Atalho: 66GOFWM
Gostou do artigo? Compartilhe!

Você tem “dores nas costas”? Por quê?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que são dores nas costas1 e por que elas aparecem?

Em geral, fala-se de “dor nas costas” quando há dores localizadas nas regiões cervicais (pescoço2), torácicas (peito3) ou lombares (parte baixa das costas1) que não podem ser atribuídas a doenças conhecidas ou a traumas e fraturas.

Segundo a Organização Mundial da Saúde4 (OMS), cerca de 80% das pessoas sofrem de dores nas costas1 em alguma fase da vida. As “dores nas costas” são também chamadas pelas pessoas de “dores lombares”, “lombalgias”, “lumbago”, “espinhela caída”, etc.

Embora elas sejam muito frequentes, não representam um problema grave de saúde4. Na verdade, há também casos em que elas expressam um problema mais importante como malformações5 congênitas6, osteoporose7, tumores, hérnia de disco8, cálculos renais ou distúrbios neurológicos dentre outros. No entanto, essas eventualidades são minoria.

Muito frequentemente as dores nas costas1 são devidas apenas a uma postura incorreta. Quase sempre elas estão ligadas à coluna vertebral9 e podem provir de nervos, ossos, articulações10, músculos11 ou ligamentos12.

Como elas são sentidas?

As dores nas costas1 podem assumir várias características, descritas como dor lancinante, dor em picada, ardor13, dor leve, etc. e podem ser localizadas ou difusas, ocasionais, intermitentes14 ou contínuas. Conforme o caso, as dores na parte alta das costas1 ou do pescoço2 podem irradiar para os braços e para as mãos15 e as da parte baixa das costas1 podem irradiar para as pernas e para os pés.

Existem sinais16 que indicam algum tipo de gravidade?

Alguns sinais16 que se associam às “dores nas costas” devem ser vistos como indicadores de problemas mais sérios. São eles:

  1. Incontinência17 intestinal ou urinária.
  2. Fraqueza progressiva nas pernas.
  3. Dor aguda, acompanhada de febre18 e/ou perda de peso.
  4. Dor que ocorre após um trauma.
  5. Dor em indivíduos com alto risco de fraturas.

Além disso, várias doenças viscerais podem gerar dores que são referidas nas costas1, como as infecções19 urinárias e pulmonares, o infarto do miocárdio20, o herpes zoster21, os tumores dos ovários22 e da próstata23.

Quais as principais características das dores nas costas1?

Cada caso é um caso, mas em geral as “dores nas costas” iniciam-se lentamente e vão aumentando gradativamente. Pioram com os movimentos e melhoram quando a pessoa se deita, mas são mais intensas pela manhã e mais brandas durante o dia.

Às vezes, a dor aparece como uma pontada e as pernas parecem “falhar”. Outras vezes, ela aparece quando a pessoa fica algum tempo sentada ou de pé e a pessoa tende então a procurar um lugar para se recostar. Em algumas ocasiões, as dores surgem ou aumentam quando a pessoa faz determinados movimentos ou carrega peso. Enfim, cada pessoa acaba “aprendendo” o que melhora ou piora suas dores e passa a se comportar segundo esse entendimento.

Quais são as possíveis causas das dores nas costas1?

Além das possíveis causas específicas, devem ser valorizadas as posturas incorretas, o sentar-se ou levantar-se incorretamente, o dormir em colchão inadequado, o uso de travesseiros muito altos, o levantar pesos dobrando a coluna e não os joelhos, o esticar-se para colocar objetos em lugares altos e o executar tarefas diárias em posição errada, coisas que em geral as pessoas chamam de “mal jeito”.

Outro fator comum é a obesidade24, por levar a uma sobrecarga dos discos intervertebrais. Também o estresse e a depressão, por levarem à contratura muscular e a compressões das raízes nervosas25, podem ser causas de dores nas costas1.

Qual o tratamento das dores nas costas1?

Evidentemente, o tratamento depende das causas. Há dores eventuais que acabam em poucos dias, mesmo sem tratamento e outras permanentes e resistentes às medicações e demais providências terapêuticas.

Em geral os analgésicos26, miorrelaxantes e anti-inflamatórios são utilizados para alívio sintomático27, na fase aguda. Deve-se seguir com fisioterapia28 convencional, ginástica planificada, reorientação postural, condicionamento físico, hidroterapia29, etc. Alguns casos podem requerer a ajuda de um nutricionista30 ou de um psicólogo. Quando há causas específicas conhecidas, elas devem ser removidas ou tratadas.

ABCMED, 2011. Você tem “dores nas costas”? Por quê?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/ortopedia-e-saude/245950/voce+tem+dores+nas+costas+por+que.htm>. Acesso em: 27 mai. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Costas:
2 Pescoço:
3 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
6 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
7 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
8 Hérnia de disco:
9 Coluna vertebral:
10 Articulações:
11 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
12 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
13 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
14 Intermitentes: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
15 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
16 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
17 Incontinência: Perda do controle da bexiga ou do intestino, perda acidental de urina ou fezes.
18 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
19 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
20 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
21 Zoster: Doença produzida pelo mesmo vírus que causa a varicela (Varicela-Zóster). Em pessoas que já tenham tido varicela, o vírus se encontra em forma latente e pode ser reativado produzindo as características manchas avermelhadas, vesículas e crostas no território de distribuição de um determinado nervo. Como seqüela pode deixar neurite, com dores importantes.
22 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
23 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
24 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
25 Raízes nervosas:
26 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
27 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
28 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
29 Hidroterapia: 1. Uso da água sob formas diversas (banhos, duchas, loções, compressas úmidas, etc.) com fins terapêuticos. 2. Qualquer terapia que faça uso de água.
30 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Ortopedia E Traumatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

14/10/2012 - Comentário feito por andressa
Re: Você tem “dores nas costas”? Por quê?
sou massoterapeuta para dor nas costa sera muito bom fazer massagem para coluna pelo menos uma vez na semana vai ter um resultado meio imediato.boa sorte .

04/08/2012 - Comentário feito por Marcos
Re: Você tem “dores nas costas”? Por quê?
tenho apenas 38 anos mas venho sofrendo muito com dor nas costas estou no japao trabalhando dificilmente pego um trabalho leve sao todos pesados e de movimentos bruscos e hoje em dia tenho tido dores fortes nas costa no pescoco e tambem nos ombros mas estou com medo agora porque meus dedos estao dormentes dedos da mao e ate dificil pra segurar alguma coisa elas caem da minha maos facilmente nao sei mais que fazer estou com muito medo aqui no japao tenho passado ao medico e ele me pucha o pescoco e coloca algumas agulhas com energia por 15 minutos mas nao esta resolvendo tenho 4 filhas aqui e sou casado nao posso ficar sem trabalhar aqui no japao mas hoje em dia esta dificil porque tudo por aqui e pesado estou com muito medo da minha coluna dessas dor muitos fortes gostaria muito que alguem me indicace algo pra eu fazer para melhorar minha coluna aguardo uma resposta obrigado.me esqueci de outra coisa o cokes doi muito tambem e ate dificil ficar sentado por muito tempo que e isso.

10/11/2011 - Comentário feito por Cristina
Re: Você tem “dores nas costas”? Por quê?
Sim, Sempre minha vida toda fui bastante magra, tive 2 filhos,engordei apenas no máximo 9Kg. Mesmo no meu segundo parto após 40 dias já estava eu com os meus 48 Kg adoráveis, e ela também nasceu grande para menina: - 50 cm e 2,950Kg. Nesta época eu já tinha 37 anos. e continuei até ela ter 10 anos, muita coisa mudou, e hoje tenho 25 Kg a mais, e a constituição óssea pequena,meus corpo rendeu se ao peso e hoje passei a ter tantos problemas de saúde e muita dor, tudo de mal ocorreu. Queria minha vida de vota, nem consigo mais ser mãe, e sou ignorada porque fico muito tempo na cama e.... tantas coisas. Sempre gostei muito da área de saúde e pesquiso muito, adorei este convite, obrigada Cristina.

  • Entrar
  • Assinar