Gostou do artigo? Compartilhe!

Dermatite de contato

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é dermatite1 de contato?

A dermatite1 de contato, ou eczema2 de contato, é uma erupção3 cutânea4 avermelhada (uma reação inflamatória) causada por contato direto com uma substância ou reação alérgica5 a ela.

Quais são as causas da dermatite1 de contato?

A dermatite1 de contato é causada por uma substância que irrita a pele6 quando em contato com ela ou que desencadeia uma reação alérgica5 mais localizada, mas que também pode ser generalizada. A substância pode ser um dos milhares de alergenos7 e irritantes conhecidos. Algumas dessas substâncias incluem solventes, álcool, detergentes, shampoos, sabonetes, cosméticos, perfumes, joias, adereços, plantas, fertilizantes, pesticidas e substâncias transportadas pelo ar, como serragem ou pó de lã.

Leia também sobre "Dermatite seborreica8", "Dermatite1 atópica" e "Prurido9 ou coceira".

Quais são as principais características clínicas da dermatite1 de contato?

A erupção3 cutânea4 causada pela dermatite1 de contato não é uma condição grave nem contagiosa10, mas pode ser muito desconfortável. Ocorre em áreas do corpo que tenham sido diretamente expostas à substância causadora de reação como, por exemplo, uma pulseira de relógio ou o elástico de uma roupa. Quase sempre se desenvolve dentro de minutos ou horas após a exposição e dura cerca de duas semanas ou mais.

Os sinais11 e sintomas12 mais comuns da dermatite1 de contato incluem uma erupção3 cutânea4 avermelhada, prurido9 intenso, ardência, pele6 seca, escamosa13 e com rachaduras, bolhas e, às vezes, crostas, inchaço14 e queimação. A dermatite1 de contato pode ser irritativa ou alérgica.

A dermatite1 de contato irritativa é a forma mais comum. Ela ocorre quando uma substância danifica a camada protetora externa da pele6. Em algumas pessoas, ela se desenvolve após uma única exposição, mas em outras os sinais11 e sintomas12 só ocorrem após exposições repetidas. Algumas pessoas desenvolvem uma tolerância à substância irritante, ao longo do tempo.

A forma alérgica ocorre quando a substância em causa é um alergeno15 ao qual a pessoa é sensível e desencadeia uma reação imunológica na pele6, geralmente apenas na área que entrou em contato com o alergeno15. Alergenos7 fortes podem desencadear a reação após uma única exposição e os mais fracos podem requerer várias exposições (às vezes ao longo de vários anos) para desencadear uma alergia16, depois do que mesmo uma pequena quantidade da substância pode causar uma reação.

Como o médico diagnostica a dermatite1 de contato?

O diagnóstico17 da dermatite1 de contato é baseado na história clínica do paciente e na observação direta das lesões18. O diagnóstico17 pode também ser esclarecido pelo teste alérgico de contato, que consiste na aplicação nas costas19 de 30-40 adesivos, cada um contendo uma substância provável de causar dermatite1 de contato. Esses adesivos ficam aderidos à pele6 por 48 horas, depois do que se observa se causaram ou não alergia16 no local, permitindo conhecer, assim, a substância causadora.

Como o médico trata a dermatite1 de contato?

A base do tratamento da dermatite1 de contato consiste em identificar e evitar o que esteja causando a reação. Evitando-se o contato com a substância ofensiva, a erupção3 desaparece num prazo médio de duas semanas. Para evitar a continuidade do efeito da substância irritante a pele6 deve ser bem lavada com sabão neutro para eliminar possíveis resíduos. O efeito também pode ser atenuado pela aplicação de compressas úmidas e cremes anti-coceira.

Se necessário, pode ser usado um medicamento anti-histamínico sistêmico20, para reduzir a coceira e a resposta alérgica. Nos casos mais graves, o médico poderá prescrever um creme esteroide mais potente.

Como prevenir a dermatite1 de contato?

A prevenção das dermatites de contato consiste em evitar o contato com as substâncias que a produzem ou, quando isso for inevitável, utilizar luvas ou veste apropriadas e lavar bem a pele6 para evitar a permanência de resíduos da substância irritante.

Quais são as complicações possíveis da dermatite1 de contato?

As dermatites de contato podem levar a uma infecção21, se a pessoa friccionar repetidamente coçando a área afetada, fazendo com que ela fique molhada e escorrendo. Isso cria um bom ambiente para o desenvolvimento de bactérias e/ou fungos.

Saiba mais sobre "Corticoides", "Bactérias" e "Fungos".

 

ABCMED, 2018. Dermatite de contato. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/pele-saudavel/1318318/dermatite+de+contato.htm>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
2 Eczema: Afecção alérgica da pele, ela pode ser aguda ou crônica, caracterizada por uma reação inflamatória com formação de vesículas, desenvolvimento de escamas e prurido.
3 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
4 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
5 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Alérgenos: Substância capaz de provocar reação alérgica em certos indivíduos.
8 Dermatite seborreica: Caracterizada por descamação da pele e do couro cabeludo. A forma que acomete couro cabeludo é a mais comum e conhecida popularmente por caspa. É uma doença inflamatória, não contagiosa, possui caráter crônico e recorrente. O fungo Pityrosporum ovale pode ser considerado um possível causador da dermatite seborreica. As manifestações clínicas mais comuns são descamação, vermelhidão e aspereza local. As escamas podem ser secas ou gordurosas, finas ou espessas, geralmente acinzentadas ou amareladas, quase sempre aderentes, podendo ser acompanhadas ou não de coceira.
9 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
10 Contagiosa: 1. Que é transmitida por contato ou contágio. 2. Que constitui veículo para o contágio. 3. Que se transmite pela intensidade, pela influência, etc.; contagiante.
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Escamosa: Cheia ou coberta de escamas, ou seja, de pequenas lâminas epidérmicas que se desprendem espontaneamente da pele.
14 Inchaço: Inchação, edema.
15 Alérgeno: Substância capaz de provocar reação alérgica em certos indivíduos.
16 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
19 Costas:
20 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
21 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Dermatologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.