têm início súbito dos sintomas2 e retornam à normalidade em tempo relativamente curto. (Em geral, menor que um mês). O comportamento adquire posturas peculiares, trejeitos, gritos ou mutismo5 completo. Frequentemente ocorre desorientação, confusão mental, distúrbios de memória, fabulações, alucinações6, delírios, etc. São frequentes as modificações rápidas de humor, a perplexidade e a regressão. O comportamento catatônico ou desorganizado é comum e isso pode confundir com os casos de simulação ou de histeria.

Podem existir traços de personalidade sugestivos de algum distúrbio psíquico, previamente ao fator desencadeante. O aparecimento da sintomatologia segue-se ao fator estressor em poucas horas e não duram mais de um mês.

Qual o prognóstico7 das psicoses reativas?

Normalmente as psicoses reativas são inteiramente reversíveis, sem deixar sequelas8. Os seguintes dados indicam um prognóstico7 favorável:

  • Boa adaptação emocional antes do surto.
  • Grande intensidade do fator precipitante.
  • Aparecimento repentino dos sintomas2.
  • Presença de depressão.
  • Confusão e perplexidade durante a crise.
  • Pouco empobrecimento afetivo.
  • Curta duração dos sintomas2.
  • Falta de tendência hereditária para a esquizofrenia9.
ABCMED, 2011. Psicose reativa. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/234230/psicose+reativa.htm>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
4 Ganho emocional: Ganho emocional primário: conversão da angústia em sintomas, com a ideia de que os sintomas, mesmo graves, são mais suportáveis que a angústia. Ganho emocional secundário: vantagens que a pessoa pode auferir com o fato de estrar doente (ser alvo de atenções, ser dispensada de certas obrigações, ser tratada com mais benevolência, obter certos ganhos materiais, como, por exemplo, sempre andar no banco da frente dos carros, etc.).
5 Mutismo: Estado de não reatividade e de imobilidade, com uma especial ausência da necessidade de falar e de impulso verbal, que está presente em alguns casos de esquizofrenia e de histeria.
6 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
7 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
8 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
9 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Psicoterapia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

28/08/2013 - Comentário feito por João
Re: Psicose reativa
Lamentavelmente, as psicopatologias não são ainda causadoras de maior preocupação com o crescente número nas grandes e médias metrópoles. O "sistema", enfatiza demasiadamente o cuidado com o corpo físico, e muito negligencia com os cuidados para com a saúde mental. Devido as ("autohipnoses") impostas pela busca desenfreada do "TER", e não do "SER", os humanos encontram-se cada vez mais doentes mentalmente. Inevitavelmente, ("psicomatizam") o corpo em variadas patologias aparentemente inexplicáveis........

  • Entrar
  • Assinar