Gostou do artigo? Compartilhe!

Dor de cabeça durante o sexo? Pode ser cefaleia orgástica!

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é cefaleia1 orgástica?

A cefaleia1 orgástica, ou cefaleia1 copulogênica, é um tipo raro de dor de cabeça2 que ocorre apenas durante a atividade sexual, de modo especial durante ou imediatamente antes ou após o orgasmo. Essa dor de cabeça2 é dita primária quando não é causada por nenhuma outra condição ou distúrbio. Às vezes, as dores de cabeça2 durante o sexo podem resultar de alguma condição patológica e, nesse caso, são dores de cabeça2 ditas secundárias.

Quais são as causas da cefaleia1 orgástica?

Não se sabe com certeza o que causa as dores de cabeça2 no orgasmo. Existem dois tipos dessas dores associadas à atividade sexual, especialmente ao orgasmo:

  1. No primeiro tipo, a excitação que acompanha a relação sexual causa contração muscular na cabeça2 e no pescoço3, possivelmente causando a dor de cabeça2. Quando uma pessoa fica excitada sexualmente, os músculos do pescoço4 e da cabeça2 se contraem, o que pode provocar uma dor de cabeça2 tensional;
  2. No segundo tipo, a dor de cabeça2 é de natureza vascular5. Em alguns casos essa dor de cabeça2 é uma resposta ao aumento da pressão arterial6. Quando uma pessoa tem um orgasmo, sua pressão arterial6 aumenta rapidamente e esse aumento na pressão faz com que os vasos sanguíneos7 da cabeça2 se dilatem rapidamente, o que pode causar dores de cabeça2 súbitas e intensas em algumas pessoas.

Pessoas com histórico de enxaquecas8, dores de cabeça2 causadas por esforço ou tosse podem ter maior probabilidade de ter dores de cabeça2 no orgasmo.

Leia sobre "Orgasmo", "Cefaleia1 tensional", "Enxaqueca9", "Relação sexual" e "Queda da libido10".

Quais são as principais características clínicas da cefaleia1 orgástica?

Cerca de 75% das pessoas que sofrem de dores de cabeça2 durante a atividade sexual relatam senti-las nos dois lados da cabeça2 (bilateralmente). Em cerca de 25% dos casos elas são unilaterais. Elas são intensas e começam repentinamente, pouco antes, durante ou logo após o orgasmo, e podem ocorrer em qualquer idade sexualmente ativa, sendo mais comuns entre os homens do que entre as mulheres, numa proporção de 4 para 1 e ocorrendo mais comumente entre os 40 e 49 anos.

Algumas pessoas as experimentam apenas ocasionalmente, enquanto em outras pessoas elas aparecem repetidamente por um período de semanas, meses ou às vezes anos. A dor de cabeça2 do orgasmo costuma ser muito dolorosa e pode ser mais doída atrás ou ao redor da área dos olhos11, ou na região occipital (parte posterior da cabeça2).

Geralmente, a dor é muito intensa por 5-15 minutos, diminuindo gradualmente. Depois que diminui, a pessoa pode ficar sentindo um latejamento na cabeça2 que, às vezes, pode durar várias horas ou até dias. Por outro lado, esse tipo de dor pode aumentar lentamente, em vez de começar de repente, mas ao contrário das enxaquecas8, elas não se acompanham de náusea12 ou sensibilidade à luz ou ao som. Elas melhoram com o repouso, podem piorar ao mover-se e podem ocorrer tanto no sexo em parceria como na masturbação13.

As dores de cabeça2 sexuais secundárias com uma causa séria provavelmente serão acompanhadas de outros sintomas14, como náuseas15, vômitos16, rigidez no pescoço3 ou perda de consciência, por exemplo.

Como o médico diagnostica a cefaleia1 orgástica?

O diagnóstico17 da cefaleia1 orgástica é eminentemente18 clínico e dependente dos relatos do paciente. Ela pode ter características semelhantes às enxaquecas8 e deve ser distinguida delas.

As dores de cabeça2 ligadas à atividade sexual geralmente são benignas. No entanto, às vezes podem sinalizar uma condição subjacente mais séria. As pessoas com dor de cabeça2 ligadas ao sexo, que tenham surgido recentemente ou que ainda não tenham sido avaliadas, devem ser cuidadosamente examinadas pelo médico, para excluir condições como, por exemplo, hemorragia subaracnoidea19, dissecção arterial, síndrome20 de vasoconstrição21 cerebral reversível e outras.

Como o médico trata a cefaleia1 orgástica?

Não há um tratamento específico para as dores de cabeça2 associadas ao sexo, elas desaparecem por conta própria. Como são inofensivas, a pessoa pode frequentemente tratá-las com analgésicos22 comuns.

Como evolui em geral a cefaleia1 orgástica?

Estudos demonstraram que até 40% de todos os casos de dor de cabeça2 primária associados à atividade sexual seguem um curso crônico23 por mais de um ano.

Como prevenir a cefaleia1 orgástica?

Tratar o problema subjacente, quando houver, pode ajudar a reduzir ou prevenir essas crises.

Veja também sobre "Impotência24 sexual", "Ejaculação25 precoce", "Ejaculação25 retrógrada" e "Variações sexuais: o sexo oral e o sexo anal".

 

Referências:

As informações veiculadas neste texto foram extraídas dos sites da American Migraine Foundation e da National Headache Foundation.

ABCMED, 2020. Dor de cabeça durante o sexo? Pode ser cefaleia orgástica!. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1363118/dor-de-cabeca-durante-o-sexo-pode-ser-cefaleia-orgastica.htm>. Acesso em: 31 mar. 2020.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
2 Cabeça:
3 Pescoço:
4 Músculos do Pescoço: Os músculos do pescoço consistem do platisma, esplênio da cabeça, esternocleidomastóideo, longo do pescoço (longo cervical), escaleno anterior, médio e posterior, digástrico, estilo-hióideo, milo-hióideo, gênio-hióideo, esterno-hióideo, omo-hióideo, esternotireóideo e tireo-hióideo.
5 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
8 Enxaquecas: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
9 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
10 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
11 Olhos:
12 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
13 Masturbação: 1. Estimulação manual dos órgãos genitais que geralmente leva ao orgasmo. 2. No sentido figurado, inutilidade de tratar os mesmos temas (considerados infecundos), numa discussão ou pesquisa intelectual ou artística, de modo repetitivo, complacente e inconcludente.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
16 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Eminentemente: De modo eminente; em alto grau; acima de tudo.
19 Hemorragia subaracnoidea: Hemorragia subaracnoide ou subaracnoidea é um derramamento de sangue que se dá no espaço subaracnoideo compreendido entre duas meninges, a aracnoide e a pia-máter. Este espaço contém o líquor. Essas meninges, além da dura-máter, são membranas que envolvem o sistema nervoso. A origem habitual deste sangue é a ruptura de um vaso sanguíneo enfraquecido (quer seja por uma malformação arteriovenosa, quer por um aneurisma). Quando um vaso sanguíneo está afetado pela aterosclerose ou por uma infecção, pode produzir-se a rotura do mesmo. Tais rupturas podem ocorrer em qualquer idade, sendo mais frequentes entre os 25 e os 50 anos. Raramente ela ocorre por um traumatismo craniano.
20 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
21 Vasoconstrição: Diminuição do diâmetro dos vasos sanguíneos.
22 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
23 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
24 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
25 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Sexologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.