Atalho: 6ILVHG7
Gostou do artigo? Compartilhe!

O que é hérnia de disco?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é hérnia de disco1?

Hérnias2 de disco são hérnias2 que ocorrem na coluna vertebral3. A coluna vertebral3 consta de 33 vértebras (7 cervicais, 12 torácicas, 5 lombares, 5 sacrais e 4 fundidas no osso cóccix4) dispostas umas sobre as outras, formando no seu interior um canal por onde passa a medula espinhal5. As vértebras são mantidas “empilhadas” por vários músculos6 e ligamentos7 (músculos6 e ligamentos7 paravertebrais) e entre elas há um disco cartilaginoso elástico, cuja função é evitar o atrito e amortecer os impactos sofridos pela coluna vertebral3. Eles servem também para criar e manter um espaço entre as vértebras, por onde saem as raízes dos nervos que se dirigem à periferia do corpo. Com o tempo e o uso repetitivo, esses discos se desgastam, facilitando a formação de hérnias2. Hérnia de disco1 é a projeção de uma dessas placas8 cartilaginosas para fora de sua localização normal.

Quase sempre essas hérnias2 obstruem os espaços intervertebrais por onde saem as raízes dos nervos periféricos, causando dor e distúrbios sensoriais ou motores. Geralmente as hérnias2 são póstero-laterais, em virtude de que nessa região os discos não são sustentados por ligamentos7.

Quais são as causas das hérnias2 de disco?

As principais causas das hérnias2 de disco são predisposições genéticas, envelhecimento, inatividade física e tabagismo. Muitas vezes as hérnias2 são desencadeadas no momento de carregar ou levantar um peso ou de traumatismos sobre a coluna. As compressões repetitivas, como as que acontecem ao dirigir, por exemplo, podem afetar uma coluna já fragilizada. Outras condições que podem favorecer a emergência9 de hérnias2 de disco são: trabalho físico pesado; postura estática prolongada; inclinar ou girar o tronco frequentemente; levantar; empurrar e puxar.

Quais são os sinais10 e sintomas11 das hérnias2 de disco?

Geralmente a hérnia de disco1 é precedida por ataques de dor lombar. O disco herniado pode ou não comprimir a raiz nervosa e com isso a hérnia de disco1 pode ou não gerar sintomas11.

Os sintomas11, quando existem, são mais frequentes nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas ao movimento e as que suportam maiores cargas. Os sintomas11 estão associados à área em que foi comprimida a raiz nervosa. Os mais comuns são a parestesia12 (formigamento) com ou sem dor, irradiada ou não para os membros inferiores ou superiores, e dor na própria coluna. A parestesia12 às vezes é sentida apenas nas extremidades.

Como o médico diagnostica as hérnias2 de disco?

O primeiro passo do diagnóstico13 é clínico, levando em conta as características dos sintomas11 e o resultado do exame neurológico. Os exames de imagem, como a radiografia, a tomografia computadorizada14 e a ressonância magnética15 ajudam a determinar o tamanho da lesão16 e a sua exata localização.

Como é o tratamento das hérnias2 de disco?

O tratamento para hérnias2 de disco consiste de um programa fisioterapêutico que utiliza técnicas de fisioterapia17 manual, mesas de tração e descompressão18, estabilização vertebral, exercícios de musculação e exercícios específicos, visando o controle intersegmentar da coluna lombar, cervical, do quadril e do ombro.

As pequenas hérnias2 de disco lombares em geral respondem bem ao tratamento conservador. Elas podem ser revertidas com a observação de repouso, o uso de analgésicos19 e anti-inflamatórios e com sessões de fisioterapia17. Em apenas um mês a grande maioria dos portadores dessas hérnias2 estão aptos para reassumir suas atividades rotineiras.

As hérnias2 cervicais podem surgir primariamente na região cervical ou serem secundárias a alterações da coluna vertebral3 acometida de uma hérnia20 lombar.

A escolha do tratamento, se cirúrgico ou não cirúrgico, das hérnias2 de disco, deve levar em conta a gravidade dos sintomas11 e o déficit motor envolvido. A primeira tentativa é o tratamento conservador. A cirurgia só deve ser indicada se o paciente não responder a ele ou nos casos de dor incontrolável por compressão nervosa.

Como se previne as hérnias2 de disco?

Deve-se evitar as condições facilitadoras e as desencadeadoras das hérnias2 de disco. Quanto às primeiras, deve-se observar a prática regular de atividades físicas, exercícios de alongamento e que fortaleçam a musculatura abdominal, paravertebral e a postura corporal correta. Quanto às segundas, deve-se evitar traumatismos sobre a coluna, exercícios violentos, pegar peso e agachar em posição inadequada.

O álcool e o cigarro também parecem favorecer a emergência9 de hérnias2 de disco.

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas em parte dos sites do Australian Government – Department of Veterans’ AffairsMayo Clinic e da American Academy of Orthopaedic Surgeons – Orthoinfo.

ABCMED, 2012. O que é hérnia de disco?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/306310/o+que+e+hernia+de+disco.htm>. Acesso em: 23 set. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Hérnia de disco:
2 Hérnias: É uma massa circunscrita formada por um órgão (ou parte de um órgão) que sai por um orifício, natural ou acidental, da cavidade que o contém. Por extensão de sentido, excrescência, saliência.
3 Coluna vertebral:
4 Cóccix:
5 Medula Espinhal:
6 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
7 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
8 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
9 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
15 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
16 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
17 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
18 Descompressão: Ato ou efeito de descomprimir, de aliviar o que está sob efeito de pressão ou de compressão.
19 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
20 Hérnia: É uma massa circunscrita formada por um órgão (ou parte de um órgão) que sai por um orifício, natural ou acidental, da cavidade que o contém. Por extensão de sentido, excrescência, saliência.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Neurologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.

Comentários

13/10/2012 - Comentário feito por nilza
Re: O que é hérnia de disco?
tenho hérnia pequena entre c3 e c4 ...doi muito ao fazer determinadas coisas como por roupa no varal usar vasoura e rodo etc. subir escadas pegar peso e escadas nem pensar. controlo com analgésicos e principalmente levando uma vida sedentária..o que significa num poder cuidar da casa como antes e num viver como gostaria. tive que deixar de fazer quase tudo. afetou vida social e casamento .

  • Entrar
  • Assinar