Gostou do artigo? Compartilhe!

Entenda o “Jet lag” e amenize os seus sintomas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é “Jet lag”?

“Jet lag” (descompensação horária ou dissincronose) é a alteração rápida dos ritmos biológicos dia/noite que ocorre após as mudanças em grandes amplitudes de fusos horários em longas viagens de avião, caracterizada por problemas físicos e psíquicos, especialmente do ciclo do sono. Quando uma pessoa viaja de avião, mudando rapidamente de meridiano (sentido leste-oeste ou vice-versa), pode ocorrer que o dia ou a noite fique mais curto ou mais longo e provoque o fenômeno chamado “Jet lag”.

Quais são as causas do “Jet lag”?

O “Jet lag” ocorre como consequência de viagens através de diferentes fusos horários, o que se tornou mais comum com as viagens a jato, donde o nome “Jet lag”, porque em inglês jet = jato e lag = diferença de horário. Essa condição não é baseada no tamanho ou duração do voo, se ele é feito dentro do mesmo meridiano ou de meridianos próximos, no sentido norte-sul (ou vice-versa), mas pela distância viajada no sentido leste-oeste (ou vice-versa).

As viagens para o leste geralmente são piores que para o oeste. O “Jet lag” se deve, entre outras coisas, ao distúrbio dos níveis hormonais de hidrocortisona ocasionado pelas mudanças no ritmo circadiano1. Outra causa pode ser o fato de a pessoa passar várias noites consecutivas acordada, pois o organismo habitua-se a dormir a uma dada hora e demora a recuperar as horas de sono perdidas e o retorno ao estado normal.

Qual é a fisiopatologia2 do “Jet lag”?

Vários funcionamentos do organismo são integrados com condições ambientais em termos de latitude e longitude, com a rotação da Terra e com a alternância regular do ritmo claro/escuro. Nesses casos estão as secreções hormonais, certos ritmos orgânicos, como a frequência cardíaca e o peristaltismo3, por exemplo, os horários de dormir e acordar, os hábitos alimentares, etc.

Quando essas condições mudam, o organismo reage e leva algum tempo para se readaptar às novas condições. Ademais, uma viagem de longa duração que implica em grandes mudanças de fuso horário, implica também em outras mudanças e transtornos que acabam colaborando com o “Jet lag”: voo a grande altitude, com pressão barométrica mantida artificialmente, permanência assentado por muito tempo, mudanças nos hábitos de alimentação e sono, mudanças de clima, situação psicológica especial, etc.

Quais são os principais sinais4 e sintomas5 do “Jet lag”?

Normalmente, os sintomas5 do “Jet lag” só se manifestam mais ostensivamente quando a diferença de fuso horário for superior a duas horas. Após uma viagem passando por vários fusos horários, a pessoa sente que seu relógio biológico não está sincronizado com o horário do local.

As alterações provocadas pelo “Jet lag” são diferentes para cada pessoa, podem durar apenas horas ou dias e provocar uma mudança no funcionamento do organismo, principalmente distúrbios do sono e nas horas de refeição, de repouso e da regulação hormonal, que não correspondem mais ao ambiente. A rapidez com que o corpo se ajusta ao novo horário também varia de pessoa para pessoa: algumas pessoas demoram muitos dias para se adaptar ao novo horário, outras demoram poucas horas para fazê-lo. Parece que crianças com menos de três anos de idade não sofrem de “Jet lag”.

Os sintomas5 principais do “Jet lag” são fadiga6, falta de motivação, cefaleia7, cansaço, alterações da temperatura corporal, do ritmo cardíaco, dos níveis pressóricos8 arteriais, de padrões de comportamento e dificuldades de concentração e desorientação. Os sintomas5 de “Jet lag” são um fator importante nas performances negativas de executivos, desportistas e turistas em geral.

Como tratar o “Jet lag”?

Não há um tratamento consistente, mas medicações homeopáticas e a melatonina têm sido usadas, sendo o emprego delas ainda controverso. Pílulas para dormir não são aconselhadas. A terapia com luzes consiste na exposição da pessoa a 3.000 lux no início do dia, para quem viaja para o leste, ou no final do dia, para quem viaja para oeste, mas é cara e inconveniente.

Como prevenir o “Jet lag” ou diminuir seus efeitos?

Nos quatro dias que antecedem a viagem, a pessoa deve passar a se alimentar de acordo com os horários do destino e procurar dormir bem na noite anterior ao voo. Durante a viagem, a pessoa deve beber bastante líquido, evitando café, chá e bebidas alcoólicas. Deve consumir com moderação a comida oferecida a bordo e fazer exercícios de alongamento, especialmente para as pernas e, se for possível, fazer algumas pequenas caminhadas pelo corredor do avião.

ABCMED, 2015. Entenda o “Jet lag” e amenize os seus sintomas. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/808809/entenda+o+jet+lag+e+amenize+os+seus+sintomas.htm>. Acesso em: 18 jun. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Ritmo circadiano: Também conhecido como ciclo circadiano, o ritmo circadiano representa o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Uma das funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite. Através de um marca-passo interno que se encontra no cérebro, o ritmo circadiano regula tanto os ritmos materiais quanto os psicológicos, o que pode influenciar em atividade como: digestão em vigília, renovação de células e controle de temperatura corporal.
2 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
3 Peristaltismo: Conjunto das contrações musculares dos órgãos ocos, provocando o avanço de seu conteúdo; movimento peristáltico, peristalse.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
7 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
8 Níveis pressóricos: Em cardiologia, níveis pressóricos são os níveis de pressão arterial.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.