Gostou do artigo? Compartilhe!

Nasofibroscopia: o que é? Como é realizado? Para que serve? Como é feito?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie este artigo

O que é nasofibroscopia?

Nasofibroscopia é um exame endoscópico que avalia da cavidade nasal1 até a laringe2, um pouco abaixo das cordas vocais3, feito através de um aparelho chamado nasofibroscópio. É um exame que permite ver a mucosa4 e as estruturas dessa região.

O que é nasofibroscopia?

O nasofibroscópio é um aparelho constituído por um tubo rígido ou flexível pelo qual passa uma fibra ótica que leva em sua extremidade uma câmera capaz de visualizar o interior do nariz5 e transmitir as imagens a um monitor de televisão, as quais podem ser gravadas. A nasofibroscopia flexível é um exame realizado pela introdução de uma fibra ótica flexível extremamente fina (de 2,2mm a 3,6mm de diâmetro), de superfície lisa e não aderente, em cada uma das fossas nasais separadamente para visualização das estruturas supracitadas. Uma vez utilizado, o nasofibroscópio deve ser reprocessado por meio de uma limpeza adequada com detergente neutro líquido, com ou sem enzimas, seguido da aplicação de álcool a 70%.

Nasofibroscopia

Por que fazer uma nasofibroscopia?

A nasofibroscopia é um exame destinado a captar alterações na cavidade nasal1, tais como, desvio do septo nasal6, hipertrofia7 de cornetos inferiores, hipertrofia7 de adenoide, sinusite8, tumores nasais, etc. Ela também percorre a rinofaringe9, orofaringe10, hipofaringe11 e laringe2, principalmente quando realizada com tubo flexível, o que pode auxiliar muito o profissional da saúde12 a estabelecer um correto diagnóstico13 e tratamento de uma infinidade de doenças das vias aéreas superiores, como roncos, apneia14 do sono, rinites, sinusites, lesões15/tumores de nariz5 e garganta16, distúrbios do olfato e paladar17, sangramentos nasais, cefaleias18 recorrentes, rouquidão, tosse, corpos estranhos nas vias aéreas superiores, dentre outros.

Como é feito o exame de nasofibroscopia?

A nasofibroscopia pode ser realizada em adultos ou em crianças de qualquer idade, sem exigência de nenhum preparo anterior. Trata-se de um exame indolor, ocorrendo apenas um ligeiro desconforto referido como “pressão dentro do nariz”. Pode ocorrer, embora raramente, náuseas19 ou vômitos20. Para minimizar esse inconveniente, recomenda-se um jejum de duas horas precedendo o exame, o que deve ser feito em todas as idades. O exame é feito com anestésico local ou, em pacientes muito ansiosos, com uma ligeira indução hipnótica por medicamento oral ou injetável. O exame é realizado em cerca de quinze minutos.

ABCMED, 2014. Nasofibroscopia: o que é? Como é realizado? Para que serve? Como é feito?. Disponível em: <https://www.abc.med.br/p/exames-e-procedimentos/580572/nasofibroscopia-o-que-e-como-e-realizado-para-que-serve-como-e-feito.htm>. Acesso em: 24 mar. 2019.
Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

Complementos

1 Cavidade Nasal: Porção proximal da passagem respiratória em cada lado do septo nasal, revestida por uma mucosa ciliada extendendo-se das narinas até a faringe.
2 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
3 Cordas Vocais: Pregas da membrana mucosa localizadas ao longo de cada parede da laringe extendendo-se desde o ângulo entre as lâminas da cartilagem tireóide até o processo vocal cartilagem aritenóide.
4 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
5 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
6 Septo Nasal: A divisão que separa as duas cavidades nasais no plano medial, composta de cartilagens, membranas e partes ósseas.
7 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
8 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
9 Rinofaringe: Parte nasal da faringe, situada acima do nível do palato mole.
10 Orofaringe: Parte mediana da faringe, entre a boca e a rinofaringe.
11 Hipofaringe: Hipofaringe ou laringofaringe faz limites na borda superior da epiglote (limite superior) e na margem inferior da cartilagem cricoidea (limite inferior).
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
15 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
17 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
18 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
19 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
20 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Tem alguma dúvida sobre Otorrinolaringologia?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.