Gostou do artigo? Compartilhe!

Necrose: definição, causas, tipos, evolução

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é necrose1?

Necrose1 é o estado de morte de um grupo de células2, tecido3 ou órgão, geralmente devido à ausência de suprimento sanguíneo. A necrose1 pode ocorrer também por outros fatores que levam à lesão4 celular irreversível, como a ação causada por agentes químicos tóxicos ou resposta imunológica danosa. Fala-se de morte celular quando as suas funções orgânicas e processos do metabolismo5 cessam. A necrose1 deve ser diferenciada da apoptose6 que é a morte celular natural e programada pela natureza, não seguida de autólise7 (destruição das células2 por reabsorção), que serve ao equilíbrio do organismo.

Quais são as causas da necrose1?

A necrose1 pode ocorrer por conta de agentes físicos como ação mecânica, temperatura, efeitos magnéticos, radiação; agentes químicos, como tóxicos, drogas, álcool, etc. e agentes biológicos, como infecções8 virais, bacterianas, micóticas, parasitárias ou insuficiência9 circulatória. A necrose1 leva ao desaparecimento total do núcleo celular e, por fim, da própria célula10, o que é precedido de alterações celulares estruturais graves.

Necrose

Quais são os tipos de necrose1 que existem?

Os principais tipos de necrose1 são:

  • Necrose1 de coagulação11 ou isquêmica: ocorre devido a uma hipóxia12 ou isquemia13 em qualquer tecido3, exceto o cerebral, que sofre necrose1 por liquefação14. Ela é determinada pela desnaturação15 das proteínas16 celulares autolíticas, com o que a célula10 não é destruída e a arquitetura tecidual é mantida por alguns dias até a digestão17 e remoção da necrose1.
  • Necrose1 de liquefação14: devido à infecção18 por agentes biológicos ou por isquemia13 ou hipóxia12 no tecido3 cerebral. A lesão4 e morte celular são causadas por toxinas19 produzidas pelos micro-organismos infecciosos ou por processo inflamatório. As células2 mortas são rapidamente fagocitadas20 e digeridas. A digestão17 do tecido3 necrótico resultará na formação de uma massa residual amorfa, geralmente composta por pus21.
  • Necrose1 fibrinoide: o tecido3 necrosado adquire um aspecto róseo e vítreo22, semelhante à fibrina23. Ocorre em algumas doenças autoimunes24 e na hipertensão arterial25 maligna.
  • Necrose1 gangrenosa: um tipo de necrose1 de coagulação11 que acomete principalmente as extremidades de membros que perderam o suprimento sanguíneo, gerando gangrena26, isto é, uma necrose1 seguida de invasão bacteriana e putrefação tecidual.
  • Necrose1 gordurosa: ocorre quando há o extravasamento de enzimas lipolíticas para o tecido adiposo27, o que leva à liquefação14 dele. É o tipo de necrose1 que ocorre nas pancreatites agudas.

Como evolui a necrose1?

O processo necrótico pode evoluir para cicatrização total, devido à proliferação de tecido conjuntivo28-vascular29 ou gerar ulcerações30 permanentes ou recidivantes31. Os processos necróticos maiores podem se tornar encapsulados pelo tecido conjuntivo28 que os envolve.

ABCMED, 2014. Necrose: definição, causas, tipos, evolução. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/553812/necrose+definicao+causas+tipos+evolucao.htm>. Acesso em: 22 out. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
4 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
6 Apoptose: Morte celular não seguida de autólise, também conhecida como “morte celular programada“.
7 Autólise: Destruição de tecido vivo ou morto por enzimas e células do próprio organismo; também conhecida como autodigestão.
8 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
10 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
11 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
12 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
13 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
14 Liquefação: Transição ao estado líquido de substância que se encontra no estado gasoso ou sólido.
15 Desnaturação: 1. Perda daquilo que é da natureza, que é característico ou próprio de algo; descaracterização, desfiguração, adulteração, desnaturalização. 2. Em bioquímica, é a perda da estrutura tridimensional de uma macromolécula em razão da exposição a agentes como o calor e a acidez. 3. Na genética, é a separação das duas cadeias de nucleotídeos componentes da molécula de ADN.
16 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
17 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
20 Fagocitadas: Aquilo que passou por um processo de fagocitose, ou seja, por um processo de ingestão e destruição de partículas sólidas, como bactérias ou pedaços de tecido necrosado, realizado por células ameboides chamadas de fagócitos.
21 Pus: Secreção amarelada, freqüentemente mal cheirosa, produzida como conseqüência de uma infecção bacteriana e formada por leucócitos em processo de degeneração, plasma, bactérias, proteínas, etc.
22 Vítreo: 1. Substância gelatinosa e transparente que preenche o espaço interno do olho. 2. Com a transparência do vidro; claro, límpido, translúcido. 3. Relativo a ou próprio de vidro.
23 Fibrina: Proteína formada no plasma a partir da ação da trombina sobre o fibrinogênio. Ela é o principal componente dos coágulos sanguíneos.
24 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
25 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
26 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
27 Tecido Adiposo: Tecido conjuntivo especializado composto por células gordurosas (ADIPÓCITOS). É o local de armazenamento de GORDURAS, geralmente na forma de TRIGLICERÍDEOS. Em mamíferos, existem dois tipos de tecido adiposo, a GORDURA BRANCA e a GORDURA MARROM. Suas distribuições relativas variam em diferentes espécies sendo que a maioria do tecido adiposo compreende o do tipo branco.
28 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
29 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
30 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
31 Recidivantes: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

20/03/2017 - Comentário feito por Patricia
Amei a pagina, material muito auto explicativo,...
Amei a pagina, material muito auto explicativo, me ajudou muito.
Grata.

  • Entrar
  • Assinar