Gostou do artigo? Compartilhe!

Diferença entre fome e gula

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

Quais são as diferenças entre fome e gula?

Comer é um ato que por um lado atende às necessidades do corpo por energia e, por outro, está vinculado a um prazer autônomo e independente daquelas necessidades. No primeiro caso, as necessidades são expressões meramente fisiológicas1, mas no segundo expressam uma concupiscência desde há muito vista nos contextos religiosos como pecado.

No entanto, os limites entre ambas não são fáceis de serem traçados com precisão. Quando se fala em fome, geralmente está-se referindo a uma necessidade ou desejo indiferenciado e obrigatório de comida, embora, por extensão, refere-se também a qualquer outro desejo forte (por exemplo, “eu tenho fome de vencer”). A frase “estar com fome de ...'' é comum para expressar uma intensidade que vai além da necessidade de comida. Em alguns contextos religiosos, o comer é incluído como parte dos seus rituais. As missas católicas comtemplam a celebração de uma refeição. Conferindo ainda uma maior abrangência ao termo, Mateus, versículo 6, diz: “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça”.

A gula, por sua vez, o vício de comer em excesso, é vista como pecado. Para pensadores antigos, de viés religioso, alguém envolvido nos prazeres da gula pode se afastar das atividades espirituais e enfraquecer suas defesas morais. Ela só é superada quando alguém tem uma "alma completa". O filósofo cristão medieval Tomás de Aquino afirmou que comer em excesso pode iniciar uma alegria excessiva e indecorosa, loucura, impureza, loquacidade e embotamento2 da mente.

À medida que os tempos mudaram e nossa cultura evoluiu, a gula passou de um pecado a uma questão de saúde3. Hoje em dia, a gula é mais uma questão de viver em uma sociedade que consome demais e desperdiça recursos; uma sociedade que se alegra com o excesso de consumo, mas denuncia aqueles que engordam. Nossos julgamentos de comida/bebida são muitas vezes baseados em nossos desejos e eles muitas vezes são moldados por forças sociais e culturais.

O consumo de alimentos pode espelhar o equivalente moral do abuso de substâncias, mas a comida é legal e aceita socialmente. Queremos o prazer irrestrito de comer, mas as consequências calóricas são mal vistas. Temos um potencial ilimitado de consumo, limitado apenas pelos nossos desejos. Não apenas evitamos assumir a responsabilidade por nossas ações, mas também jogamos fora os sinais4 de saciedade do corpo. Não permitimos que nossas fisiologias trabalhem como a Natureza pretendia.

Leia mais sobre "Como funciona o controle do apetite?", "O papel da insulina5 no corpo" e "Alimentação saudável".

Comer além do necessário faz mal?

Pense no seguinte: se uma pessoa ingere mais alimento do que é biologicamente demandado, a máquina orgânica digestora tem de funcionar além do necessário, ocasionando maiores desgastes. Além disso, o excesso de energias é acumulado sob a forma de gorduras orgânicas, causando obesidade6.

A regulação alimentar de um animal não humano é feita quase que exclusivamente por mecanismos orgânicos. Quando se trata dos homens, essa regulagem depende também de fatores sociais, culturais, psicológicos e religiosos. O animal só come quando tem fome e come a primeira coisa comestível que esteja em seu caminho, determinada pelo instinto; o homem, além disso, come também por motivos psicológicos, sociais, estéticos ou rituais e mesmo encontrando comida pode adiar sua satisfação em vista de uma escolha alimentar determinada.

Todo chef sabe que um bom prato, além de ser nutritivo, tem de ser saboroso e esteticamente agradável. Come-se não apenas porque o corpo pede, por meio da fome, mas come-se para celebrar, para festejar ou por pura gula. Algumas pessoas sofrem de compulsão alimentar e não conseguem controlar a quantidade de alimentos que estão ingerindo, e comem em excesso também por ansiedade ou quando estão estressadas.

O comer demais gera uma desagradável sensação de plenitude gástrica e, por vezes, vômitos7. Além disso, a ingesta em excesso de certos alimentos causa consequências maléficas. Este é o caso, por exemplo, do potássio, do açúcar8, do sal, da cafeína, do flúor, das gorduras e dos carboidratos. Aqui estamos considerando apenas o excesso dessas substâncias decorrente do comer em excesso. Uma dieta que seja farta em algum desses elementos pode ter os mesmos efeitos maléficos, mesmo que a comida seja ingerida em menores quantidades. E o comer em excesso causa outro mal que em alguns países tornou-se uma epidemia: a obesidade6 e suas consequências.

Saiba mais sobre "O comer compulsivo", "Ansiedade", "Estresse", "Carboidratos", "Perigo das dietas" e "Obesidade6".

Qual é o papel do jejum?

Em geral, os jejuns mais prolongados obedecem a motivações religiosas, embora os jejuns mais curtos possam ser feitos por razões médicas ou como dietas para emagrecer. Jejuar por propósitos espirituais é tornar-se espiritualmente “completo”, mas também constrói disciplina e respeita os verdadeiros sinais4 de fome do corpo.

Breves períodos de jejum ensinam que a fome não é uma emergência9 que requer ação imediata em todos os momentos. Idealmente, aprende-se a distinguir sinais4 físicos, naturais e verdadeiros de fome. Se a comida/bebida está governando a vida da pessoa, desistir dela por um determinado período de tempo pode ser um excelente exercício de autoexame. Esse autoexame através do jejum ensina a estar contente com comidas simples.

O jejum pode nos ajudar a controlar pensamentos gulosos e redirecionar o apetite para algo construtivo. Além disso, aqueles que regulam a comida tendem a gostar mais dela. Alguém que acabou de fazer um jejum de qualquer natureza, provavelmente gostará mais de um morango do que a pessoa que comeu todos os dias. Ademais, se estiver sempre plena de comida/bebida, a pessoa pode esquecer-se do crescimento espiritual. O jejum foi feito para aumentar a fome pela espiritualidade.

Veja também sobre "Dieta do jejum", "Bulimia10", "Anorexia11" e "Ortorexia nervosa".

 

ABCMED, 2018. Diferença entre fome e gula. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/1323823/diferenca+entre+fome+e+gula.htm>. Acesso em: 24 set. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
2 Embotamento: Ato ou efeito de perder ou tirar o vigor ou a sensibilidade; enfraquecer-se.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
6 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
7 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
8 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
9 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
10 Bulimia: Ingestão compulsiva de alimentos, em geral seguida de indução do vômito ou uso abusivo de laxantes. Trata-se de uma doença psiquiátrica, que faz parte dos chamados Transtornos Alimentares, juntamente com a Anorexia Nervosa, à qual pode estar associada.
11 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Clínica Médica?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.