Gostou do artigo? Compartilhe!

Síndrome de Tourette: como ela é?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é a síndrome1 de Tourette?

A síndrome1 de Tourette, também conhecida por doença de Gilles de la Tourette, é um transtorno caracterizado por diversos tiques motores e pelo menos um tique2 vocal. Estes tiques se manifestam desde a infância e têm remissões e recidivas3 periódicas, podendo ser suprimidos temporariamente.

Anteriormente, a síndrome1 de Tourette era considerada rara e bizarra porque se exigia dela que fosse associada à vocalização de termos obscenos (coprolalia4) ou afirmações e impulsos depreciativos, socialmente impróprios; mas, na verdade, este sintoma5 se manifesta apenas numa pequena minoria de pessoas com a doença. Atualmente, a síndrome1 de Tourette já não é considerada tão rara, embora nem sempre seja corretamente identificada, uma vez que a maior parte dos casos é moderada e a gravidade dos tiques diminui à medida que a pessoa atravessa a adolescência e vai se tornando adulta.

A denominação de síndrome1 de Tourette foi dada por Charcot em homenagem ao médico francês Gilles de la Tourette que publicou em 1885 um relato de nove casos da doença, embora a condição já fosse conhecida.

Quais são as causas da síndrome1 de Tourette?

Fatores genéticos e ambientais desempenham um papel na causa desta síndrome1, embora se desconheçam as causas precisas da doença.

Quais são as principais características clínicas da síndrome1 de Tourette?

Os tiques ocorrem com maior frequência nas crianças em idade escolar e os mais comuns são piscar os olhos6, tossir, limpar a garganta7, fungar e fazer determinados movimentos faciais, os quais, eventualmente, se tornam crônicos. Porém, no decorrer da vida adulta, frequentemente, os sintomas8 vão aos poucos se amenizando e diminuindo.

A síndrome1 de Tourette não afeta a inteligência ou a expectativa de vida9. Os tiques podem se manifestar em qualquer parte do corpo (barriga, nádegas10, pernas, braços, etc.), mas são mais frequentes no rosto e na cabeça11.

Os comportamentos obsessivos compulsivos que podem se associar à síndrome1 de Tourette ocorrem em cerca de 50% dos casos. Outros sofrimentos psíquicos que têm se mostrado abundantes são os distúrbios do sono, a ansiedade e a depressão. Outros aspectos comportamentais são comportamentos opositivos, agressivos, regressivos, impulsivos; incapacidade de autorregulação, autocrítica e adaptação; intolerância à tensão; incapacidade de controle e liberação dos impulsos e instintos primitivos. Os sintomas8 da síndrome1 de Tourette ocorrem involuntariamente.

Saiba mais sobre "Transtorno obsessivo compulsivo", "Distúrbios do sono", "Ansiedade" e "Depressão".

Raramente uma pessoa que sofre dessa condição consegue controlar seus tiques e jamais por períodos prolongados de tempo. Alguns tiques fônicos involuntários presentes na síndrome1 podem ser leigamente rotulados como "gagueira". A reação de muitas pessoas à síndrome1 é de reprovação, especialmente, quando a pessoa é afetada com gagueira e coprolalia4.

Como o médico diagnostica a síndrome1 de Tourette?

O diagnóstico12 da síndrome1 de Tourette é eminentemente13 clínico. Os critérios estabelecidos pelo DSM-IV-TR são:

  1. Múltiplos tiques motores e um ou mais tiques vocais.
  2. Os tiques ocorrem muitas vezes ao dia, quase todos os dias, ou intermitentemente durante um período de mais de um ano.
  3. A perturbação causa acentuado sofrimento ou prejuízo significativo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
  4. O início dá-se antes dos 18 anos de idade.
  5. A perturbação não se deve aos efeitos diretos de uma substância ou a uma condição médica geral.

Como o médico trata a síndrome1 de Tourette?

Não existem tratamentos eficazes para todos os casos de tiques, mas alguns medicamentos e terapias podem ajudar, sintomaticamente. Na maior parte dos casos, não é necessária qualquer medicação. A educação é uma parte importante do tratamento e muitas vezes suficiente enquanto terapêutica14.

Pode haver comorbidades15 como gagueira, transtorno de déficit de atenção, transtorno obsessivo compulsivo, entre outros, que causam maiores transtornos funcionais ao indivíduo do que os próprios tiques.

Leia também sobre: "Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)" e "Gagueira".

 

ABCMED, 2016. Síndrome de Tourette: como ela é?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/psicologia-e-psiquiatria/1275338/sindrome-de-tourette-como-ela-e.htm>. Acesso em: 20 out. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Tique: Movimento involuntário, estereotipado, que pode afetar os músculos da face. Pode fazer parte de distúrbios neurológicos ou psiquiátricos, como pode também ser apenas devido à ansiedade ou a outras causas.
3 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
4 Coprolalia: Tendência incontrolável a usar palavras obscenas.
5 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Olhos:
7 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
10 Nádegas:
11 Cabeça:
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
14 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
15 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.