Atalho: 5TFNQEH
Gostou do artigo? Compartilhe!

Micoses Superficiais - Como evitá-las?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são micoses superficiais?

Também conhecidas como “tíneas” ou “tinhas”, são infecções1 causadas por fungos que atingem a pele2, as unhas3 e os cabelos. Os fungos podem ser encontrados no solo, nos animais e até mesmo na nossa pele2, convivendo "em harmonia" conosco, sem causar doença. Em condições favoráveis ao seu crescimento, estes organismos se reproduzem e causam doença, pois passam a consumir a queratina presente na superfície cutânea4, nas unhas3 e nos cabelos. Calor, umidade, queda na imunidade5 ou uso de substâncias que alteram o equilíbrio da pele2, como antibióticos sistêmicos6 usados por longo prazo, são ideais para a proliferação de fungos.


Quais as manifestações clínicas das micoses superficiais?

As manifestações clínicas de alguns dos tipos de micoses mais frequentes são:

  • Tínea do corpo ("impingem"): forma lesões7 arredondadas, que coçam. O início é um ponto avermelhado que se abre em anel de bordas avermelhadas e descamativas com o centro da lesão8 tendendo à cura.
  • Tínea da cabeça9: forma áreas arredondadas de falhas nos cabelos, que se apresentam cortados rente ao couro cabeludo nestes locais (tonsurados). É muito contagiosa10 e é mais freqüente em crianças.
  • Tínea dos pés: causa descamação11 e coceira na planta dos pés, podendo atingir as laterais dos pés.
  • Tínea interdigital ("frieira"): causa descamação11, maceração (pele2 esbranquiçada e mole), fissuras12 e coceira entre os dedos dos pés. Bastante freqüente nos pés, devido ao uso constante de calçados fechados que retêm a umidade. Também pode ocorrer nas mãos13, principalmente naquelas pessoas que trabalham muito com água e sabão.
  • Tínea inguinal ("micose14 da virilha", "jererê"): forma áreas avermelhadas e descamativas com bordas bem delimitadas, que se expandem para as coxas e nádegas15, acompanhadas de coceira no local.
  • Micose14 das unhas3 (onicomicose16): pode apresentar-se com descolamento da borda livre da unha, espessamento, manchas brancas na superfície ou deformação da unha. Quando a micose14 atinge a pele2 ao redor da unha, causa a paroníquia17 ("unheiro"). O contorno ungueal18 fica inflamado, dolorido, inchado e avermelhado e, por consequência, altera a formação da unha, que cresce ondulada.
  • Intertrigo19 candidiásico: provocado pela levedura Candida albicans. Forma área avermelhada e úmida que se expande por pontos satélites ao redor da região mais afetada e, geralmente, provoca muita coceira.
  • Pitiríase versicolor ("micose14 de praia, pano branco"): caracteriza-se por manchas claras recobertas por fina camada de descamação11, facilmente demonstrável pelo esticamento da pele2. Atinge principalmente áreas com maior produção de oleosidade como o tronco, a face20, o pescoço21 e o couro cabeludo.
  • Tínea negra: manifesta-se pela formação de manchas escuras na palma das mãos13 ou plantas dos pés. É assintomática.
  • Piedra preta22: forma nódulos ou placas23 de cor escura grudados aos cabelos. É assintomática.
  • Piedra branca24: manifesta-se por concreções25 de cor branca ou clara aderidas aos pêlos. Atinge principalmente os pêlos pubianos, genitais e axilares e as lesões7 podem ser removidas com facilidade puxando-as em direção à ponta dos fios.


Qual o melhor tratamento para as micoses?

O tratamento deve ser orientado por um médico dermatologista e vai depender do tipo de micose14 que a pessoa apresenta. Podem ser usadas medicações locais sob a forma de cremes, loções e talcos ou medicações via oral, dependendo da intensidade do quadro. Geralmente o tratamento das micoses é prolongado, variando de cerca de 15 dias a vários meses. As micoses das unhas3 dos pés são as de mais difícil tratamento e também de maior duração, podendo ser necessário manter a medicação por mais de doze meses. A persistência é fundamental para se obter sucesso nestes casos.

Alguns cuidados gerais são:

  • Evite usar medicamentos indicados por outras pessoas, pois podem mascarar características importantes para o diagnóstico26 correto da sua micose14, dificultando o tratamento.
  • Não interrompa o tratamento assim que terminarem os sintomas27; pois o fungo28, nas camadas mais profundas da pele2, pode resistir aos medicamentos usados, por isso a medicação deve ser usada pelo tempo indicado por seu médico.


Como evitar as micoses?

  • Evite andar descalço, principalmente em pisos úmidos ou públicos – por exemplo, em lava-pés, vestiários, saunas e praias.
  • Não use objetos pessoais (roupas, calçados, pentes, escovas, toalhas de banho ou de rosto, chapéus) de outras pessoas.
  • Ao sair do banho, enxugue-se bem, principalmente entre os dedos e em regiões de dobras como axila, virilha, atrás das orelhas29, etc.
  • Prefira meias e roupas íntimas de algodão, pois as fibras sintéticas retêm o suor.
  • Leve seu próprio alicate, lixa e tesoura quando for à manicure ou pedicure. Use lixas descartáveis e limpe os outros acessórios com freqüência.
  • Procure não usar o mesmo sapato dois dias seguidos.
  • Nunca use a mesma meia antes de lavá-la.
  • Evite ficar com roupas de banho molhadas por muito tempo.
  • Evite praias freqüentadas por cães e gatos.
  • Evite o contato prolongado com água e sabão.
  • Observe a pele2 e o pêlo de seus animais de estimação (cães e gatos). Qualquer alteração como descamação11 ou falhas no pêlo procure um veterinário.
  • Evite mexer com a terra sem usar luvas.
  • Dê preferência para o uso de calçados arejados e mais largos. Guarde-os em local ventilado.
  • Evite roupas quentes e justas.

 

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia
Anais Brasileiros de Dermatologia
Fungal Guide

ABCMED, 2008. Micoses Superficiais - Como evitá-las?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/23430/micoses+superficiais+como+evita+las.htm>. Acesso em: 18 dez. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Unhas: São anexos cutâneos formados por células corneificadas (queratina) que formam lâminas de consistência endurecida. Esta consistência dura, confere proteção à extremidade dos dedos das mãos e dos pés. As unhas têm também função estética. Apresentam crescimento contínuo e recebem estímulos hormonais e nutricionais diversos.
4 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
5 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
6 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Cabeça:
10 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
11 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
12 Fissuras: 1. Pequena abertura longitudinal em; fenda, rachadura, sulco. 2. Em geologia, é qualquer fratura ou fenda pouco alargada em terreno, rocha ou mesmo mineral. 3. Na medicina, é qualquer ulceração alongada e superficial. Também pode significar uma fenda profunda, sulco ou abertura nos ossos; cesura, cissura. 4. Rachadura na pele calosa das mãos ou dos pés, geralmente de pessoas que executam trabalhos rudes. 5. Na odontologia, é uma falha no esmalte de um dente. 6. No uso informal, significa apego extremo; forte inclinação; loucura, paixão, fissuração.
13 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
14 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
15 Nádegas:
16 Onicomicose: Micose de unha. Apresenta-se com descolamento da borda livre da unha, espessamento, manchas brancas na superfície ou deformação da unha. Quando a micose atinge a pele ao redor da unha, causa a paroníquia (“unheiro“). O contorno ungueal fica inflamado, dolorido, inchado e avermelhado e, por consequência, altera a formação da unha, que cresce ondulada.
17 Paroníquia: Unheiro. O contorno ungueal fica inflamado, dolorido, inchado e avermelhado e, por consequência, altera a formação da unha, que cresce ondulada. É uma micose.
18 Ungueal: Relativo ou pertencente à unha, garra ou casco, ou que a eles se assemelha.
19 Intertrigo: Infecção da pele que recobre diferentes pregas da superfície corporal. Pode ser ocasionada por fungos ou bactérias e freqüentemente localiza-se entre os dedos (pé de atleta), no sulco submamário, axilas, pregas interglúteas, etc.
20 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
21 Pescoço:
22 Piedra preta: Forma nódulos ou placas de cor escura grudados aos cabelos. É uma micose assintomática.
23 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
24 Piedra branca: Manifesta-se por concreções de cor branca ou clara aderidas aos pêlos. É uma micose que atinge principalmente os pêlos pubianos, genitais e axilares e as lesões podem ser removidas com facilidade puxando-as em direção à ponta dos fios.
25 Concreções: 1. Ato, processo ou efeito de (se) tornar concreto ou real; concretização, substancialização, materialização. 2. Estado do que é concreto ou está concretizado; solidez. 3. No sentido figurado, exemplo concreto de um conceito abstrato; concretização, materialização. 4. Massa compacta, corpo sólido formado por partículas solidificadas. 5. Em geologia, é uma massa de forma geralmente nodular ou acentuadamente arredondada, formada por uma precipitação sucessiva em torno de núcleos nos depósitos sedimentares. 6. Em patologia, é uma massa inorgânica compacta que se forma numa cavidade natural do corpo ou dos tecidos; é um cálculo ou também a união de partes adjacentes.
26 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
27 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
28 Fungo: Microorganismo muito simples de distribuição universal que pode colonizar uma superfície corporal e, em certas ocasiões, produzir doenças no ser humano. Como exemplos de fungos temos a Candida albicans, que pode produzir infecções superficiais e profundas, os fungos do grupo dos dermatófitos que causam lesões de pele e unhas, o Aspergillus flavus, que coloniza em alimentos como o amendoim e secreta uma toxina cancerígena, entre outros.
29 Orelhas: Sistema auditivo e de equilíbrio do corpo. Consiste em três partes
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

02/02/2011 - Comentário feito por Márcia
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
Muito bem explicado!
Realmente é dificil a cura da micose, tenho a anos...
Mas vou pegar ganho nas dicas pra ao menos não piorar!

15/01/2011 - Comentário feito por elizangela
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
adorei, tirou todos as minhas duvidas !muito obrigado

01/10/2010 - Comentário feito por angela
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
foi de muita importancia este site tirei todas as minhas duvidas sobre micose e creio q ja resolvi meu problema porque a medica tinha me dado um remedio o fluconazol sem bula dai entrei aqui ,foi de grande valia agora sei q vou curar a minha micose e me cuidar mais nas praias obrigada!

17/02/2010 - Comentário feito por francisco
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
Espero tirar proveito de todas as informações contida na matéria, pois são objetivas e de fácil assimilação.Muito obrigado.Assis

10/02/2010 - Comentário feito por iracy
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
Obrigada!!!
Fui ao demartologista e nada esclareceu ...
Aqui pesquisando encontrei esclarecimentos ao meu problema...
Deus os abençoe

20/01/2010 - Comentário feito por simone
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
adorei todas as explicações ! Foram muito claras e simples e consegui esclarecer todas as minhas dúvidas ! PARABÉNS !

30/09/2009 - Comentário feito por ana
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
agradeço por a explicação, porque o medico passou uma formula mais não explicou ,foi pesquisando a palavra cetoconazol queria saber para que servia foi ai que descobri o site muito obrigada apareceu no meu pé igual a explicação de voces, coceira e descamação tambem nas laterais dos pés(tínea dos pés)

25/09/2009 - Comentário feito por thiago
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
agora eu creio que meu problema sera solucionado.
obrigado

25/08/2009 - Comentário feito por silvio
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
agora ,estou mais ciente como me previnir contra as micoses . Ficou mais explicado que no consultorio

16/08/2009 - Comentário feito por Simone
Re: Micoses Superficiais - Como evitá-las?
Ótimo! Muito eficiente. Agora sim estou mais tranquila em relação a micose de unha. A informação foi melhor, mais completa do que a que recebi em consulta. Parabéns a todos do site!

  • Entrar
  • Assinar
O AbcMed® é parte integrante da Plataforma HiDoctor® e é oferecido a você gratuitamente.